sábado, 31 de julho de 2010

POSTAGEM FOFA

Minha relação com Mimos e Memes é  um tanto constrangida, porque realmente acho que não fiz muito por merecer... apenas disponho aqui palavras, as minhas, as emprestadas, as que tem algum nexo ou totalmente sem noção. Mas aí recebi da Carol e Pérsio -Pimpão e Pão de Mel - O Blog - esse selo tão bonito e representativo, resolvi deixar o constrangimento de lado. 
Carol é um daqueles anjos sob a forma humana, trabalha com pessoas portadoras de QUALIDADES especiais, segundo ela. E por isso se deu nosso encontro, porque comentei no seu blog sobre (in)acessibilidade. Sua resposta me surpreendeu e emocionou. Vou fazer uso do incrível poder da tecnologia, copiar e colar aqui pra vocês:

Olá,Pétala!





Seu coment agora no Poete teve o cheiro das flores pra mim.
Sabe,eu trabalho com PNE e no momento não encontro mercado para isso.
Contudo,este é o meu objetivo,a minha vida.A partir do primeiro instante que comecei a trbalhar nessa àrea,encontrei o sentido da minha existência.
Me senti produtiva.Se na função que assumo excerço o dom de ensinar,pode ter certeza,que quem mais aprendeu fui eu.
Acabei de dividir com a pessoa que mais amo no mundo a experiência de ler seu coment.
Muito obrigada!
Como disse a ele,se tivesse que fechar o blog hj,pelo seu comentário já teria valido a pena. 
Vc fez faler a pena cada linha que lá escrevi e me deu força pra continuar a militância da igualdade nas diferenças.
Agradeço de todo coração!

Gde beijo!

Carol.



Miss Sakurá tenta tornar mais fácil a vida de pessoas como eu, que vivem encontrando pelo caminho obstáculos físicos, discriminação, falta de oportunidade, enfim.
Tem todo meu respeito e admiração essa menina.

Vamos ao mimo:
Como todos, existem as regrinhas básicas a serem cumpridas, as quais relaciono abaixo:

1º Colocar a imagem do selo no seu blog;


2º Indicar o link do Blog que nos indicou;





3º Indicar blogs para receber o selo;





4º Comentar nos blogs indicados sobre este selo.


O terceiro item prefiro deixar em aberto, porque muitos dos amigos já o possuem, e os outros não sei como lidam com essa questão de selo






Mas em coração, dedico a todos os amigos presentes, generosos em suas palavras.
Beijoquinhas de até breve...


quarta-feira, 28 de julho de 2010

TÍTULO? NEM SEI...

Viciadinha nessa música...

Redescobrindo...

Adoro redescobrir, reiventar.

Ainda que haja coisinhas peculiares

as quais preciso

urgentemente desinventar.

Essa música me chamou,

na verdade berrou,

agora não consigo mais largá-la.

Então assim, redescobrindo,

reinventando,

desinventando...

A vida segue seu curso numa inquietude

que me faz sentir um tanto viva.

Ai de mim se não fosse meu jeito inquieto de ser,

que me instiga, me questiona, me cobra.

Só preciso mesmo responder à altura,

senão ela, a vida, acaba por desistir de mim.

Acaba me desinventando...










Amor Meu Grande Amor

Amor, meu grande amor 
Não chegue na hora marcada
 
Assim como as canções como as paixões
 
E as palavras
 
me veja nos seus olhos
 
Na minha cara lavada
 
Me venha sem saber
 
Se sou fogo ou se sou água

Amor, meu grande amor 
Me chegue assim bem de repente
 
Sem nome ou sobrenome
 
Sem sentir o que não sente

Que tudo que ofereço
 
É meu calor, meu endereço
 
A vida do teu filho
 
Desde o fim até o começo

Amor, meu grande amor 
Só dure o tempo que mereça
 
E quando me quiser
 
Que seja de qualquer maneira
 
Enquanto me tiver
 
Que eu seja a última e a primeira
 
E quando eu te encontrar, meu grande amor
 
Me reconheça

Amor, meu grande amor 
Que eu seja a última e a primeira
 
E quando eu te encontrar, meu grande amor
 
Por favor, me reconheça
 


(Angela Ro Ro)

