sexta-feira, 15 de abril de 2011

A ESTRANHA NO ESPELHO

BEFORE THE MIRROR - Manet

As coisas se estranham dentro da gente, se fazem um emaranhado de sei lá o que, medonho, esquisito, feito os lobisomens da nossa imaginação infantil. Mas são lobisomens interiores, posseiros das mentes irrequietas, descontentes. Montam acampamento e de lá não saem a não ser mediante muita negociação. Talvez eu nem queira essa negociação. Direi, sem muito ânimo: “Querem ficar? Que fiquem! Mas não me incomodem tanto, não me acordem e não me aborreçam!”. Eles decerto não obedecerão. Dançarão feito loucos ao meu redor, proliferadores da das sensações avessas, adversos seres intocáveis, me lançarão verdades indesejadas. Farei com eles uma barganha, serão pra mim uma companhia até que minha mente não se sinta tão vazia e eu os deixo ficar; até poderei fingir ter horror a eles, para que os pobres diabos estufem o peito orgulhosos por se suporem seres sinistros. Tolos! Não passam de meros fantoches, só estão invasores porque não esbocei reação alguma ao vê-los chegar. Ao contrário, escancarei portas e janelas convidando-os a se instalarem. Quero ver do que são capazes. Me mostrem se posso ser pior ou melhor do que a estranha no espelho do meu quarto, a me olhar matreira, debochada. Num segundo eles me fazem assistir ao filme da minha nada mole e doce vida, um trailer em cinema mudo com cenas de humor, amor e dor, só pra arrematar numa rima sem nenhum lirismo. No começo vi o viço, a brasa a me queimar a pele, a comichão provocando os instintos. Era outra mulher naquele filme, a estranha do espelho, a que já fui um dia, experimentando as deliciosas sensações e sentimentos dispostos em cardápios convidativos, aptos a proporcionarem uma vida intensa a qualquer criatura com um mínimo de vivacidade. Ao final da curta fita em preto e branco, procurei respostas dentro de mim mesma para os pungentes passos perdidos, dados a esmo, mas me fugiram todas as respostas. Sou, talvez, a brasa temendo se transformar num carvão apagado. Sou a estranha do espelho, cujo viço latente ainda anseia ser reavivado, a mulher que não tendo pressa em expulsar os lobisomens interiores, se lança a dançar com eles, num entusiasmado bailado na tentativa de reencontro consigo mesma... Talvez eu esteja brasa apagada querendo ser labareda...






18 comentários:

  1. Uau, então se acenda querida e queime com vontade!
    Vai, lança essa chama, vai!!!!

    bjs.

    ResponderExcluir
  2. Em breve bateremos na porta,
    Com a força da própria angústia.
    Até que o riso desperte...

    ResponderExcluir
  3. Bonito ensaio sobre os monstros interiores.
    Mas, dizem que eles, como vampiros, não aparecem no espelho, assim só vemos a nós mesmos e não os monstros que nos acompanham!
    Arrepiante, Milene!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. E essa outra mulher há de aparecer novamwente no espelho.Já existe no teu desejo e vontade,Vais ver! beijos,lindo fds!chica

    ResponderExcluir
  5. "Sou a estranha do espelho, cujo viço latente ainda anseia ser reavivado, a mulher que não tendo pressa em expulsar os lobisomens interiores, se lança a dançar com eles, num entusiasmado bailado na tentativa de reencontro consigo mesma... Talvez eu seja brasa apagada querendo ser labareda..."
    Milene,
    Você é brasa bem viva, com uma incandescência irresistível...!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  6. Meu amor... é apenas o processo de autoconhecimento (maldita reforma ortográfica..)que se aprofunda em ti. Quando tiveres maior intimidade com a fulana do espelho, saiba que entenderás melhor os teus anseios e aspirações e o fardo se tornará um cadim mais leve... Todo lobisomem ou lobo-mau tem seu lado ternura... tu sabes disso.
    Grande beijo pra vcs duas... espero que se encontrem e se tornem amigas brevemente..

