terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O TAPETE ROSADO

Ansiosa, esperava a irmã para pegarem a estrada. Achava um desrespeito atrasar para o almoço, todos os esperavam e lá os horários das refeições são cumpridos, senão religiosamente, ao menos dentro de um atraso tolerável. Parecia que nunca havia ido ao sítio, aquele lugar que guardava tantos momentos mágicos de sua infância e adolescência. Tantas promessas de visita fizera à prima, quando da vinda dessa de Maceió para os fins de semana na casa da mãe... Promessas jamais cumpridas, sempre proteladas. Custava a se permitir levantar da bendita poltrona confortável e não podia reclamar por ninguém acreditar que dessa vez iria de fato. Agora era diferente, queria ir... Precisava aquietar o seu desassossego. Quinze minutos após saírem de casa chegaram ao destino, Sítio Cadoz. O cunhado gosta de pensar que é piloto de uma dessas Fórmulas por aí e se recusa a praticar o verbo desacelerar, sob protestos dos demais passageiros, a irmã e a tia. Até acha bacana a adrenalina, mas se contém para que o moço não se empolgue ainda mais ao volante. Os ares da zona rural se pintam diferentes, isso é fato! O lugarzinho até que vem incorporando tons de progresso mas mantém o encantamento do interior, o bucolismo, a tranquilidade e paz que, apesar das vozes alegres a se encontrarem, a euforia das crianças a correrem livres como a voar feitos pássaros libertos, ainda assim em nada lembra o vai-e-vem ensurdecedor da cidade. O almoço, como era previsível, foi numa descontração só. A deliciosa galinha de capoeira à mesa estava deveras convidativa. preparada sob as mãos mágicas da mãe e tia, a dona da casa, a senhora meiga dos olhinhos infantis, tão acolhedora que não cabe em si tanto mimo aos que chegam. A prima se enche de orgulho em dizer que especialmente hoje as duas foram coadjuvantes no preparo do almoço, ela sim havia preparado as delícias. Tudo conspirava a favor. Até a Vê, sua implacável fiscal de saúde, afrouxou um pouco o nó e nem lhe cobrou os excessos da gula e a cerveja, a qual não resistiu em bebericar num momento ou outro. Lembrou-se de comentar sobre o que havia visto na sua chegada, uma árvore com um imenso tapete rosa formando no chão o desenho de sua copa. A prima falou em meio ao seu sorriso de menina, olhinhos pequenos da cor do céu: “Tá vendo aquele tapete rosa? Coloquei até a poltrona lá pra você”, falou num tom de carinho e zelo comoventes. E lá estava o sofá bem embaixo da árvore, numa sombra maravilhosa, o que a fez lembrar do mormaço cruel que havia deixado na cidade. Aquela sim era uma poltrona aonde se deveria sentar sem remorso algum, sentindo o vento na cara, admirando aquele visual de uma beleza surreal, se não visto ali, de pertinho, confirmando o quanto a natureza pode ser mágica. Era um pé de jambo. esplêndido, frondoso. Em todos esses anos que visitava o lugar, não havia ainda presenciado essa aquarela pintada pela natureza. Encantador! As horas se passaram perfeitas. E a noite chegou sem que alguém se animasse a abandonar o lugar. A noite, na intensidade do seu escuro, não permitia mais a vizualização do tapete e mesmo assim continuavam ali as vozes alegres, as gargalhadas incontidas... Mas a vida é urgente... Havia-se de ir embora, com a promessa de não demorar tanto a próxima visita Numa tarde de sábado de um verão qualquer... Sobre o tapete rosado.



AQUARELA EM FLORES


TAPETE ROSA-CHOQUE


ELAS CAEM... E FAZEM UMA LINDA PINTURA...


UM TANTO DE AMOR INCONTIDO (É A TERCEIRA VEZ QUE ESCREVO ESSA LEGENDA PRA ESSA IMAGEM - REAFIRMANDO)

A PRIMA, A PROTETORA, A MOLECA DOS OLHOS AZUIS-ESVERDEADOS FEITO O MAR DAS ALAGOAS

EU NÃO MATEI O BATMAN, APENAS FOTOGRAFEI...


MEU PRIMO ME DISSE SOBRE A ORIGEM DESSA MOÇA BRANCA, MAS ESQUECI...

ADOREI! FOI AMOR À PRIMEIRA ESPIADA, MAS O SERELEPE FUGIU DO MEU FLASH... CIDA QUE O FOTOGRAFOU NO DIA SEGUINTE

VÁRIOS QUEIXOS... É PRECISO TER MUITOS QUEIXOS PRA ENCARAR A VIDA DE FRENTE...

