domingo, 27 de fevereiro de 2011

O Labirinto Imaginário



O parco cômodo de paredes frias parecia mover-se lentamente. Encontrava-se ali, inerte, enquanto em pensamentos surreais elas, as paredes frias, certamente viriam ao seu encontro. Era o momento exato de escolher entre permanecer nessa condição de refém dos seus monstros invisíveis ou sair em busca do que ainda nem imaginava. Sabia tão somente que precisava abandonar esse cenário taciturno, livrar-se dos devaneios que a enlouqueciam. O tédio a sufocava. As paredes eram o tédio que esmagaria a qualquer instante a sua existência patética. Escancarou a porta ao extremo e lançou-se pela noite. Sentia um fascínio absurdo pela nobre senhora protetora dos ébrios, poetas e solitários. Gostava dos seus labirintos. Caminharia sem rumo até que a última estrela se fizesse adormecer. Pelos becos escuros, livre de todos os medos, fragmentos de suas confusões interiores eram deixados para trás a cada passo. Despia-se deles e se sentia leve. E se cantasse naquele momento, se soltasse sua voz o mais alto que pudesse acordando homens e mulheres que talvez estivessem trancafiados dentro de suas próprias paredes frias num risco iminente que estas se movessem, esmagando sem piedade suas vidas sem sal? Sorriu ao imaginar as janelas dos velhos casarões se abrindo, sonos e gozos interrompidos, olhares entremeados entre irritação e curiosidade. Não convidaria ninguém a lhe seguir. Queria ir sozinha, faria companhia à noite, até o último instante, sob o orvalho fresco, naqueles becos que se irritavam com a lua por desmantelarem o breu total. Becos não cultivam a claridade, se propõem a intimidar e as luzes advindas dos céus lhes tiravam um tanto desse ar de mistério e pavor. Ora estreitos, ora mais largos, eles pareciam intermináveis. Sabia que caminharia muito até encontrar o Sol e cumprir sua missão de guardiã da noite. Por fim, voltaria ao seu pequeno quarto exaurida e plena. Os monstros interiores teriam sido deixados por onde nem se lembra e agora se vestia numa carapaça resistente, imune aos fantasmas convidados pelo tédio, preparada para descobrir essencialmente a maravilha da arte de existir, cheia de riscos e surpresas inebriantes.

16 comentários:

  1. Mememm

    inebriada estou eu....
    que coisa mais linda de se ler...
    e nem adianta dizer que sou suspeita!!
    Quando será o lançamento do livro mesmo??
    preciso mandar fazer o vestido..pra ficar sentadinha do teu lado na noite de autografos...de cabelim pintiadim..

    beijocas

    Loisane

    ResponderExcluir
  2. - Assim não vale! A Milene no MSN me pedindo pra ser o primeiro a ler e a Lois, espertamente, na tocaia... roubando o doce do crianção, aqui.
    - E estou lambendo os beiços, e querendo mais... que venham mais monstros enfrentar a guardiã das noites dela e minhas, suas e nossas... você, Milene, a protetora de sonhos, os afastará com sua altivez e indiferença, e acolherá em seu regaço as ilusões boêmias que alimentarão a realidade fugidia ao amanhecer.
    - Beijos, abraços, aplausos e ramalhetes de flores jogados a seus pés! Bis! Bis!

    ResponderExcluir
  3. New York... Yehhhhh
    França... Uí.. uí..
    Itália.. Macarône
    Japão.. Lízinau né
    Africa... Patacotaco..uhh
    Inglaterra.. Ow yés
    Russia.. Putzzkiosparíwiz
    Espanha.. Oléééé
    Egito... Tsé tsé
    Australia... Poing poing

    Brasil, São Paulo.... Claps claps claps.. ziriguidum balacubaco e telécutéco,,, Uauuuu

    Beijos
    Tatto

    ResponderExcluir
  4. E que seja assim. Que "essa alma" atue nos prazeres de tantas noites. Que o calabouço que a sufoca já mais feche outra vez.
    Livre para escolher, livre para ter, livre pra gozar.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Ousada incursão nas trevas e semitons da noite!
    Mocinha corajosa e aventureira!
    Lindo texto!
    Cada vez melhores, as suas crônicas!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Acho que uma das coisas que mais sinto em estar desempregado é a sensação de que o cômodo se move lentamente, e o tédio é sem comentários, lindo texto como sempre Mi um beijão.