domingo, 25 de julho de 2010

ANTES DE PARTIR

Ainda está quentinho um papo no MSN com meu amigo anônimo L., que agora é praticamente meu colaborador aqui no Inquietude (olha que garota se achando), onde ele me pergunta se já vi o filme ANTES DE PARTIR. Respondi que sim, gosto muito de filmes que retratem relações fortes, sejam elas de amor, amizade.
Talvez nem caiba aqui uma síntese, todo mundo deve ter visto, pois o mesmo já é rodadinho...mas vamos lá: O filme fala sobre a morte de uma maneira leve, conta com muito bom humor a história de dois sujeitos maduros, ambos tendo em comum um câncer terminal, vividos magistralmente por Morgan Freeman e Jack Nicholson (meu cafajeste preferido), que por si só já valeria o ingresso se o filme fosse ruim, o que não é absolutamente o caso. Antes que a inevitável morte venha buscá-los, os dois malucos saem pelo mundo realizando desejos de numa lista previamente elaborada, contendo aventuras como: saltar de para-quedas, dirigir um mustang, conhecer o Taj Mahal, a Muralha da China, entre outros. O filme é lindo, reflexivo, emocionante sem ser piegas...
Isto feito, voltemos ao meu amigo anônimo L.
Bom, depois de ouvir que eu já havia assistido o filme, me fala: “porque você não posta sobre isso, e assim as pessoas poderiam comentar relatando os seus desejos também, aquilo que pretendem realizar antes de partir... Eu já tenho a minha lista, tenho duas na verdade. Tenho uma lista de sonhos realizáveis, e de sonhos-sonhos.” Adorei a expressão sonho-sonho. Ah, que amigo genuinamente sonhador eu tenho. Entrega-se a eles de peito aberto, se joga de alma e coração.
Mas sonhar é mesmo delicioso, inclusive os tais que julgamos ser impossíveis. Quintana diz “sonhar é acordar-se para dentro”, então que acordemos para dentro, que nos entreguemos aos devaneios, ainda que o acordar desses sonhos acabe por nos custar caro muitas vezes.
Mas aí me peguei a refletir sobre minha Lista da Bota, semelhante a que Edward Cole (Jack Nicholson) e Carter Chambers (Morgan Freeman) se puseram a realizar antes da morte chegar...O que me faria feliz?  Listarei abaixo alguns desses desejos, numa mistura entre os realizáveis ou impossíveis, não necessariamente pela ordem de importância e sim obedecendo ao meu instinto desmemoriado. Certamente mais tarde lembrarei de outros tantos desejos que gostaria de realizar, mas talvez ainda haja tempo de fazer outra lista ANTES DE PARTIR.
Eis:

Ver um jogo do Botafogo no Maracanã lotadíssimo (realizaria isso por mim e pelo meu pai);


Ir a um show do Djavan, primeira fila, obviamente chorar muito ao som de Pétala;


Cruzar o Brasil inteiro numa boléia de caminhão (Pedro e Bino me influenciaram...);


Concluir uma Faculdade (preciso ter uma conversinha com minha zona de conforto, pra ela me permitir sair um pouquinho...);


Viajar de trem (romântico à beça...);


Ter uma casinha na praia, onde eu pudesse ficar sentadinha todas as tardes na varanda, apenas sentindo o mar e espiando o Sol ir se deitar;


Abraçar apertado meus amigos virtuais, dizer-lhes olhando nos olhos o quanto me são queridos;


Ter um laboratório de revelação fotográfica (sonho retrô, em tempos de informatização até dos nossos pensamentos)...

Estes foram apenas alguns dos devaneios contidos no meu baú, certamente irei lembrar de tantos outros que estão guardados e talvez ainda será tempo de buscà-los, ANTES DE PARTIR...


E os seus sonhos, quais são? 