16 comentários:

  1. Foi uma tarde maravilhosaaaa... rimos muito!
    Que bom que vc foi! Respirou ar puro... desestressou um pouco e ainda ganhou um tapete rosa choque. rsrs

    Bjosss

    ResponderExcluir
  2. Memem linda!
    que tarde maravilhosa em.. pude imaginar!ai que saudade do mato la de casa...e galinha caipira então hummmmm feita por mãos de "mamãe" afff é bom de mais..e esse tapete rosado ai conheço bem de perto é lindo por demais.. fui imaginando nossos encontros que nostalgico que delicia ler vc...

    obg por compartilhar seu momento...
    lindona amada...
    bjO ... linda noite.

    ResponderExcluir
  3. Que a natureza nos ensine sempre : Que o mundo é perfeito! (sonho de uma flauta- T.M. )
    Lindo post!

    ResponderExcluir
  4. - Bem, moça... esse tapete de jambo agora é meu, também. Vai pra minha colção de "Maravilhas da Natureza". E sugiro veementemente que o Relicário inaugure uma galeria de fotos, pinturas e imagens em geral - começando por essas. Menina de sorte - arranjou um trono de fada fácil, fácil!
    - Beijos de jambo, moça!

    ResponderExcluir
  5. Você tem se superado a cada texto e a cada imagem. Que show de composições.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. hahaha que gostosa sintonia....

    agora que vi...
    bjO DENOVO... :)

    ResponderExcluir
  7. Mememmmmmm

    que coisa linda...bem que disse

    e o macaco?? era o Xipan???


    beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  8. Miló... menina do tapete cor di rosa
    Macaco mêi dis-acometido de engraçamento conforme já citei no coment que fazi pro post da Si...
    Você tá deixando de fazê um certo ajuntamento de dim dim e famosidade só escrivinhando aqui no seu magavilhoso brógui.... Escrivinha logo um livresco de Conta histórias di verdade.. pô!!! Tá pêrandu Ukê ?
    E num relance de arreparação da qual eu ia se não o fizesse minha querida Lois_lane... rsss
    Num era eu... mas o parente ali passô um zé-mêio prê contando do festejamento.. rsss

    Bejô com xêro de cocô de vaca no curral... rss
    Tatto

    ResponderExcluir
  9. Milene, beleza de tapete rosado!
    Você falou em bucolismo, e isso é derivado de uma palavra que eu gosto muito: bucólico! Gosto muito de lugares bucólicos, como este lindo sítio.
    Ótimas fotos. Até a galinha é cheia de pose!
    Só faltou o picapau amarelo!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Esse tapete ainda não tive a alegria de ver assim tão vivo. Engrosso e endosso as palavras do Bruxo e do Peludim (desde aquela crônica do seu presidente...) Ainda mais quando mescla sua doçura com seu humor agri-doce ( não és uma assassina, há que se ter vários queixos...muitos mesmo)
    Beijuuss minha minina-ternura, eternamente rosadinha, n.c.

    ResponderExcluir
  11. Simplesmente espetacular! (Você, o texto, a prima, o jambo, a cor rosa, o tapete, o instante, a poesia, a lembrança...)

    Beijos naúfragos... mas não morreremos na praia!

    ResponderExcluir
  12. Querida Mi são momentos como esse que ficam para sempre eternizados em nossos corações quando faz valer a pena viver a vida intensamente...

    PS Parabéns pelo 1 ano de muitos do Inquietude que vc continue com este trabalho belissimo brindando a nossa vida com textos maravilhosos como esse...Vc é especialllll conterrânea arretada
    beijos

    ResponderExcluir
  13. Olá, Milene!
    Um tapete perfeito pra coroar seus caminhos!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  14. Ah Milene!!!!
    Passeei junto com você. Que delícia!!!
    Nunca tinha visto uma árvore dessas e um tapete tão formoso...
    Deu pra sentir a brisa no rosto.
    E fiquei com uma vontade danada de provar essa tal galinha de capoeira!!!
    Deu até água na boca...hummmm....
    Que lindo sua forma de nos brindar com esse momento tão mágico.
    AMEI!
    Beijo grande querida

    ResponderExcluir
  15. Que coisa linda,Milene!

    Quantas fotos legais e a natureza se mostra maravilhosa sempre!

    beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  16. Um beijo muito grande, Milene. Vermelho e escaldante como a cor de fundo do teu blogue (rs).

    Viva o Glorioso a preto-e-branco!

    ResponderExcluir