sexta-feira, 2 de abril de 2010

ENCARCAR PODIA

Mais uma época importante do ano, cá estou eu e meu saudosismo, pra falar sobre a Semana Santa da minha infância. De família católica, acostumei-me a seguir os ritos que caracterizavam essa data, mas devo ressaltar que aqui não haverá uma explanação do ponto de vista religioso a que essa data se refere, e sim nuances de cultura acerca da mesma.
Imagino que mesmo a Semana Santa tendo um sentido abrangente pra todos os cristãos, em cada região as práticas funcionem de forma diferenciada. Ado, ado, ado...e a conclusão dessa poesia ultra-mega-maxi-conteporânea todos já sabem.
Aqui relato o que minha memória conseguiu salvar depois de anos ingerindo um exterminador de cérebro em potencial, o adoçante.
A mim particularmente causava um certo medo. Nada era permitido especialmente na sexta-feira santa. Era um tensão incrível pra conseguir chegar até o final do dia e ir dormir sem pecado. Ficávamos nos vigiando e competindo pra ver quem cometeria menos deslizes e salvaria sua jovem alma de ir pro inferno. E o jejum? Aqui admito sempre ter sido uma cristã muito sem compostura. Nunca jejuei na vida, sob anos de protesto de minha mãe e avó que acabaram sendo vencidas pela minha falta de apego religioso, aliada à preguiça gigantesca de acordar cedo e NÃO comer.
Depois de estar fora da cama, sem banho tomado porque também era pecado, era chegada a hora das romarias pra pedir a benção a tudo quanto fosse tio, padrinho, pais e avós obviamente. Era muito divertido chegar na casa de parentes que não víamos com tanta freqüência, com a maior cara-de-pau disfarçados de anjinhos, dizer “bença tia” e sair com uma lata de goiabada na mão. Gente, sou do tempo da goiabada em lata. Bem mais deliciosa por sinal.
Pois é, os padrinhos e tios tinham que estar municiados com doces ou um “trocadinho” pra atender a procissão de crianças pidonas que certamente não deixariam de visitá-los.
Aí ficávamos o dia sem ter muito o que fazer, pois a censura de Deus apareceria de todos os lados. Ninguém queria ser o Judas, então todos pelo menos tentavam se comportar. Andar de bicicleta, correr, usar roupa sem manga, dar uns cascudos...nada era permitido. Ah, mas encarcar podia. Em vez de dar uns tabefes ou cascudos, a gente podia apertar o outro segurando nos ombros, forçando pra baixo, aí não tinha risco de pecar, não me pergunte porque, mas você poderia soterrar um amigo de tanto “encarcar” e tava liberado do pecado. Bacaninha, né?
Nunca mais encarquei ninguém. Saudadinha de encarcar.
Tantas vezes fui dormir aterrorizada com medo de não ir pro céu, porque tinha usado uma roupa inadequada, deixado escapulir um palavrãozinho de nada, cantarolado uma música mundana. Uma vez folheei uma revista de fotonovela e me senti a última das criaturas. Me diziam que não podia, eu não compreendia o porque mas tentava ser uma anja, pelo menos naquele dia.
O sábado era o dia do alívio. Estávamos liberados pro pecado... com moderação, obviamente. Podíamos fazer quaisquer brincadeiras e principalmente devolver com juros e correção monetária todos os “encarques” gentilmente recebidos no dia anterior. Além de ser o dia de malhar o Judas, que diga-se de passagem, eu tinha a maior peninha de ver o coitado sendo destroçado e sempre me excluía dessa missão.
Agora tenho que ir ali tomar um chazinho, porque hoje a comilança foi pesada no cardápio à base do coco. Feijão no coco, peixe, bacalhau, camarão, sururu e um tal bredo que minha mãe adora, tudo obviamente preparado à base do coco.
Ufa!
Ainda bem que o coco só se apresenta assim de forma tão contundente uma vez no ano.

Beijoquinhas achocolatadas de Feliz Páscoa pr’ocês, amores meus.
Cuidem-se e não pequem!

15 comentários:

  1. Caraca!(ôpa!)Que delícia de história! Não fui criada assim com religião e gostei dos" encarques" cada uma né?! Umas coisas que não tem explicação deve ter sido alguém que fez isso,foi pego no flagra e falou que isso era permitido,aí todo mundo aproveitou rs...Adorei! Uma Feliz Páscoa e Renascimento. Que Deus abençõe a cada dia seu dom e te ilumine na paz"sem encarques"rs...Montão de bjs,mas, uma porção mesmo, com muitos ,um montão mesmo de abraços carinhosos

    ResponderExcluir
  2. As sexta-feiras santas da minha infância também eram rígidas, e olha, nem encarques eram permitidos, se fossem o jeito seria passar a sexta-feira encarcando né...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Que isso, amiga!

    Não bandonei cê, não!!!rsrs

    Sabe que fui até o nosso amigo google pesquisar o que é "encarque", pra depois poder comentar seu texto? aff
    É, minha querida, sou profa de portuga, mas encarque eu nunca tinha ouvido falar não...rsrs
    Obviamente que troquei o R por L..
    E não é que tem mesmo?
    Duas definições básicas (entre as muitas que vi):
    1- os encalques são utilizados para fazer canaletas.
    Bem, já pensou que utilidade grande ocês tinham aí pra Prefeitura?...
    Abrir canaletas na rua? Toca chamar Pétala Rosadinha e família inteira...era encarque de gente que não acabava mais...vixeeeeeee e o buracão tava feito em segundos...rs
    2- e veja vc mesma esse link, na parte do cuzcuz... e de quebra aproveite para olhar as receitas cearences, menina, pelo jeito deliciosas...rs (já favoritei!)

    http://www.ceara.com.br/cepg/culinaria.htm

    Sabe? Na minha opinião modesta,

    Pecado é desamor...
    Pecado é desamar...