Beijos afetuosos...

terça-feira, 20 de julho de 2010

BRINDEMOS!

É bacana que tenhamos um dia pra homenagear esse sentimento tão especial. Eu diria único! Ah, me desculpem o uso precipitado do clichê, mas DIA DO AMIGO pra mim é todo dia.  
Perdoem-me os que não crêem nessa relação tão sagrada. Perdoem-me os que ficam esperando apenas um vacilo do outro pra bradar e lamentar que amizade verdadeira não existe. Aliás, verdadeira é um termo redundante nesse caso, porque se há dúvidas sobre sua autenticidade então que se arrume outra nomenclatura. Amizade é que não o é!
Esse sentimento definitivamente me enleva. Me faz sinceramente uma pessoa melhor, dentro das minhas inquietas imperfeições. Me permite ser intensa, sensível, grossa, meiga. Com ela posso compartilhar sem nenhum receio os meus fantasmas... A amizade me aceita, eu a aceito em todas as suas nuances.

Não há um só dia em que não compartilhamos alguma coisa, quiçá um simples “oi-liguei-só-pra-saber-se-você-tá-legal”; ou uma ceninha dramática porque estamos ausentes; uma troca afetuosa de desaforos que implica numa birra logo cessada; um poema escolhido sob medida pra dizer o quanto nos queremos bem; um tempo ocioso regado a papo-furado e muita risada; ombro pra nos apoiarmos quando tudo parece um abismo sem fim; um recadinho lindo do tipo” só entrei pra dizer o qto é importante sua amizade e q vc é a coisa mais fofa desse mundo” (minha prima-irmã-amiga Cida acabou de me dizer isso no MSN, meu ego não resistiu em trazer pra cá...rsrs)... e tantas outras coisas lindamente compartilhadas.

Aos amigos, o meu agradecimento e incondicionalmente o meu AMOR!

domingo, 18 de julho de 2010

CARTA A UM AMOR QUE NÃO FOI








 Olá, como vai?

Não conseguiria chegar tão perto de ti senão com minhas palavras, por isso esses escritos tentarão desenhar o que meu coração gostaria de te dizer nesse momento.
Lembro-me de quando nos conhecemos. Foi mágico! Não precisamos de muito tempo para perceber que tínhamos tanto em comum, tantas afinidades que nos mantermos longe um do outro a partir daquele momento seria completamente fora de cogitação.
Não queríamos estar afastados. Não queríamos contradizer o que estava ali, fulgente, evidente. Tínhamos criado em muito pouco tempo um elo afetivo de rara cumplicidade. Tudo estava perfeito, até que um dia, você bem sabe, acho até que percebeu antes que eu mesma... Um dia descobri que tinha destoado a melodia desse sentimento. Quando dei por mim te amava. Me percebi te dando os meus melhores pensamentos e exigindo ainda que inconscientemente uma contrapartida. Quis tomar de assalto o teu coração, mas quanta pretensão tive! Mal sabia eu o quanto esse coração ama a liberdade.
Tinha de ti toda a atenção, carinho, cuidado... todos os ingredientes que dão vida a uma amizade verdadeira, especial. E de repente isso já não me era suficiente.
Embarquei num conflito com minha própria insensatez. Faltou-me o equilíbrio necessário pra fazer razão e emoção entrarem num consenso e dar por encerrada a luta inglória na tentativa de colher pra mim sentimentos que definitivamente não me eram destinados.
Ora, deveria eu saber que sentimento não é um produto que adquirimos por encomenda, o qual fazemos o pedido de acordo com o tamanho da carência do nosso coração. Não! Sentimentos serão sempre inerentes à espontaneidade. “São pássaros livres”, como lindamente diz Mário Quintana.
Te devo desculpas por isso? Acho que sim. De certa forma te deixei docemente constrangido, sentindo uma culpa que absolutamente não era sua. Você permaneceu lá, exatamente aonde deveria estar, no caminho inviolável da amizade. Caminho esse que começamos a percorrer juntos. Se fui eu a querer pegar um atalho equivocado, se andei a passos mais largos e quando olhei pro lado você já não me acompanhava, cedo ou tarde  teria que refazer sozinha esse caminho e chegar novamente até você.
Ando a me perder pelos atalhos mas meu radar acaba por me levar de volta ao rumo certo. Acho até que me encontro em pleno processo  de retorno dessa trilha.
Só te peço que seja paciente, me espere.
Não hei de tardar.

