domingo, 19 de junho de 2011

ENTRE TULIPAS E FOLHAS SECAS


A Tulipa

Ao observar uma flor -
tulipa amarela, muito bela -
um jovem pensa e revela
todas suas faces secretas.

“Ignorando o ditado,
com essa flor eu bateria
numa mulher - pura esquizofrenia!
Preferia comê-la com aspargos.”
Proclama a máscara do palhaço.

“Queria ser como a abelha
que voa de flor em flor.
Experimenta cada aroma e pólen
sem nenhuma vergonha ou pudor.”
O manipulador sussurra inquieto.

“Cultivá-la ou arrancá-la;
controlar morte e vida.
Brincar de Deus
com uma tulipa.”
Diz secamente o anjo caído.

“Queria ser como ela
possuidora de belas pétalas simétricas,
mas sou um trevo quimérico:
quatro folhas incertas,
difusas e transgênicas.”
O jovem pensa sem vida.

 Fie


Quando se vive o suficiente pra conhecer por completo a própria alma? Sinto que isso jamais me será possível, pois quando as respostas me chegam, eu as recuso, questiono sua veracidade e opto por seguir trilhas inimagináveis, feito as folhas secas do jardim levadas pelo vento a lugar algum. Sou eu, alma vadia, marginal, rechaçadora de lugares comuns, amante das curvas sinuosas ao invés das linhas retas com acostamento. Sou eu quem busca tanto o amor, delineia paixões avassaladoras e num átimo percebe que são apenas miragens. Paixões são névoas. Amores não batem à porta dos desafortunados. Sou eu seguidora das reticências por não dar muito crédito ao final dos felizes. Alterno meus olhares de serenidade e alegria com outros de absurdo desdém e escassez de vontade... Sobram-me as vontades para o nada. Às vezes o inócuo nem é tão ruim, ao menos não me enche o espírito de pseudos e tolos desejos. Eu que só quero ser folha seca no jardim, levada pelo vento à lugar nenhum...

Milene Lima

15 comentários:

  1. Atualmente não existe pessoa melhor que você pra interpretar e escrever qualquer coisa relacionada a qualquer coisa que eu escreva. =)
    Preciso dizer que amei?
    Abraços de coração. ;*

    ResponderExcluir
  2. - Quando o espinho fere a mesma rosa,
    - Quando o trevo ser tulipa finge,
    - Quando o verso se alia à prosa
    - Quando o verbo o ápice atinge,
    - Quando a frase fica mais formosa,
    - O coração já nunca se restringe.

    - E bailam juntos a folha seca e o trevo,
    - Ao som do vento...
    - Beijos, Mi. Abraço, Fie.

    ResponderExcluir
  3. A alternância deve ser prima da impermanência...e esse bailar é mais do que folha seca soprada para lugar nenhum - é viver.

    Os desafortunados usam lentes escuras demais para ver a vida...será?
    Bjos, Mi, alma efervescente a burilar meus pensamentos...aff...

    ResponderExcluir
  4. As folhas secas cobrem em abundância o caminho das recordações...

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Milene..lindo o poema do FIE e lindo o seu texto. Vc escreve lindamente.
    A maneira com que vemos e analisamos os fatos, tem a ver com as experincias que passamos.
    Mas eu sou uma otimista. Talvez até um pouco ingenua em certos casos.
    Penso que o vento só não leva folhas secas, ele leva também sementes,...
    E depois do outono, vem o verão..e a chuva de verão faz germinar a semente.Com o verão vem tb um lindo sol..que ilumina caminhos...
    E neste iluminar..quem sabe o o amor encontre um coração e se instale por lá.
    Um beijo..

    Ma Ferreira

    ResponderExcluir
  6. Coisa única este trevo quimérico, pois os de quatro folhas são tão raros, ainda mais quando capazes de cometer versos tão inspirados.
    E o complemento da prosa veio na mesma balada de inspiração, desta mocinha que eu admiro tanto!
    Parabéns aos dois por esta linda postagem!

    ResponderExcluir
  7. Ler você as vezes é como me olhar no espelho.
    E a poesia do teu amigo é linda, decifra um eu de muitos...
    Beijos meus pra vc sempre...

    ResponderExcluir
  8. Eu a cada ano que passo acho impossível conseguir me conhecer por completo, ou conhecer até mesmo aqueles que me cercam, acho que vem bem da frase cada pessoa um universo, beijão Mi :-)

    ResponderExcluir
  9. Ah esse pobre homem, que muitas vezes se sente privilegiado por poder decidir ele mesmo como vai viver, tem que fazer das tripas coração para encontrar seu lugar no universo e conseguir ficar ali. Sacanagem. Tudo porque, no caso do homem, pensavam os gregos,a vida não está pronta! Em qualquer instante, ela pode ser de um jeito, mas também de outro. De infinitos jeitos na verdade. E toca a quem vive decidir, entre tantas possibilidades, a que será efetivamente vivida!
    Beijuuss, minina amaaada, n.a.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Milene!
    Achei lindo. Deu até pra ver as flores aqui em casa!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  11. Tem selinhos para você no Selos & Afagos do Cotidiano Agridoce. :)

    Beijos,
    Débora.

    ResponderExcluir
  12. Gostei muito de tudo aqui,
    Seus poemas repletos de sentimento e lirismo
    e do seu bom gosto.
    Voltarei sempre.
    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Minha folhinha contraditória,nesse texto percebo a pluralidade do seu ser...
    Fie, eu ora acordo tulipa,ora acordo trevo.
    ADOREI TUDO.
    Parabéns aos dois !

    ResponderExcluir
  14. Bonito, contraditório eplural:)!
    Bjo

    ResponderExcluir
  15. Vim te visitar...
    e deixo um hai que fiz ontem ( estou me sentindo por ter conseguido..rs )

    agua, fogo, ar
    Artesão - Arte Tesão!
    Fogo Paixão
    Ma Ferreira

    Bjkas..

    Ma

    ResponderExcluir