    ResponderExcluir
  7. Minha senhora, és de lua e beleza, és um pranto do avesso, és um anjo inverso...

    Lindo conto, estou encantada.
    Minha querida escritora de várias faces e estilo,parabéns!
    27 de fevereiro de 2011 21:00

    ResponderExcluir
  8. "Assim como as cores do tempo murcham, nossas lembranças se decompõem. Nosso espírito torna-se uma imensa adaga que contém mais mortos do que a fossa comum, onde se misturam nossas erros, nossos amores e nossas ambições, nossos arrependimentos e nossos desejos. Algumas vezes, quando Cérbero adormece, surgem monstros sonhados, sonhos vestidos de farrapos de carne viva,ideias natimortas procuram tomar corpo, que a Alvorada repele como o Esquecimento. Eles devem morrer para que vivamos, para que o dia nos ache puros e prontos para a ação. A vida é nossa exigência e nosso limite: a quente evidência das imagens que nos ocupam perde-se nas linhas gerais, nas formas impregnantes e nos quadros lógicos onde nossa razão se satisfaz.(Jacques-Alain Miller in Reflexões intempestivas)
    Beijuuss reverenciados, cronista amada, n.c.

    ResponderExcluir
  9. Já vivi um momento assim em minha vida... onde as paredes me comprimiam, me sufocavam, por que ali não era mais o meu lugar.
    E o medo de sair a noite, para me desfazer dos fantasmas, deixei que eles me consumissem sem dó nem piedade.
    E somente no outro dia, tomei a decisão de sair, de me libertar das amarras, que eu por inocência ou ilusão ainda que restava em meu coração, me fazia prisioneira de mim mesma.
    Me libertei! Hoje bem feliz, seguindo a vida.
    Então ao ler o seu texto, me fiz a personagem, mas agora, mais corajosa, e sabendo enfrentar essa realidade das paredes frias, que quase congelaram meu coração.
    Uma excelente noite.
    Um carinho dessa sua amiga, que te gosta muito.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  10. Lí. E voltei e li de novo!
    E êxtasiada estou..

    'Queria ir sozinha,
    faria companhia à noite,
    até o último instante,
    sob o orvalho fresco,
    naqueles becos que se irritavam
    com a lua por desmantelarem o breu total'.

    Você É de uma poesia que encanta e alimenta...

    beiJO minha memem amada!

    ResponderExcluir
  11. É um espetáculo... um deleite... e vc não ouse achar que seu talento é imaginação de amigos puxa-sacos... não nos desmereça! Sabemos reconhecer um texto bom,,, realmente bom... e este aqui é mais um destes.
    beijosssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  12. Olá, Milene!
    Olha só, e depois diz que eu é que estou inspirado!!!!!!!

    ResponderExcluir
  13. Fala escritoraaaaa!!!! Se a cada viagem aos seus labirintos voc~e nos trouxer coisas lindas assim...Volta já pra lá! rs... Parabéns amiga, estou aqui emocionada e feliz por você ser essa escritora poetisa maravilhosa que é. Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  14. Lindo e profundo,Milene!

    Esse labirinto interior existe mas o bom é quando conseguimos nos livrar do que nos ataca internamente e saber "pegar e ficar" com o bom...

    Lindo MARÇO pra ti! beijos,chica

    ResponderExcluir
  15. Pétala!

    Está cada dia mais poetizando a vida!

    Adorei o texto e desejo umasemana de encontros solares.

    Beijo!

    ResponderExcluir