sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A POESIA MUDA



A luz do abajur fraqueja e de repente tudo é um imenso breu. Quieta, ela anseia pelo instante em que os versos lhe chegarão fingindo surpresa, cedo ou tarde. No parco cômodo, a mulher, o abajur morto e a poesia muda compõem um retrato lúgubre... A mulher deseja versos sem rimas que tragam fragmentos de luz à escuridão silenciosa desse dia sombrio. Parece noite no seu coração em pulsar de inquietude. Embora acostumada aos labirintos noturnos, ainda assim sente nas costas o peso de um medo maior que ela.  Sua própria voz lhe provoca assombro, prefere fazê-la dormir, a fala. Ela pensa que só a poesia trará de volta o viço, o gosto, o perfume. Se não tivesse adormecido sua fala, suplicaria pela janela a um ébrio qualquer por goles fartos de conhaque e valentia. Talvez eles causassem efeito balsâmico sobre essa efêmera fadiga de alma, aquietaria seu desassossego e logo que os primeiros raios de sol surgissem pela janela, a poesia lhe devolveria a fome, o fogo, a luz. Amanhã, a mulher apenas anseia acordar poesia.

13 comentários:

  1. Aqui tem muuuuiiito sentimento permeando um texto primoroso...desse alimento a gente nãos e furta, moça querida!!

    Os contrastes que evidenciam o outro lado...claro/escuro...a dualidade da vida nossa de cada dia...BELO, Mi!!!

    Bjos pra ti!

    ResponderExcluir
  2. Como sempre nada a declarar linda, uma pérola literária, beijão Mi :-)

    ResponderExcluir
  3. Perfeito e parece ter traduzido exatamente como estava me sentindo ontem e como acordei hoje pronta para uma nova poesia.
    Beijos Perfumados

    ResponderExcluir
  4. A Nelma tem razão... quantas vezes a gente dorme vazio e acorda poema?
    E eu te conheço, borboleta... tu estavas casulo ontem, e hoje desdobras tuas asas iridescentes neste lindo texto. Parabéns.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Nem sei se é uma poesia sem versos ou uma prosa poética, mas achei meio "dark"...
    Uma incursão meio etílica na noite...
    Abraços, Milene!

    ResponderExcluir
  6. Está um brilho só esse texto menina! Tão bom que pede releitura para então degustar o sabor dessas letras tão bem delineadas e elegantes.
    Uma prosa recheada de lirismo e sensibilidade.
    Um coquetel de frutas com um frisante da melhor qualidade vc nos serviu aqui!

    LIndo lindo!
    Bacios

    ResponderExcluir
  7. Redondinho, perfeitinho, que delícia de leitura!

    * Eu gosto quando é noite em mim, sabe, flor? Sou do contra, acho...rs

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Fico aqui gastando meus dois pra saber o que acontecerá quando acordar poesia...continuo insistindo nessa uma, insone, que em prosa (dispenso os versos)é pura poesia.
    Beijuuss, Mi_nina inquieta amaaada, n.a.

    ResponderExcluir
  9. "Todas as coisas têm o seu mistério, e a poesia é o mistério de todas as coisas."

    Abraço e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  10. Milene....nem tenho capacidade para comentar tua escrita..
    Fico só aqui..diante da tela lendo e relendo...
    A cada visita, a cada escrita sua um encantamento.

    Hj aqui..só sentimento!!
    Parabéns é muito pouco!!

    Um beijo...

    ResponderExcluir
  11. poético e emocionante, amiga Milene!

    A amizade é um amor que nunca morre.
    Mario Quintana

    forte abraço,

    C@urosa

    ResponderExcluir
  12. Minha querida Mi,
    Calar a fala, adormecê-la, é obra.
    Esse é meu exercício diário, melhor dizendo nocturno. Um "pensamento em branco" que venha dar lugar a qualquer coisa mais substantiva e se possível, outra leveza.
    Voltando ao exercício, mas desta feita de dia, há um que me faz muito bem, quando não acordo poesia. Vou daqui ao pinhal ao lado e em vez de calar e implodir, grito tudo quanto há a gritar, choro, xingo e até rio de mim mesmo.
    Mais leve, regresso à clausura.

    Beijo e meu carinho, um kandando ternurento a atravessar tanto, tanto mar...
    bom fim de semana...Inté amiga.

    ResponderExcluir
  13. Quantas vezes isto acontece com quem escreve...Sao muitas!
    O meu acordar é sempre primoroso. Acordo com milhões de pensamentos para um nova escrita e se não escrevo tudo que vi e senti logo pela manhã... Adeus! Permanece esquecido dentro da alma e... Se tiver a sorte de relembrar, não penso duas vezes em escrever o que ela está a sussurrar!
    Lindo demais! Milena,realmente você tem um modo muito diferente e envolvente de escrever. Parabéns!
    Beijos

    ResponderExcluir