 Beijos...

Todas as cartas de amor são
ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
ridículas.

(...)

As cartas de amor, se há amor,
têm de ser
ridículas.

Mas, afinal,
só as criaturas que nunca escreveram
cartas de amor
é que são
ridículas.

(...)
  

(Fernando Pessoa)

sexta-feira, 16 de julho de 2010

SOBRE TOLERÂNCIA E RESPEITO






















Certa vez minha amiga Regina, aquela que já não mais deixa cavalos selados passarem desapercebidos, generosamente me presenteou com um selinho. Me encontrando em momento de profunda inquietação em que resultou no meu sumiço temporário daqui, acabei não sabendo o que fazer com ele. Eis que agora ela postou no seu Divã  (http://toforatodentro.blogspot.com/) um selo, oferecendo-o a todos os amigos. Não me fiz de rogada e corri mais que o Usain Bolt a fim de pegar o meu.
Como todo selo, existem as regrinhas a serem cumpridas, as quais são as seguintes:

a – exibir, no blog, a imagem do selo e apoiar;
b – colocar o link do blog que lhe deu o selo;





c – indicar o número de blogs que quiser:




d – postar algo sobre como queremos que o mundo seja, como esse mundo pode ser melhor.


Etapas a e b cumpridas, deixo à vontade para os queridos que quiserem postar também sobre o tema, passando assim para o quarto quesito.


Vamos à dissertação!


COMO EU DESEJO QUE O MUNDO SEJA, COMO ESSE MUNDO PODE SER MELHOR?
Haveria uma infinidade de situações a serem colocadas aqui, para tentar desenhar com palavras o que seria o mundo ideal pra mim e creio que pra todo mundo de bom senso.Resolvi ponderar porém sobre dois aspectos que, se me fosse possível, espalharia aos montes mundo a fora: RESPEITO E TOLERÂNCIA.Considerando-se que o mundo perfeito é algo possível apenas no nosso imaginário, julgo que se fizéssemos uso desses dois sentimentos em superdosagens, o mundo imperfeito em que vivemos poderia ao menos ser menos injusto e cruel.Nele, os pais saberiam a receita complexa da arte de amar e educar seus filhos, evitando assim que os mesmos saíssem a se divertir, tocando fogo em índios ou espancando supostas prostitutas por mero prazer.Abusando do respeito e tolerância, transformando-os em regras implícitas pelo coração e bom senso, as pessoas certamente aplicariam seu tempo em atividades bem mais saudáveis e edificantes do que na aberração de propagar o ódio em comunidades do Orkut, onde é possível encontrar absurdos como Eles não conseguem nadar, pois a cabeça deles os faz afundar como uma ancora! Mas o q seria mais sujo, a água da enchente ou os merdestinos?  Seria bom se todos eles morressem na enchente, afinal nordestino é um animal q não sabe nadar!!!".Nesse universo perfeito as pessoas seriam iguais não importando o seu sotaque, a cor da sua pele ou se prefere levar pra sua cama alguém do mesmo sexo que o seu.Apenas uma partícula do que seria o mundo ideal sob a minha concepção, mas que isto posto em prática já daria um gás novo nesse mundão literalmente veio de guerra, ah isso daria!


A todos os queridos, meus inquietos, tolerantes e respeitosos, abraços.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

COMO VAI VOCÊ?