    ResponderExcluir
  7. Os famosos monstros interiores, o perigoso é alimenta-los demais, temos sempre que estarmos atentos e mante-los sob controle sempre.

    ResponderExcluir
  8. - Tu domarás toda essa fauna interior
    - E desta brasa em labareda irromperás;
    - Em tuas chamas arderá o meu amor,
    - Em teu regaço a minha fera embalarás.

    - Beijos, domadora de mim.

    ResponderExcluir
  9. UAU! Pra uma sexta-feira foi algo assim, como diria, Madame Surtô de ser rsrs. Dessas conversas entendo bem...e só posso lhe dizer que chega uma hora (não sei bem quando rsrs)que as duas passam a conviver harmoniosamente e bem acesas! Minina-ternura, amaaaada, bem hajam esses seus comichões...
    Beijuuss, fogosos, n.a.

    ResponderExcluir
  10. BRASA sim , mas acesa .
    Apagada jamais.
    Você brilha anjo.
    Como estrelas em noite bonita!
    E em breve vc6 se encontraram
    'vc e essa moça ai do espelho'
    e bem intimas serão fazendo viver
    os mais doces e verdadeiros sonhos de ti...

    beijos meus pra vc sempre
    Memem minha...

    ResponderExcluir
  11. Olá, Milene!
    Ainda maravilhosamente me surpreendendo!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  12. É isso aí minha inquieta amiga, olharmos como somos e aceitarmos. Somente depois vamos enfrentando nossos fantasmas e vemos que não são tão assustadores assim. Em 1995 ia para a escola a noite e tive que parar na rua,pois, um poema batia na minha mente e o escrevi inteiro,abrindo um caderno em cima de um muro.É mais ou menos a essência no que descreves aqui tão bem.
    http://nasasasdacoruja.blogspot.com/2008/12/demnios.html
    Montão de bjs e abraços de gratidão pelo seu comentário.

    ResponderExcluir
  13. Olá querida amiga Milene Lima, os espelhos estão me perseguindo, já li dois textos e um poema em que o espelho marcava presença...se isso trouxer sorte eu vou ficar feliz(risos). De lado as brincadeiras! Texto maravilhoso e uma canção lindíssima, um dos grandes da nossa MPB.

    forte abraço do leitor,

    C@urosa

    ResponderExcluir
  14. "Brasa temendo se transformar num carvão apagado"
    Tu és brasa viva moça. Chamas de labaredas que jamais deixarão apagar. Um forteee abraço por entre as labaredas (risos).
    Bjoss

    ResponderExcluir
  15. Talvez a Dama no espelho ou do espelho, tente sair, Mas deve saaair plena em suas convicções e descobertas enquanto mulher, ser humano em crescimento interior.

    E a dança ora grotesca com so lobisomens revele o embate entre o in e o cons(ciente). Liberando verdades da moça que está fora do espelho.

    Mi, adoro teus textos. Eles são espelhados e refletem a menina/mulher que há em ti (ainda) em descobertas.

    meu afeto querida!
    Bom fim de semana
    bacio caríssima

    ResponderExcluir
  16. passando e adorando seu blog lendo alguns posts antigos boa noite...

    ResponderExcluir
  17. Há momentos que olhamos no espelho e vemos mesmo refletido nele uma estranha...não é aquela que sempre convivi conosco...tudo parece mudar...
    Acho que isso acontece devido a auto-estima estar baixa e ou alta, pois há momentos também, que a moça estranha que se vê no espelho é tão linda e radiante, que esquecemos de voltar a nossa realidade.
    Bom ler sobre o seu texto, pois assim, podemos de agora em diante, observarmos mais o que o espelho quer nos falar.
    Bom dia minha amiga querida.
    Um abraço afetuoso.

    ResponderExcluir