segunda-feira, 17 de outubro de 2011

AMOR EM BRANCO E PRETO

É fácil falar desse amor. Desnecessário fazê-lo emergir porque nunca esteve submerso. Se fez intrínseco à minha condição de estar viva... E caso me perguntem desde quando é assim, saberei responder?

Na casa da Vó, onde fui criada, era um habitat de torcedores daquele time cujas cores não foram harmonizadas com tanto bom gosto quando o manto alvinegro. Era um reduto de nuances estranhas, sombrias, cuja atração jamais senti. Mas lá na casa do pai era diferente. Embora fosse a mãe apaixonada pelo time das combinações esquisitas, desprovidas de charme, foi no brilho no olhar de meu pai, enquanto desfiava histórias de sua paixão gloriosa, que percebi despertar em mim o fascínio pelo Botafogo. E quando vi na TV aquela gente toda, numa grande comoção pela morte de um certo Mané, quis saber do Seu Luís o porquê daquilo tudo, por qual motivo as pessoas gostavam do sujeito. Meus olhos se arregalavam, felizes e curiosos, a cada palavra acerca daquele sujeito cujo talento para driblar os joões encantou o mundo, embora tenha me entristecido a sua pouca aptidão para driblar os obstáculos que se apresentavam em sua vida feito água corrente. De repente senti por não ter conhecido aquele cara, não ter sentado com ele num banco de praça qualquer e ter ouvido dele suas próprias histórias, ter diminuído um átimo a sua solidão... Oh, pretenso desejo!

Meu pai descreveu seu amor improvável, de um alagoano que jamais pisou no Rio de Janeiro e nunca teve o prazer de ver seu Glorioso no Maracanã ou em qualquer outro canto. O rádio dos jogos inesquecíveis e os jornais haviam sido seu elo indissolúvel E ainda assim, e também por isso, sentia pelo time da estrela solitária uma paixão avassaladora. Era como se Garrincha, Didi, Nilton Santos, Amarildo, entre outras estrelas dessa constelação genial e inigualável fossem seus companheiros de pelada num campinho qualquer de terra batida.

Quando me dei conta já amava o Botafogo através do brilho no olhar do meu pai. Era início dos anos 80, período no mínimo complicado pra se começar a torcer por um time há tantos anos amargando jejum de títulos. Foi um teste difícil, era preciso ignorar as chacotas de outrem e seguir confiante. Aos poucos fui percebendo que torcer pelo alvinegro carioca era algo sublime, muito além da confortável e bem-vinda situação de conquista de campeonato. Em virtude das dificuldades inerentes a quem carregasse no peito o símbolo mais lindo do mundo, se arraigava um sentimento incondicional, com uma intensidade talvez inexistente caso a situação fosse mais favorável. Foram 21 anos sem nenhuma conquista, mais de duas décadas de espera, aflição e jamais abandono. Os pseudo-torcedores, os entusiastas ocasionais encontraram a desculpa perfeita pra abandonar o barco e migrarem para os clubes aonde o amor não era tão posto à prova. Restou um amor reiterado pela lealdade, o respeito absoluto pela história de glórias, o que me permite questionar se tivesse sido esse jejum em outras cores, como se desenharia essa lealdade.

Então, naquela noite de quarta-feira de 21 de junho de 1989, quando daquele cruzamento do Mazolinha e a maravilhosa conclusão do Maurício, meu camisa 7 do coração depois do imortal de pernas tortas, pude sentir o que é de fato ser botafoguense. E em silêncio dei graças por meu pai ter me permitido contaminar por esse amor único. Não me imaginava capaz de sentir tamanha alegria, desenhada em lágrimas e sorrisos incontidos. E a partir daquele momento me vi sonhando com o dia em que choraria de emoção lá no Maracanã, eu e os meus irmãos apaixonados feito eu, vendo um jogo do Fogão... E meu pai lá do céu acenaria pra nós.  Não vou deixar adormecer esse sonho de jeito nenhum!

Como seria o meu amor, não fosse eu amante do Glorioso? Simplesmente não seria, porque só é amor sendo Botafogo de Futebol e Regatas...

