sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Dos Riscos e das Imensuráveis Pequenas Saudades



E segue-se fazendo alguns riscos... Essa frase tão poética surrupiei de um papo com meu amigo Antônio, no MSN. Rimos do contexto, de como se encaixava perfeitamente no que é a vida, senão riscos que fazemos enquanto a percorremos. Me pus a pensar no que rabisquei em minha caminhada. Senti saudades, saudades singelas. É dessa saudade que falo. Da saudade dos riscos e rabiscos na tentativa de compor um desenho nesse imensurável e imprevisível papel chamado vida.

É da saudade simplória de espalmar a minha mão no cabelo crespo do Wendel enquanto ele gira a cabeça, se transformando no mais caloroso massageador de mãos que já se teve notícias, enquanto tenta me convencer que tem sempre razão nos pontos de vista sobre música e futebol. É da saudade do vinho tomado na calçada, vendo o dia clarear, todos deitados numa esteira de palha, recostados em almofadas, ao som de Legião Urbana, embora um ou outro enamorado sempre implorasse pra ouvir Fábio Júnior. É da saudade de ajudar meu pai na costura dos chapéus, esperando ansiosa a sua chegada da feira, pra saber se enfim tinha se rendido e trazido o LP do Luís Caldas que pedimos (meu passado me condena?). Dos carnavais na praia, dormir na calçada e acordar cedinho com o leiteiro aos berros, parecendo gritar no meu ouvido. De quando um dia, sem combinação alguma, eu e meus irmãos começamos a batucar nas panelas de minha mãe, praticamente formando uma banda caseira, liderados pelo meu pai... Foram minutos apenas, mas inesquecíveis pela singeleza e espontaneidade. Rabisco a saudade do André, meu siamês que se enroscava nas minhas pernas, quase me fazendo cair, mas que quando uma madrugada escorreguei e fiquei entre dores e aflição no chão, com a perna fraturada, ele foi meu único companheiro, andando em minha volta naquele silêncio gritante, como se estivesse a perguntar porque eu não me levantava logo. Das cartas de amor, das declarações de amizade perfumadas e destinadas a tantos cantos por aí e da ansiedade em receber as respectivas respostas, pretexto pra escrever mais e mais. A imensa saudade do sorrisinho pequeno de minha avó, com sua mãozinha no queixo a ver as novelas que não compreendia e a ralhar comigo por sempre ficar de madrugada vendo filmes no Corujão. De trabalhar por um período à noite, na escola, reagindo às implicâncias do Ed espancando-o e beliscando, pra depois ficar de mal até receber vários bilhetinhos dele dizendo que era muito ruim ficar sem falar comigo. Das viagens malucas que fazíamos aos fins de semana, como por exemplo, ir pra casa da Cléo, em Penedo e perder o último ônibus de volta porque não compreendemos que a placa com o aviso VIA ARAPIRACA significava que o dito cujo passaria aqui (to armada de peixeira 100 polegadas caso um engraçadinho ouse me chamar de loira... e dá até processo). Dos riscos alegres na alma quando ganhei o livro FELIZ ANO VELHO... Foi bom ler que eu não era a única pessoa a me sentir um ET uma boa parte da vida. Das tolas discussões com meu irmão Geovane sobre tudo... O grande barato era discordar, seja lá qual fosse o assunto; até torcendo pelo mesmo time arrumávamos motivo pra questionamentos.

Quero seguir fazendo-os, rabiscando as paredes de minha alma desassossegada, colecionando fragmentos de felicidade, armazenando-os todos num memorial de imensuráveis e simples saudades, pois as coisas despretensiosas são as que fazem tão bonito o nosso riscar.

Beijos...

20 comentários:

  1. Nossa nem me fale dessa ai...
    Todas e mais algumas, é apenas o que me restou "saudade"!
    Do que tive e do que não tive..

    beiJO memem'inha'mada!

    ResponderExcluir
  2. Realmente a vida nunca para, ainda bem que as coisas são assim, imagina ser tudo igual sempre, ia ser chato demais, um beijo Mi como sempre adoro vir no seu blog.

    ResponderExcluir
  3. O tempo varre tudo que vê pela frente.
    mas gosto dele em todos os sentidos: passado, presente e futuro. e esse nosso duelo com ele é um retesar de músculos que chega a ser mágico.

    A saudade quase sempre reflete nossas raizes,origens...e um pouco de nós ,lá atrás ,sempre fica...!

    adorei o texto, Milene !

    Um beijo !

    ResponderExcluir
  4. Lindo isso,Milene e realmente são os rabiscos mais simples que marcam mais...beijos,lindo fds,chica

    ResponderExcluir
  5. - As moças estão impossíveis...
    - A loura mineira tomando um pileque de vinho safra vinte mil e sete...
    - A alagoana (QUE NÃO É LOURA) ameaçando com uma peixeira de dois metros e meio quem se atrever a chamá-la de "loira"... eu, hein...
    - É... vamos rabiscar, gente. Lindo texto, moreninha... Abraços.

