domingo, 4 de dezembro de 2011

O DOUTOR DA BOLA



Um cara com o nome de Sócrates não podia ser um mero jogador de futebol. Numa simples nomenclatura profissional não cabia todo o seu imenso talento. Numa época em que ser jogador de futebol se limitava a estar dentro de campo representando o seu clube e a Seleção Brasileira, sorrindo e acenando para o sistema, Sócrates foi a voz, a contradição, o protesto.

Em 1982 eu me postava bestificada diante da TV, acompanhando aqueles caras jogando feito mágica. Uma elegância sobrenatural, altivez de quem sabia exatamente o que deve ser feito e o realizava com maestria. A minha torcida pela Seleção do Brasil durou até o tempo em que se desfez o sonho do futebol “arte”. Quando Sócrates, Falcão e Zico deixaram em pés menos brilhantes as suas chuteiras e tudo se escancarou num jogo de interesses medonho, foi-se por terra a minha torcida. Façam bom proveito os que hoje morrem de amor pelo time do Ricardo Teixeira. Euzinha não.

Assim que conectei a internet saltou-me de imediato a manchete de que havia partido o doutor. E há muito tempo eu não sentia tanto por alguém que eu não conheço, jamais troquei uma palavra... Eu apenas o acompanhava. Quando meu controle remoto passeava pela programação pouco atrativa, onde estivesse o Doutor a prosear, eu parava para ouvi-lo. Gostava das suas reflexões. Admirava seu jeito sarcástico e o semblante de quem estava sempre debochando de algo.

Foi embora o Doutor, distribuir passes de calcanhar em outros campos, comemorar de punho erguido os seus gols de classe, espalhar pelos céus o futebol como deve ser: PURA ARTE.

Adeus Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira. 
Valeu, Doutor!


13 comentários:

  1. Também fiquei tristinha...e não sou uma apaixonada como vc pelo futebol...mas por alguns certos (Gente)-jogadores...e esse era um! Bela homenagem minha Mi_nina.
    Beijuuss n.a.

    ResponderExcluir
  2. Linda homenagem ao DR Sócrates.Pena! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Por várias razões, a notícia me chegou pelas tuas mãos amorosas, Mi...tb eu admirava muito o homem, o atleta, o doutor, e tb deixei de viver os jogos do Brasil com o mesmo entusiasmo da seleção dos canarinhos, cujo brilho era tão, mas tão bonito de se ver..aconteceu o mesmo com Senna, que levou com ele minha presença na frente da TV nas corridas...lamento mais esta despedida, mas todos temos a cumprir um tempo por aqui...ele deixa saudade...

    Bjs, moça querida!

    ResponderExcluir
  4. Embora eu Santista, o admirava como jogador que sabia usar o calcanhar como ninguém, e também como pessoa por sua postura política e social, e uma pena ele ter partido tão cedo, beijão Mi.

    ResponderExcluir
  5. Sempre é triste a partida de alguém.
    Veio..cumpriu sua missão e foi....
    É a vida...

    Bj Milena...semana de paz a vc!!

    ResponderExcluir
  6. Só tenho a lastimar! Penso como a amiga Denise...e aqui estou chocada com a notícia...
    Muito tempo deixei minha emoção de futebol de lado, como também deixei de Fórmula 1, pelos mesmos motivos seus e da Denise. Vão saindo as pessoas que a gente admira, vão morrendo outras...e a "graça" que via em tudo isso vai perdendo...
    Mas que ele tenha um lugar especial, onde quer que nossa alma vá.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Vai-se o futebol arte,
    O socrático,
    Fica-nos o "soccer business",
    Burocrático.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Tão lamentável quanto inevitável!
    Dr. Sócrates foi mais uma das figuras marcantes do esporte, além de ser também um craque pelo desembaraço e maturidade com que sabia se expressar em face de diversas situações.
    Infelizmente, como já ocorreu com outros craques, não soube lidar com os traiçoeiros fluídos alcoólicos!
    Triste vê-lo partir tão cedo!
    Mestre Telê deve estar a espera-lo, em algum lugar nas dobras do tempo, para juntos relembrarem aquela maravilhosa seleção de 1982, que dava show, mas foi traída pelo destino!
    Bela homenagem, Milene!

    ResponderExcluir
  9. Muito obrigado por esse post Milene! De verdade...
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Olá querida Mi.

    Por cá tem vindo a ser noticia diária e com destaque nos telejornais principais.
    Muita arte nos pés, passes de calcanhar para grandes golos...Um desportista e homem muito especial. Amor à camisola... Será que isso ainda existe?
    Interventivo numa época muito difícil de colocar a voz em liberdade.

    Deixando saudades... de todo ele não partiu!

    Beijo e kandandos meus a atravessar tanto mar...

    ResponderExcluir
  11. Havia um certo romantismo no calcanhar de sócrates.
    sutileza ...puro gesto antimonotonia.

    o calcanhar de sócrates era ao mesmo tempo o paradoxo do supérfluo. tão absurdo que atingia as raizes da lógica.

    Tua homenagem ao doutor ,é uma das mais belas que li por ai.

    Beijo-te , querida !

    ResponderExcluir
  12. Adorei o que você escreveu. Jornalistas profissionais escrevem por obrigação. Você sempre usa o coração, principalmente quando fala de pessoas.. beijos!!!

    ResponderExcluir