sexta-feira, 9 de setembro de 2011

O POEMA DO DIA ENSOLARADO



IMAGEM DAQUI

O embate. Nos olhamos fixamente, eu sedenta por rabiscar a sua brancura, estampar ali uma poesia do dia ensolarado... Ela franze o cenho diante da minha proposta e antecipadamente se desagrada de cada palavra desinventada, rejeita meus verbos repetitivos... Insisto. Desejo banalizar o amor. Tento convencê-la de que ele jamais perde a nuance, sua vivacidade se mantém não importa quantas vezes tentem a sua vulgarização. É imortal o amor. Ela, arredia, desconfia de toda argumentação. Desdenha das minhas frágeis intenções em perpetuá-lo. “Se contradizem as ideias e atos”, retruca a fulana. Ela descrê da poesia capenga por trás das palavras acesas. Mantém uma firmeza de opinião a me causar inveja. Impiedosa, esfrega a borracha bicolor no rascunho do poema natimorto. A mim, resignada, não restou outro caminho a não ser guardá-la outra vez no fundo da gaveta, no velho móvel de canto e sair à procura de novos dizeres de amor. Enquanto não vem o verso perfeito, não se importa em ser amarelada pelo tempo a folha branca... 

13 comentários:

  1. A folha branca, metáfora da exigência interior da autora...
    Texto muito bem conseguido, Milene!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  2. Não há versos perfeito,
    porque todo ele sai do peito... E enquanto não nascer este verso de amor (que é imortal), a folha continuará branca, imersa na paz da gaveta.

    Bom, minha pequena notável, o texto acima está impecável e generosamente convidativo à releitura, pode acreditar.
    Desde o título (que abre possibilidades tantas), até a retiscência do fantástico em querer mais e mais (ler o poema branco, da folha em paz) Repense e faça nascer este rebento.

    meu afeto caríssima.

    bjka

    ResponderExcluir
  3. Guarda com carinho essa folha, poetisa. Pois numa noite tenebrosa, de tempestades sinistras, ela voltará magicamente a deitar-se sobre a tua mesa, sob o lápis que lhe roubará a virgindade, para trazer à luz um dia radiante e glorioso. Beijo!

    ResponderExcluir
  4. olá Mi!

    "o poema do dia ensolarado" existe, no teu coração, nas estrelas ofuscadas por esse sol radiante. alimenta-o assim dentro de ti, porque é um poema de amor, com alma livre, vivo e delicado.


    beijo e kandando a atravessar tanto mar...

    ResponderExcluir
  5. Com certeza, numa dessas noites de silêncio,
    desses que nossa alma pede, esta folha branca
    será lindamente presenteada com lindos versos...

    Meu beijo querida minha...

    ResponderExcluir
  6. Mi......tudo tem a sua hora.... na hora certa no tempo certo,,
    nem antes nem depois....

    bjs...

    ResponderExcluir
  7. A tua folha é sempre bem preenchida, seja com sol ou chuva...beijos,lindo fds,chica

    ResponderExcluir
  8. Eu hein?! Ainda bem que já larguei mão dessa coisa de "perfeição"...deixo para pessoinhas exigentes consigo mesmas como uma tal Milene. Apesar disso não rejeit nenhuma linha sequer, do que essa mesma minina exigente escreve...sempre.
    Beijuuss n.a.
    P.S: hj consegui me reconectar a esse mundo...problemas com o PC, com a conexão, problemas...

    ResponderExcluir
  9. Mi..da uma passadinha lá?? surpresa..

    ResponderExcluir
  10. Oi Mi,
    O poema mais lindo e mais precioso é sempre o que fica por ser escrito, maravilhoso teu texto, reflete de forma poética e sensível o que as vezes chega a ser angustiante: por no papael o que a nossa alma grita.
    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  11. Acredito que essa folha não vai ficar em branco por muito tempo, já que a tua inspiração é inesgotável...
    A busca pela perfeição só é valida pelas variações que surgem nesta procura por algo inalcançável...
    Os meios podem ser mais valiosos do que os fins...
    Abraços, Milene!

    ResponderExcluir