quarta-feira, 22 de junho de 2011

MATIZES


IMAGEM POR CIDA, EM FEVEREIRO DE 1994

A madrugada se apronta pra deixar o cenário. Em meio a quase total escuridão o mar faz valer o seu som no cantar de suas ondas, desassossegado, num ir e vir imponente. O Sol ameaça surgir e, generoso, lhe oferecer o seu dourado. À postos, o coqueiro, a cerca e os degraus de madeira grosseiros cumprem distintamente seus papéis de coadjuvantes numa paisagem que não é senão poesia. As matizes dispostas na aquarela viva produzem um resultado que de tão perfeito parecem ter sido projetadas em minúcias... Tudo conspira, o mar segue excitado no seu balanço feito música. A madrugada sabe que se faz tarde para ela, é preciso se recolher e deixar brilhar o Sol num sublime derramar por sobre o mar. Fez-se o milagre, o dia nasceu...

Estou lá. Olho e sinto uma alegria indizível por vivenciar essa magia. Quisera nunca me deixassem, o fim da madrugada, o mar e o Sol nascendo. Que encontro! Me deleito! Eu fotografo, simulo pegar com a mão o Sol em formato de bola dourada. Lindo! Espio em vezes incontáveis, cada olhar a esse quadro vivo e mutante é único, num simples descuido o que era já não é mais. Os clicks da máquina fotográfica novinha soam macios, sem pressa, há um filme inteiro a ser utilizado. Talvez, se daqui a quase duas décadas e uma história inteira de nulidade política, as autoridades resolverem que é hora da natureza sair de cena para dar lugar ao progresso, se estenderem tapetes de honra para a construção de estaleiros salvadores do futuro, se na época longínqua da odisséia no espaço, lá pelos anos de 2010, os rastros de beleza desse lugar tiverem sob a iminência de serem levados não pelas ondas do mar, e sim pelas mãos engenhosas do homem, eu poderei dizer e do quanto tudo aqui se confundia com a mais fascinante poesia.

Pontal de Coruripe-AL, fevereiro de 1994.


Há pouco mais de dezesseis anos estive nesse lugar (entre tantas outras vezes) que não é nem de longe o mais badalado do litoral alagoano, mas é o meu canto de sonhos. Está mesmo na iminência de acabar, em nome do progresso, mas isso é outra história. Apenas quis compartilhar. Ousei ofuscar o sol com meu cotovelo inconveniente, mas não há como desfazer... Por que essa fita ridícula na cabeça, no pior estilo Rambo?  Nem quero tentar lembrar. Melhor mesmo reparar na paisagem, é o sentido de tudo

Fotografia e companhia nesse momento de sonho: Cida, prima, cúmplice... Parte de mim.

Sugestão de música: Simone, amiga, cúmplice... Parte de mim.

Arapiraca-AL, 22 de junho de 2011.

15 comentários:

  1. Uma pena mas a especulação imobiliária é terrível realmente, Brasília tinha muitos lugares legais que sumiram por causa disso, mas praia é sempre praia, amo praia, adoro o cheiro da maresia uma delícia, beijão Mi :-)

    ResponderExcluir
  2. Lugar maravilhoso que como tantos, pode ser modificado(aliás, já deve estar) pela ganância e desrespeito! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Uma pena, as mudanças que às vezes ocorrem nos locais lindos que conhecemos.
    Eu conheci lugares lindos e solitários, quase inacessíveis como a praia de Gaibú, nos arredores do Recife. Hoje, imagino como estarão esses lugares...
    Mas eu gostei muito da carinha de roqueira!
    Abração, Milene!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Milene!
    Belas lembranças ficam etrenamente gravadas em nós!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  5. Miloukinha... rss

    Psicodélicamente falando... TU ARRASOU NO VISÚ!!!

    Adorei o ALERTA, me fez lembrar da praia de JURÉIA... bons momentos...

    Deusssssssssskiajude
    Beijo do Tatto

    ResponderExcluir
  6. O progresso sem respeito, desalinha o perfeito.

    Bjs.
    _____
    Amiga estou postando apenas semanalmente.

    ResponderExcluir
  7. ANÁLISE DE UMA OBRA-PRIMA
    - Primeiro parágrafo: descrição. Ela nos dá um retrato em palavras, mais rico e colorido que a bela fotografia.
    - Segundo parágrafo: viagem no tempo. Ela mergulha na paisagem, encontra-se a si mesma no passado e explode em sentimentos.
    - Terceiro parágrafo: retorno à realidade. Inconformismo x resignação. Tristeza e doçura.

    - LINDO! Beijo, Mi.

    ResponderExcluir
  8. Ahhh praia dos sonhos... Já disse isso a vc, essa imagem parece ter sido tirada de um sonho perfeito. Agora com esse texto, fica ainda mais belo. Eu mergulhei outra vez nesse mar de maravilha.A impressão que tenho é que a mais dois passos encontrarei Deus, bem ali.

    ResponderExcluir
  9. Postou. =)
    E fez sucesso tanto texto quanto a foto.
    Foi bom não foi? =p
    Abração.

    ResponderExcluir
  10. Lindo o texto e linda na foto..
    Feita e coberta da mais pura poesia ..
    O nascer do sol é um dos momentos mais
    lindos desse milagre chamado 'dia'...

    Meu beijo memem querida!

    ResponderExcluir
  11. Milene, minha querida amiga!

    Você tem uma sensibilidade tão grande, não só para escrever o que vê, como para enxergar a beleza verdadeira das coisas.

    As vezes me encontro em locais assim, como você descreveu, de pura poesia, e vejo pessoas que olham e simplesmente dizem "bonito". Não estão erradas, apenas não tem a sensibilidade para perceber o quanto aquela beleza é assustadora e nos mostra a presença de Deus.

    Adoro te ler!

    Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  12. Quero informar que estou em um novo endereço espero vc lá bjs!!!

    ResponderExcluir
  13. Belo texto, bela foto!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  14. Milene..Gosto tanto do jeito que vc escreve. Vc passa tanta emoção, tanta verdade.
    Chego a sentri a emoção que imagino que vc sente na hora que escreve.
    Adorei o texto..a foto..td!
    Te admiro muito!
    Um bj
    ma

    ResponderExcluir
  15. Lendo o texto mergulhamos nesta linda fantasia real. Amo praia e essa beleza de natureza.
    E vc... Sempre você...Inteligência indiscutível.
    Bjoo

    ResponderExcluir