domingo, 31 de julho de 2011

FULANO



Sábado.
Chuva.
Frio.
Solidão...
Solidão?
Não!

A saudade não deixa fulano se sentir sozinho.
Ela se disfarça em lembrança
Finge ser companhia.
Tira até sorriso dos lábios de fulano.
Que espia a chuva fazer baile na vidraça.
Mas fulano quer é ver estrela
Incandescendo o céu
E a lua de prata, rainha da noite.
Da noite que não tem lua.
Nem estrelas.

Só tem chuva.
E frio.
E solidão?
Não!






12 comentários:

  1. Gostei de tudo até do seu comentário!
    Amo-te, mesmo quando as noites são dessas, sem luar.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. O Bom da chuva são suas adiposidades poéticas...!

    Bom estar aqui, minha querida !

    um beijo grande !

    ResponderExcluir
  3. Anotei o marcador "besteirol". Não quero perder essa preciosidade. Copiado e colado. Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  4. Chuva é bom quando estamos em casa, nossa cama, tv a cabo, banda larga e o micro aberto fica perfeito realmente, beijão Mi :-)

    ResponderExcluir
  5. Mi..
    Tudo muito lindo,
    O poema,
    O Singnifiado,
    A originalidade do tpitulo,
    A sua interferencia
    A sua foto no blog
    A estética do Poema..

    Parabéns e obrigada pelo arinho lá no meu cantinho..

    ResponderExcluir
  6. Até a saudade pode servir de companhia...
    Concordo com a opinião do Clayton (Máfia Sonora)...
    E também estou contigo: saudade sim, solidão não!
    Abraços e bom domingo, Milene!

    ResponderExcluir
  7. É incrível como essa parte de nós se mostra uma fatia sempre presente na vida representada pelos nossos "Eus"...é difícil conviver apenas com nossas partes, queremos alguma parte, ao menos, do outro...

    Redundância falar de tua habilidade cheia de talento (vim lá do Divã, tema de hj...rs) com as palavras, mas que ficou lindo, ficou...bjão Mi, ótimo domingo procê, queridona1

    ResponderExcluir
  8. Sobrevivo através delas...as tais. E num dia como hoje (domingos!!!) fazem chuva dentro de mim enquanto o sol denuncia a VIDA que segue lá fora.
    Devo de já estar no meu "inferno astral". Liga não, visse?!
    Beijuuss, minina-ternura, n.a.

    ResponderExcluir
  9. olá Mi,

    gostei desta reflexão,
    poema que me pareceu cantado
    a me dar um abanão.

    o mais importante em alguns momentos, é a imaginação dando asas, na realidade através dela, nunca estaremos sós.


    beijo e kandandos a atravessar tanto mar...

    ResponderExcluir
  10. Que bacana!
    Adorei o "xô pra lá solidão!" -rs

    Abração.

    ResponderExcluir
  11. será que ainda chove
    pingos batidos do lado de lá?
    será que frio não some
    ou será que o calor chegou
    com um chega p'ra lá
    na solidão e a dissipou?

    beijo e carinhos meus num kandando amigo...
    inté Mi!

    ResponderExcluir
  12. Milene, nossas almas se encontram mesmo nas esquinas dos sábados de madrugada....
    beijos minha querida!

    ResponderExcluir