segunda-feira, 19 de setembro de 2011

O INEVITÁVEL ADEUS




Sigo sem compreender certas coisas da vida, embora ela pouco se importe com isso. Segue além da minha vontade, dos meus questionamentos e dúvidas... Ela caminha e a solução é tentar acompanhá-la a qualquer custo.

Às vezes me vejo feito um Forrest Gump às avessas, o que desistiu de correr e sentou-se, perdido, no meio do caminho. E olho pros lados em busca de um alento, espio lá no céu as nuvens e suas formas diversas... Espio pra baixo os meus pés bem fincados no chão.

Nesse momento eu não queria manter os pés no chão. Alcançar as nuvens talvez fosse uma boa ideia, passear sobre elas e deixar por aí os pedacinhos de dores da alma. Definitivamente eu não sei lidar com as perdas. Não sou sensata e madura o suficiente, não tenho a necessária espiritualidade e tudo isso nem me causa orgulho.

 O Cris, aquele primo sobre o qual publiquei uma postagem dizendo da sua doença, ele se foi. Saiu inexplicavelmente da vida de tantos que o amavam, aos incompletos 27 anos e não me resta outra alternativa a não ser aceitar a máxima de que Deus sabe o que faz, os seus desígnios não são questionáveis. Eu, se encontrasse o Todo Poderoso não resistiria a perguntar-Lhe: “O Senhor tem certeza disso? Tem certeza que tirar o Cristhiano da nossa convivência é a melhor solução? Mas por que? O que esse menino grande, de alma quase ingênua fez de mal pra ter que ir embora assim de repente?”... De nada adiantaria esse meu tolo interrogatório, eu bem sei. Ele certamente diria pra eu me recolher a minha insignificância e confiar na Sua imensurável sabedoria.  De pronto eu retrucaria: “Prometo tentar”...

Enquanto as nuvens não me permitem essa fuga da realidade fincada na terra, sigo aqui, sem revolta, sem desespero... Apenas um canto triste, um lamento incontido de quem agora se contentará com as lembranças do menino de sorriso doce que se fez anjo.

Obrigada pelas orações, bons pensamentos, abraços, afagos.
Obrigada, meus amigos.

9 comentários:

  1. Mi querida,

    Que triste noticia.
    Ninguém consegue lidar com uma situação dessa natureza, nem há nada que prepare para aceitar tais desígnios.
    Não tem maturidade ou espiritualidade suficiente que atenue a dor, a mágoa e até a revolta de se ver alguém que amamos partir, mais ainda quando se trata de um jovem de tenra idade.
    Não sei como expressar, como nessa hora o mar que nos une, o sinto tão maior, na impossibilidade de te abraçar.

    Beijo e meus sentimentos neste momento triste, meu kandando é singelo demais para quem gostaria de confortar estando a teu lado.

    ResponderExcluir
  2. Milene,
    Às vezes é bom questionar, é bom chorar, é bom deixar sair toda a correnteza de sentimentos contraditórios...
    Para lidar com a morte de pouco serve a maturidade, ela é combate eterno, embora no fim ganhe sempre. Mas enquanto cá andamos é nosso dever contestá-la, contrariá-la, soprá-la para longe.
    Deixo-lhe um enorme abraço de solidariedade.

    ResponderExcluir
  3. Vou tá do seu ladim na hora desse conversê com ELE...será uma dupla, nada sertaneja, totalmente braba a pressionar por respostas... e ELE que "se vire nos 30"!
    Beijuuss, minha minina, n.a.

    ResponderExcluir
  4. Sem palavras, Milene. Beijos, abraços e carinhos mil, mas palavras... só as suas, de desabafo, fazendo eco no vazio que ficou nesse canto da sua alma. De novo, e quantas vezes precisar: beijos, abraços e carinhos mil.

    ResponderExcluir
  5. Cada um de nós lida com essa parte difícil do adeus prematuro, do jeito que consegue. Teu coração emite o canto triste, e os sentimentos alcançam os céus (eu penso que sim), ainda que não passeiem pelas nuvens, como imaginou ser o melhor lugar para deixar pedacinhos dessa dor. De alguma forma, Ele os juntará para construir o alento de que precisa para embalar tua alma...

    Um beijo no teu coração bonito que carrega esse sentimento de amor profundo!

    ResponderExcluir
  6. Milene, eu creio nunca ter tido a graça de achar alguém com maturidade,sensatez e espiritualidade suficientes para lidar com certas perdas...
    Algumas atitudes, filosofias e posturas parecem favorecer a compreensão da inevitabilidade de certas coisas, mas a dor da perda persiste, não importa o quanto possamos entender sua natureza aleatória...
    Mas fica a tua expresssão, transformando sentimentos em palavras que criam novos sentimentos em nós...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Mi, vim deixar meu sentimento abraço e carinho.
    Nessa hora a gente nunca sabe bem o que falar porque a dor é muito grande. Só quem passa é que sabe...

    Sinta-se abraçada por esta amiga (que mesmo longe - está perto)!
    meu afeto

    Lu

    ResponderExcluir
  8. Isso é triste,Milene! Coisas que nos pegam pelo pé mesmo,não?

    Fiquem bem, força! beijos,chica

    ResponderExcluir
  9. triste... sábias palavras num momento triste...

    ResponderExcluir