UM AMIGO, MEU PARCEIRO DE PAPOS CABEÇA SEM-PÉ-NEM-CABEÇA,   COMO COSTUMA FALAR, RACIONAL COMO ELE SÓ (RSRSRS), ME DISSE QUE TINHA ESCRITO UM TEXTO E ME MOSTRARIA, E QUE EU PODERIA FAZER DELE O QUE QUISESSE. DEMOROU UM POUCO MAS CUMPRIU A PROMESSA. ME MANDOU ESSE BELÍSSIMO, INTENSO, SENSÍVEL TEXTO, ALÉM DO RECADO ABAIXO. VOU LEVAR UNS PUXÕES DE ORELHA POR ENTREGÁ-LO AQUI, MAS TÁ VALENDO. CORRO O RISCO. TUDO EM NOME DA GRATIDÃO PELA CONFIANÇA EM MIM DEPOSITADA.
ANÔNIMO INQUIETO, OBRIGADA!

EIS O RECADINHO E EM SEGUIDA O TEXTO:



[Este era o tal texto... fica pra você fazer o que quiser com ele (...). Pode deletar, alterar, rabiscar, rir, publicar como se fosse seu (mau negocio pra ti,,, você escreve muito melhor que isto aqui,,rsrs)
 
Não repare os erros de português e digitação... estou com preguiça rsrsrsrss.]







Como vai você? 

Vou bem! Apesar de caminhar sobre uma linha tênue que separa a sanidade da loucura, costurando ora aqui, ora ali.. 

Estou Muito bem! Ainda que o "bem" que almejo, muitas vezes seja a satisfação do meu lado mais egoísta e sombrio do ser, porque o bem real é aquele que realizamos aos outros, principalmente quando sacrificamos nosso próprio interesse, à uma causa maior. 


Estou ótimo! Apenas, me parece, que estou preso num erro da Matrix, onde um Dejavu atrás do outro, torna tudo irreal, onde já não sei mais onde termina o real e começa o virtual e vice-versa... 

Estou muito feliz! E plagiando o inesquecível cronista Rubem Braga, diria que sorrio..Mas daqueles sorrisos que escondem nossas grandes tristezas que guardamos no imo...

Vou indo! Por que se admitisse que estaciono na mágoa ou na solidão, apenas me sentiria mais profundamente só e machucado... 

V
ou bem! Me pergunta porque quer saber mesmo? Interessa-se por mim? Ou apenas é um cumprimento que segue o automatismo das conversas superficiais? Uma mera formalidade entre amigos? Por que se eu for abrir minha alma e lhe dizer realmente como estou, daria um texto, fastidioso como este aqui... 


Está tudo bem! Não se preocupe, mesmo que eu diga que está tudo bem apenas para te tranquilizar, para não dividir contigo angustias, e assim, multiplicar sombras ou te deprimir... Me resta algo, ainda, de hombridade...

E você, como vai? 



terça-feira, 6 de julho de 2010

CONFRARIA DAS MENINAS SUPERPODEROSAS

Na noite que o cientista saiu
As meninas super poderosas
Entediadas, se puseram a filosofar:

Vida de menina não é fácil...
Salvamos o dia, todos os dias e
Ninguém faz massagem nos meus pés,
Lamenta-se  Docinho, cansada das batalhas diárias...

Eu só queria um colo,
um ombro pra chorar também
e falar dos meus medos, confessa, Florzinha...

Num repente, Lindinha, desabafa: meninas super poderosas...
Somos as as garotas desiludidas, isso sim!

Na verdade, 
somos mais poderosas que nunca, 
salvamos os dia
com nosso charme,  inteligencia , sensibilidade, humor, classe,força, coragem...

Gritamos em uníssono:
Senhor Medo, Senhoras Desilusão e Incerteza,           
Melhor nem tentar nos fazer desmoronar!


 Todo dia a gente vinga.!
 Seremos sempre poderosas...
 Mas, sempre não é todo dia.

(Si Fernandes – com alguns pitacos dessa pétala enxerida que vos escreve)

Mais uma vez o papo no MSN rendeu. Estávamos  eu, Cida e Simone, 3 mulheres num papo frenético, descontraído ainda que sério sobre nossos fantasmas sentimentais, camaradinhas, companheiros de sempre, quando Simone resolveu fazer verso da nossa prosa.

Muito bacana!