    ...não seria tb pecado "recarcar"????rs, sim, pq afinal, soterrar um coitado, asfixiá-lo até à morte...sei não...rsrs

    Milene Pétala, amei de amar vir aqui...viu?
    E não queira saber tb por que, sua curiosaaaaaaaaaaaaaa
    Pq nem eu seiii

    FEliz e Santa Páscoa a vc tb, no Santo Amor do Cristo Jesus Ressuscitado!
    Bjsssss
    Miga muito amada e querida!

    ResponderExcluir
  4. "ENCARCAR" é mais um entre tantos vocábulos do nordestinês que não consta no dicionário da Língua Portuguesa.
    Mesmo em desuso, trouxe-o lá da minha longínqua infância por que sem encarcar, a Sexta-feira Santa não tinha a menor graça.
    Hoje em dia ninguém encarca mais ninguém.
    Que chatice a vida sem encarcar...rsrs.

    Feliz Páscoa, queridos.

    ResponderExcluir
  5. Amada!

    Voltei para ver meu coment (que havia encucado se entrou ou não...)
    A net por aqui anda péssima!

    Mas entrou felizmente, e tb vi sua explicação do regionalismo, como em todos os cantos lindos do Brasil encontramos...
    Vi que cometi um deslize, ao querer dizer encarcar, eu disse recarcar...releve!
    Coisas lá da minha natural e virtuosa caduquice...
    Bjs!!!

    ResponderExcluir
  6. Pétala, querida amiga.
    Muito detalhe interessante e assim aprendemos as diferenças dos costumes. Mas também sou da opinião que não amar, é que é pecado.
    Relato saudoso, que te transporta a reviver registos que não se repetem da mesma forma. Memórias que são os pedaços do trajecto que é magnifico dares testemunho, visto os costumes já não serem o que eram.
    Como sempre, saio daqui com o bónus de um momento bem passado em boa companhia.
    Beijos e kandandos.

    ResponderExcluir
  7. Beleza de texto.
    Lembro perfeitamente disso e um pouco mais: as rádios tocavam apenas música clássica, as igrejas tinham aquele apavorante pano roxo sobre todos os santos (hoje não sei se continua), o jejum e o ócio faziam parte do cardápio. Detesto tudo isso. Detesto tanta culpa em cima de nós. Mas não cabe aqui, eu ficar filosofando e defendendo minhas idéias no teu espaço. Procuro não ver o martírio de Cristo, aquilo até faz mal, já temos muita crueldade... Não sei porque tanta insistência se todos já viram. Nossa, amiga, esse teu texto dá muito pano pra manga, isto é, daria muito assunto para uma boa conversa.

    Beijos e muitos ovinhos, nós merecemos!
    Tais luso

    ResponderExcluir
  8. Olá graça e paz!

    Fico feliz em ver mais um blog cristão, espalhando a palavra
    de Deus, estou passando para te visitar, e dizer que seu blog
    está sendo uma bênção em nossa blogosfera cristã, já estou te
    seguindo.

    Faça-me uma visitinha e aproveite para participar do
    Sorteio do livro: TEMPERAMENTOS TRANSFORMADOS POR TIM LAHAYE

    Crislaine

    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Agora fiquei com medo de ser encarcado... credo! não deve ser bom este trem... rsrs
    Minha amiguinha escrevendo cada vez melhor e mais gostoso...
    bjs anonimos não encarcados...

    ResponderExcluir
  10. Minha semana natalina não tinha essa rididez toda. Feliz Natal. Tem texto novo no Sub Mundo. Bjus.

    http://submundosemmim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. PÉTALA ROSADINHA,

    UNA-SE A MIM NESTA JORNADA, COM HUMOR MAIS VERDADEIRA.

    QUAL É?

    O NOSSO BLOG " HUMOR EM TEXTO" SAI NA FRENTE , NA

    QUEBRA DESTA CONCEITUAÇÃO CONVENCIONAL E FRUTO

    DA INDÚSTRIA DAS CLÍNICAS DE CIRURGIAS

    PLÁSTICAS E DEVOTA, SEU RESPEITO E AMOR PELA

    MULHERES GORDAS, COM SUBSTÂNCIA E MUITA

    SIMPATIA.

    ADORÁVEIS MULHERES GORDAS SÃO TEMA DA CRÔNICA DE HUMOR: "EU QUERO UMA GORDA GOSTOSA"!

    ESPERO SUA VISITA!

    UM ABRAÇÃO CARIOCA.

    ResponderExcluir
  12. PÉTALA ROSADINHA,

    NEM ASSIM VAI SER MINHA SEGUIDORA?

    NÃO ACREDITO(RS).

    TÔ ESPERANDO SEU PESTIGIO AO BLOG. OK?

    UM ABRAÇÃO CARIOCA.

    ResponderExcluir
  13. Pétala, amada!
    Passei rapidim só prá dizer que deixei um mimo procê lá no blog! Depois eu volto com calma.
    Beijuuss n.c.

    www.toforatodentro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Puxa amiga,obrigada pela força. Estou perdendo feio lá,mas, agradeço seu voto. De grão em grão...A dona do blog falou que cada vez que ligar o pc pode votar que entra. rs...Vamos tentando né?! Montão de bjs e abraços pelo carinho. Adorei!

    ResponderExcluir
  15. Olá querida amiga,
    Volto para te dar o meu Kandando e te agradecer a tua amizade e estares sempre presente.
    Kandandos

    ResponderExcluir