    ResponderExcluir
  6. coincidencia! ontem eu escutava material girl da madonna e pensava em como eu tinha tantos sonhos quando ouvia isso...lagrimas molharam meus olhos e tive saudades do que nao vivi...

    ResponderExcluir
  7. Milene,
    É esse tipo de riscar que nos preenche, é ele o tónico duma vida que nem sempre faz sentido.
    Li o texto como se sentisse uma gargalhada calorosa...

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  8. A vida é realmente feita de vários riscos que invadem nosso ser, nos deixando mais completos, mesmo que a saudade nos faça sentir vontade de voltar o tempo. Foi bom ler cada pedacinho do teu texto!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Olá, Milene!
    vou te perdoar pelo Luís Caldas, na quela época todo mundo cantava!
    Por mais uma dessas coincidências da vida, também li "Feliz Ano Velho", e gostei.
    Por favor, continue rabiscando não só sua alma, mas nossas vidas também!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  10. Êitá que gostoréba gostosa de se ler... enxerguei teu pai rindo com a batucada e ocêis tudo em vorta dele na mó baderna... rsrs

    Delícia de leitura... Tu faz um bem danado moça sócia maninha... tá ligada!!! rsrs

    Bejo e Deusssssssskiajude
    Tatto

    ResponderExcluir
  11. Belas lembranças!
    Eu lembro uma época em que quem ia para o sul, se tivesse chovido, perguntava no posto da rodoviária se a estrada de Penedo estava boa, senão era melhor ir por Arapiraca, para chegar nas balsas, onde se atravessava o Velho Chico. Era tudo terra e areia!
    Depois, asfaltaram, fizeram a ponte e o romantismo das balsas se foi...
    Valeu, Milene!

    ResponderExcluir
  12. Chorei. Que coisa linda amiga, saudades da felicidade!Palavras tão bem colocadas e sentidas que me emocionaram. Fiquei aqui pensando nas minhas e creio que não saberia descrevê-las tão bem.Ah sobre o poeminha do verbo que fiz, foi me colocando no lugar de uma jovem que amo muito. Ela acaba de se separar. Estava ainda cheia de sonhos,mas eles foram embora. Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  13. Ah... bela mulher... é tão bom saber que existes... mesmo tão distante, e tão perto do meu coração...

    Escaldantes Beijos Glorioss!

    ResponderExcluir
  14. A saudade é um filme sem cor que meu coração quer ver colorido... a saudade é brigitte bardot
    acenando com a mão num filme muito antigo...

    É assim, bom recordar e seguir.

    ResponderExcluir
  15. Lindo Milene, chorei ...
    Por que a vida é feita disso, rabiscos, detalhes e marcas jamais esquecidas.

    beijo grande e bom domingo pra vc !

    ResponderExcluir
  16. Êita minina morena rsrs Pôdexá a loirice prá eu rsrs Abro minha porteira d'alma e o tempo foge...Vai rabiscar assim lááááá em ARAPIRACA direto pru mundo!!!
    Beijuuss, corridos, n.c.

    ResponderExcluir
  17. Milene! Você conseguiu me seguir , lá no blog? não te vi mais por lá. Saudades. Tem selinho lá para você. Está naqueles que tem o nome da própria pessoa no selo ok?
    Saudades suas.
    Deixo o endereço para você achar o selo mais fácil.
    http://blog.daysesene.com/2011/01/selinhos-confeccionados-para-meus.html
    Agora comentando sobre o texto
    Perfeito Milene! Como você sabe rabiscar tão bem as suas lembranças. Parabéns. Seu texto tem um jeito tão bom, e tão delicioso, que a gente não tem vontade que ele acabe. Sempre que venho aqui...emociono com a sua forma linda, serena de se expressar. Parabéns. Você nasceu para criar.
    Um abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
  18. Olá moça!

    Sorri quando a dor te torturar
    E a saudade atormentar
    Os teus dias tristonhos vazios

    Abraços

    ResponderExcluir
  19. Hoje deixei quatro selinhos para você em meu blog...assim encerro essa etapa de seleinhos por algum tempo...pois agora menos tempo para dedicar-me a eles.
    Volto as aulas, e preciso deixar um pouco de sonhar, para estudar...cair na real(risos).
    Mas lembre-se, você estará sempre em meu coração.
    Se gostar dos quatro, pegue -os, se não pegue o que mais gostar e se não valeu a intenção em presentear quem sempre me prestigia e me oferece carinhos.
    Vai ai o endereço...eles estão no final da folha.
    Um lindo dia.
    Paz em seu coração.
    http://blog.daysesene.com/2011/01/selinhos-confeccionados-para-meus.html

    ResponderExcluir