quinta-feira, 4 de agosto de 2011

GRITO


“Um incêndio foi registrado na madrugada dessa quarta-feira, 03/02/2011 em uma residência do bairro Cacimbas. No local estava o policial militar cujo nome é “indigitável”, sua esposa, a professora Claudenice O.P.. de 40 anos de idade, e a filha da professora, K.O.P, de apenas 15 anos... Os vizinhos ouviram um suposto pedido de socorro do homem e o resgate conseguiu retirar a adolescente, que chegou ao hospital bastante queimada, apresentando sinais de estrangulamento e regurgitando gasolina. Alertados pelos vizinhos da existência de uma terceira pessoa na casa, o resgate encontrou então o corpo da professora, carbonizado. A polícia suspeita do envolvimento do policial de nome indigitável no ocorrido”.

A VIDA POR VEZES TEIMA EM APRESENTAR UMA FACE HORRENDA... 
TROUXE-LHE A FLOR PARA, QUEM SABE, COMOVÊ-LA...

Isso bem poderia ser um trecho de algum noticiário de jornal ou site, embora fosse um texto muito malacabado, montado a partir do que se falou na internet acerca do assunto. Isso bem poderia ser mais um entre tantos casos absurdos a nos indignar quando estamos bem sentados em nossa poltrona vendo telejornais. Daqueles que vociferamos contra a justiça, dizemos ser o fim dos tempos, que o mundo não tem mesmo jeito... E quando conhecemos a pessoa? E ela era parte do nosso cotidiano, no trabalho, até um tempo recente? É muito doido tudo isso. Eu lamento não compreender os desígnios de Deus, o que ele tem reservado pra cada um de nós. Como lamento! Mas não compreendo e talvez queira mesmo ficar ignorante, me recusando a aceitar o fato de uma mulher ter sido morta de uma forma tão cruel por um cretino psicopata, convicto de ser o proprietário da vida alheia. Não, não há nada de concreto a ser dito, o fato ocorreu hoje, a menina está no hospital e o psicopata também. Não são palavras oficiais sobre o caso. Há apenas suposições de que o sujeito ateou fogo na casa depois de ter jogado gasolina na esposa, tentou asfixiar a enteada e depois fingiu pedir socorro. Mas as marcas deixadas na vida (corpo e alma) dessa menina são impossíveis de serem dissipadas. A agonia vivida pelas duas se tornou a agonia de todo mundo, dos que conheceram Claudenice, de quem apenas ouviu falar na história. Aqui é apenas um desabafo de alguém cuja compreensão para determinadas situações se escondeu não se sabe aonde, deixando no lugar uma série de questionamentos e revolta. Não vou falar das suas qualidades como mulher, profissional, colega, essas coisas proferidas quando as pessoas se vão. É redundante... Não quero falar mais nada. Era um grito o meu propósito. Embora baixinho, quase sussurrando... Eu acho que gritei.

Caso alguém queira conferir 
a história com mais clareza, siga aí...

17 comentários:

  1. Oi querida amiga. Passando por aqui para ver teu cantinho e te desejar uma ótima quinta-feira. Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Gritou, Mi. E fez eco por aqui...

    Bjo com carinho!

    ResponderExcluir
  3. Tristeza e indignação justíssimas.beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Muito triste. A solidariedade é tudo que temos, as vezes! abraços

    ResponderExcluir
  5. Tem gente ruim demais nessa vida...Por isso escrevemos poesias tentando de alguma forma que seja com ( versos amadores tal quais os meus )enfeitar esse mundo...bjs

    ResponderExcluir
  6. é para se indignar mesmo... mto triste isso, muito...
    deixo aqui um forte abraço!

    ResponderExcluir
  7. Olá Milene,

    muito obrigada pelos parabéns deixados no "Sete Ramos"!

    Um beijo.

    Amélia

    ResponderExcluir
  8. Milene, de uns tempos para cá, eu ando evitando notícias deste tipo.
    Vejo as manchetes e caio fora!
    Evito, pela impotência em poder mudar alguma coisa e porque, como você, não consigo comprender os tais designios divinos, se é que existe tal coisa!
    No seu caso, nem dava para evitar, já que a vítima era sua conhecida.
    Abraços, e meus sentimentos, Milene!

    ResponderExcluir
  9. Mi... Apenas deixo um forte abraço de conforto.

    ResponderExcluir
  10. Somente meus braços a te envolver posso ofertar. Fica bem minha minina...na medida desse impossível.
    Beijuuss, de aconchego, na alma

    ResponderExcluir
  11. Realmente um ato hediondo de um policial que não possui preparo pra nada, e o interessante é que ele pode andar armado tenho até medo, beijos Mi.

    ResponderExcluir
  12. Sim, o inferno existe. É de onde (hediondo) vêm essas coisas.
    Não, não dá pra dizer que foi um cisco no meu olho. Você deixou suas lágrimas em meu ombro, e eu deixei as minhas em seus cabelos.
    Abraço. Abraço. Abraço.

    ResponderExcluir
  13. Como te entendo, minha amiga. E compartilho do mesmo sentimento. Ao ler, me emocionei, porque penso o mesmo, porque sinto o mesmo cada vez que me deparo com algo desse tipo, me questiono, choro, grito, chamo a Deus para uma conversinha, mas acho que é mais um monólogo mesmo, porque quando fera ferida, não o deixo falar.
    Queria poder te dar um abraço, agora.

    ResponderExcluir
  14. Oi Mi, passando pra deixar um beijo , mesmo longe, estou perto.

    Lu

    ResponderExcluir
  15. É lamentável tudo isso acontecendo. Não adianta questionamentos sobre tamanha covardia. Que seja punido, principalmente pela justiça divina. Compartilho do mesmo sentimento. Abração!

    ResponderExcluir
  16. Vergonhoso, me reconhecer humana diante desse ato monstruoso.
    Lamentável.
    Saiba meu bem, Deus não tem parte nessas terríveis coisas, e sim, o tal livre arbítrio e creia, existe sim uma justiça divina aguardando por esse ser.
    Paz e Bem!
    [te amo tanto, de tando amar...]

    ResponderExcluir
  17. O meu grito acompanha o seu Milene!!!!
    sem palavras..
    Bj

    Ma

    ResponderExcluir