sábado, 6 de agosto de 2011

O ARCO-ÍRIS



Eu gosto das coisas assim, naturalmente simples, casuais. Planejar é um problema porque sou péssima em cumprir os compromissos que assumo comigo mesma... Sempre me atraso, ou não compareço... Desconfio de mim mesma quando digo que vou.

Mas é das coisas casualmente deliciosas que desejo falar. De como as pessoas conseguem fazer melhor os nossos momentos e talvez nem se dêem conta. É feito tivesse lá a nuvem negra, teimosa, pairando sobre a nossa cabeça e alguém lança o um poderoso sopro de amor, acabando por afastar essa nuvem praticante de brincadeira sem graça. Foi assim a postagem da Simone ontem, surgiu de um encontro rápido que tivemos no MSN, coisa rara hoje em dia, porque ela anda dormindo com as galinhas e acordando antes do galo cantar. Mas parece que nos falamos todos os dias, somos vizinhas de muro e berramos uma com a outra dos nossos quintais. Coisa de bem querência, cumplicidade... Pura sintonia.

Então, nesses dias em que meu coração esteve amargurado, quando todas as respostas me fugiam, ela segurou minha mão como já fez em tantas outras vezes e me fez sentir como se o mundo não fosse assim tão horrendo feito parece. Eu gosto de acreditar a partir da fé que vejo nela. Me sinto melhor assim... Sossega um tanto minha alma, ainda que eu amanhã acorde outra vez desassossegada.

É bem melhor acreditar no amor. É reconfortante espiar a vida com esperança. Eu bem ia gostar de seguir assim por um longo caminho, mas não me faço promessas. Só sei que hoje, só por hoje eu me sinto melhor. A incredulidade usou de maleabilidade para comigo e me deixou contente. E ao me deitar, quero a companhia do sonho mais lindo... E depois da chuva, o arco-íris virá... Virá! 



8 comentários:

  1. Que bom quando nos sentimos assim...Acreditas no amor, sonhar, tudo isso é maravilhoso. Aproveitar os momentos coloridos...beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Eu vi essa nuvem outro dia. Agora ela virou um arco-íris...
    Gosto de ver a amizade entre vocês duas. Ela brilha, e a gente sente de longe o influxo do amor que vem de vocês...
    Obrigado às duas. Eu as amo. De verdade.
    PS: Estou com saudades da Si...

    ResponderExcluir
  3. Desde criança eu gostava de ver os temporais lá do sul...com muito vento, trovões e raios...claro qur foi antes de comprender os danos ocasionados por eles..
    Mas, o espetáculo do arco-íris me fazia sair de casa e ficar na chuva apreciando aquela beleza, para desespero da minha mãe...
    Eu achava maravilhoso a forma como as coisas se alternavam, do temporal para o arco-íris, e depois para o sol a pleno.
    Eu não sei o que anda te deixando amargurada, mas lembre dessa alternância entre os altos e baixos da nossa vida!
    Lendo o post da Si, vi uma jóia que tu não puseste aqui:
    "Prefiro tomar uma cerveja do que uma decisão". Eu, libriniano como tu, peço permissão para incluir esta no meu acervo de frases a figurar no cabeçalho do meu blog!
    Abraços do seu fã,
    Leonel

    ResponderExcluir
  4. Quem nunca acreditou no pote de ouro no final do arco-íris?! E tantas vezes nem precisamos sair à caça...ele nos chega assim...amorosamente nos presenteando. Quando afirmo que Si é do balacobaco e você minha minina-ternura é pq são! E isso me basta!!!
    Beijuuss procês, n.a. respingados dessa cumplicidade acalentadora

    ResponderExcluir
  5. Pois é Milene...eu tenho o símbolo dele [arco-íris] no meu blog exatamente por essa razão que vc descreve. Eu acredito nas coisas simples da vida, nas transformações e renasceres [borboletas?], e no sossego que a alma sente e respira quando seguram nossas mãos desse jeito...adorei teu post, me vi nele, mais do que supõe.

    Um beijo com carinho...desejando que o domingo seja de cores fortes e vibrantes.

    ResponderExcluir
  6. As chuvas que as vezes caem sobre nós, são suaves, de limpeza da alma, de paz interior, de visita de beija-flor, de arco-iris, que vem beber na nossa fonte.
    Mas há momentos, que a chuva, cai sobre nós, pesada e vem a enxurrada e vai lavando nossos males, nossos medos, nossos anseios, nossos desamores...
    mas chuva é chuva...e é preciso aprendermos com ela.
    Sabermos a hora de corrermos entre pingos brincalhões e a hora de recolhermos, dos trovões.
    Mas as vezes são apenas barulhos, para que possamos refletir, qual a razão do nosso medo.
    Refletir...renovar, trocar a roupa molhada e se agasalhar...
    Faz-nos entender, que mesmos sós, somos capazes, de nos virar, de nos cuidar.
    O importante é sorrirmos para a chuva, pois sendo pesada ou delicada... tendo medo ou alegria...
    as janelas uma hora irão se abrir, e quem irá lhe saudar é o arco-iris, pintando sua vida
    de cores vivas, acalmando assim a sua alma
    deixando então o sol nascer, a esperança crescer
    e a vida prosseguir.
    Uma linda noite menina escritora.
    Sonhos lindo, coloridos e perfumados
    para um despertar de luz.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Eu tenho a certeza que já encontrei meus potes de ouro,quando converso com vc e quando estou por aqui também,cercada de jóias,pérolas e outras riquezas...
    "Sou tão perto de você"
    Amo-te!

    ResponderExcluir
  8. Inspirou-me, Milene! Tenho andado tão racional ultimamente que essa leitura breve me levou ao nocaute, e me fez convidar para um passeio no parque o velho e bom coração...

    Um grande beijo, e ótima semana!!
    Adriano

    ResponderExcluir