A crônica acima é parte de um livro a ser publicado pela Editora Livros Ilimitados em parceria com o Botafogo de Futebol e Regatas, site oficial, resultado do 1º Concurso de Crônicas Alvinegeras, onde constarão as sete melhores enviadas. Euzinha estou la, a sétima entre mais de duzentas. Uhuuu!!! É prazeroso ter algo escrito por mim reconhecido como coisa que valha, ainda mais sendo hoje o dia do aniversário do meu pai... Seu Luís lá do céu deve estar orgulhoso de mim. E eu fiz tudinho por ele... A capa é essa lindíssima acima. Fiquem feliz por mim, comigo... Beijos!



26 comentários:

  1. UIA! Não é a toa que você é A PEKENA NOTÁVEL rsrs... eis aí a confirmação!

    Orgulhosa de ti, cara mia!
    Depois dessa, eu vou esperar o teu livro de crônicas.
    Parabéns linda, por essa conquista e mérito!

    beijão feliz =D

    ResponderExcluir
  2. Puxa, que legal!!!Parabéns! Valeu esse amor ,heim??? beijos,sucesso sempre!chica

    ResponderExcluir
  3. Essa crônica cheia de emoção tinha que ser escrita por uma botafoguense. Texto de raro talento, escrito para quem está no céu ao lado de Deus. Ao lado de Deuses: Garrincha, Didi. Quanto orgulho seu Luís não está sentindo da filha que tanto o ama.
    Se hoje à noite, uma estrela brilhar mais forte no céu, com certeza será seu Luís com a nossa estrela solitária no peito. Amor de botafoguense pelo Glorioso é amor de pai pra filha. Ambos se completam e vão além da eternidade. Parabéns.
    Orlando Ângelo

    ResponderExcluir
  4. Milene, meu amor.... só te digo uma coisa: parabéns, teu lugar é aí mesmo... nos livros.
    que seja só o primeiro empuxo este daí.
    Grande beijo.... vc feliz = eu feliz.

    ResponderExcluir
  5. Olha que coisa. Fui lendo e pensando...se Milene não enviar essa crônica pra assessoria de imprensa deles (ou sei lá qual setor)vou fazer sem ela saber! E aí, cá embaixo leio essa surpresa GLORIOSA pra uma segundona. Minha Mi_nina ternura, o que mais posso dizer? Da alegria intensa e do meu desejo compartilhado do que falou o mininu ispetáculo:"teu lugar é aí mesmo...nos livros"! E tenho dito! UHUUUUUU
    Beijuuss felizesssssss n.a.

    ResponderExcluir
  6. Ah, esqueci de dizer que Seu Luís deve de tá é babando em alegria e orgulho. Presente de natal assim é de tirar o folêgo!
    Mais tantões de beijuuuusss alegres n.a.

    ResponderExcluir
  7. Milene, estou orgulhoso por ti e contigo!
    Librinianos e botafoguenses forever!
    Como teu pai,eu também me mravilhei com aqueles craques dos anos 60, a corte do fabuloso Mané e do "enciclopédia" Nilton Santos!
    Parabéns por seres quem és!
    "Locos" Abraços alvinegros!

    ResponderExcluir
  8. EU JÁ SABIA!!!
    Parabéns, minha querida... foi difícil guardar teu segredo. Mas nesta segunda-feira molhada, em que o teu Glorioso presenteia o "seu" Luís com uma vitória maiúscula, embrulhada pela filha amada em tão belo papel de presente, fico feliz com tua felicidade.
    Beijo de um tricolor que te ama.

    ResponderExcluir
  9. A crónica está um primor de sentir clubista.
    Parabéns, Milene!

    ResponderExcluir
  10. Adorei a crônica cheia de vida e sentimento e adorei muito também saber do livro, flor.

    Parabéns!

    =D

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Parabéns parabéns, parabéns ...
    Quantos tantos parabéns a vc seria pouco
    minha linda..
    Seu talento é visível , sempre foi.
    Foi escolhida por merecimento tenha certeza.
    Meu sorriso de hoje é obra tua.
    Estou aqui sorrindo feliz por ti...
    muito muito muito...
    Meu beijo meu carinho sempre
    Memem amada!

    ResponderExcluir
  12. Agora vou falar algo que poucas pessoas sabem, já tive o prazer de conversar e jogar aqui em Brasília em uma pelada com ninguém menos que Nilton Santos, siiiiim o maior lateral esquerdo de todos os tempos, jogava na posição que eu joguei antes de me tornar médio volante, e acho que por isso e pelo fato de ter um dos meus melhores amigos torcedor do Botafogo nutro um sentimento de simpatia pelo clube da estrela solitária, e pra você Mi um beijão :-)

    ResponderExcluir
  13. Bela crônica... apesar de Vasco... Amo bem mais futebol!

    ResponderExcluir
  14. Querida amiga

    Como aqui em Fortaleza,
    torço para o Ceará
    que também é preto e branco,
    cada palavraparecia minha.


    Que a alegria
    seja completa
    em tua vida.

    ResponderExcluir
  15. Linda e sempre maravilhosa Milene. Eu gostava de ser o Botafogo para me amares assim... (rsrsrs)

    Beijos a preto-e-branco.

    ResponderExcluir
  16. Cheguei aqui através do Rui Moura e em emocionei logo de cara com sua emocionante crônica sobre nosso Glorioso. Lindíssima!

    ResponderExcluir
  17. Gostei demais! Já estou seguindo seu blog. Sou o Enéias (do blog Lenda Botafoguense e do Convictos ou Alienados?).

    Abraços.

    ResponderExcluir
  18. Belo texto! :)

    Saudações Alvinegras

    Blog do Shampoo & blog Aqipossa - Saiba o que está rolando nos bastidores do futebol!

    ResponderExcluir
  19. Tenho certeza que somos movidos por grandes paixões.

    Tua crônica é aguda porque esse amor fala mais que ¨preto no branco¨.

    Tomara que sempre encontrem em você a capacidade de amar , e de sonhar. pois são essas coisas que nos impulsionam . que nos levam para frente...

    Eu já sabia que sua crônica seria uma das escolhidas. foi a sétima : 7 é um número emblemático. 7 vestiu a pele de mané garrincha...(que adorável coincidência)

    Estou muito orgulhoso de você .
    por isso te deixo um beijo super especial !

    ResponderExcluir
  20. Oi amiga,

    Grato pela presença em meus blogs. Basta uma conta google para me seguir lá neles.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  21. Oi Mi..

    Nossa voce não imagina minha alegria em saber desta sua conquista.

    Voce merece. Tem talento, cultura carisma.]Puro merecimento.

    Olha..por coincidencia ontem mandei para o forno uma peça em preto e branco.

    Semana que vem estara comigo. Se ficar boa post em meu blog em homenagem a vc e a sua conquista!!

    Com carinho..

    ResponderExcluir
  22. EduardoMontandon-bht-mg-19 de outubro de 2011 17:41

    Também cheguei aqui através do Rui Moura. Parabéns...Lindo,lindo,lindo.Nota mil. As lágrimas caíram...

    ResponderExcluir
  23. Parabéns querida amiga Milene, orgulhosos estamos todos nós botafoguenses, muito lindo e emocionante.Essa é a verdadeira paixão que nunca morre, maravilhosa e também gloriosa minha cara amiga.

    forte abraço do leitor,

    C@urosa

    ResponderExcluir
  24. Parabéns menina!!!
    Essa crônica me lembra e muito o meu Corinthians e o lendário gol de Basílio contra a Ponte Preta depois de 23 anos de fila.
    Sensacional!!!

    ResponderExcluir
  25. Mi querida,

    Feliz por ti e por quem lá de cima te guarda e olha com muito orgulho.

    Inté doçura de menina.
    Kandandos a atravessar tanto mar...

    ResponderExcluir
  26. Oi Milene minha querida...O Glorioso precisa desse seu AMOR para continuar a existir. Torcedoras como tu são importantes para levar esse AMOAR adiante...Bjos querida "Mi" saudações

    ResponderExcluir