quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

REDIZENDO A SAUDADE...



Quando escrevi sobre a saudade, quando citei a frase da Denise sobre “sentir saudades do que não vivi”, recebi um email lindo do Leonel me dizendo do quanto tais palavras mexeram com ele e o fizeram voltar ao passado, às lembranças felizes do que ele jamais viveu. Não vou contar muito do email porque ainda quero vê-lo feito crônica lá no Asteróide. Eu só queria dizer pra ele que também tenho saudades dos sonhos que alimentei ali atrás. Acho que todos guardamos essa sensação.

Nesse mesmo período, minha sobrinha Giovanna disse assim: “Memem, escreva sobre a saudade, fale da nostalgia, queria ler algo assim”... Ela não havia lido minha postagem do tema. Falei que ela ainda era muito jovem pra sentir nostalgia. Era momento de caminhar e acumular saudades, não de voltar para buscá-las no seu passado tão fresquinho. Só tem quatorze anos a minha aborrescente e já guarda tanta sentimentalidade...

Num dia não tão distante, conversávamos Luck e eu e mergulhados nas fantasias para as quais nos empurram a bem querência virtual. Jantaríamos num lugar sob as estrelas, à beira de um lago, águas tranqüilas, muita conversa, muito riso, imensa cumplicidade e a constatação de que o elo amigo que nos une é absurdamente real. Sabíamos disso todo o tempo, o abraço seria apenas um adendo. Na volta do devaneio, ele falou lindamente: “estou com saudades desse momento que nem vivemos”...

Esses três suspiros ocorreram no mesmo período e de forma aleatória. O gaúcho lá de Niterói, a menina das Alagoas, o sujeito mineiro... Eles não se conhecem. Eu adoro conhecê-los e compartilhar das suas saudades, sonhos e sentimentalidades.

13 comentários:

  1. Não demorou que as fujonas
    Voltassem ao ninho antigo,
    E como humildes pidonas
    Aceitassem o castigo
    De expressar essas saudades,
    Em sonhos ou realidades,
    Dos que convivem contigo.

    Não te disse que as traria de volta?
    Beijos a ti e à Giovanna. E abraços aos amigos Luck e Leonel.

    ResponderExcluir
  2. Sabe que tambem me deixou pensativa nessa saudade quando escreveu?! Acho que tocou mais de uma pessoa com suas palavras.
    Quantas coisas idealizamos em nossa vida e a minha bem curta ainda tb...
    É boa a nostalgia, mas controlada, senão nos faz viver só pra ela e isso é perigoso.
    Que bom que ja fez as paes com as palavras... Beijos e excelente noite pra vc!

    ResponderExcluir
  3. Pois é amiga, a saudade é coisa danada, que às vezes eu não entendo direito... mas que ela existe, ela existe...é gostosa de ter...sempre!

    forte abraço

    c@urosa

    ResponderExcluir
  4. Milene, muita coisa do que escreves me toca...
    A saudade é para mim uma companheira, que não me deixa esquecer coisas e momentos que ficaram para trás...
    Algumas dessas coisas e momentos foram compartilhados com outras pessoas, mas tem alguns eventos que foram e sempre serão apenas nossos...
    São os sonhos, pois esses, nunca pudemos dividir com alguém, já que só ocorreram no interior da nossa mente...
    E a mente é o nosso refúgio mais restrito, onde ninguém nos acompanha...
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Esse texto é uma expressão de nossas almas e me trouxe a mente uma música: TREM DAS CORES-
    "As casas tão verde e rosa
    Que vão passando ao nos ver passar
    Os dois lados da janela
    E aquela num tom de azul quase inexistente
    Azul que não há...Azul que é pura memória de algum lugar..."

    BEIJOS!

    ResponderExcluir
  6. Esqueci de assinar...
    SI.

    ResponderExcluir
  7. Sabe quando você conhece uma pessoa, começa amá-la e de repente ela vai embora sem sequer ter havido uma única discussão e você fica numa espera inesperada, numa saudade diferente e uma dor de cotovelo que não dói por você não saber do fim?

    ResponderExcluir
  8. Olá, Melene!
    Eu também adorei o texto, ou melhor, os textos!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  9. Hum... então tá explicado, lindamente, essa sentimentalidade toda que nunca consegui explicação! Saudades desse momento que nem vivemos é amor sem explicação...vivido de outras maneiras e formas que um dia o Homem compreenderá que existe mesmo!
    Beijuuss pra todos que te inspiraram e outros tantos procê

    ResponderExcluir
  10. Ficou tão bonita essa costura de saudades...

    Me tocou, guria.

    =D

    Beijo graaaaaaaaaaaaande, grande!

    ResponderExcluir
  11. O grande F. Pessoa dizia que tinha saudades do futuro:)!
    Bjo

    ResponderExcluir
  12. Milene, seu blog continua sempre essa pérola rara em palavras... pena eu não poder estar tão frequente quanto gostaria por aqui. Mas quando chego tiro o atraso e leio muuuito, rsrs

    Também quero agradecer suas palavras de carinho em minha mensagem lá no blog, e dizer que o Natal é bom porque é feito de pessoas como você, com sentimento sincero sempre aflorando.

    Grande beijo, fique com Deus e um Feliz Natal!
    Adriano Berger

    ResponderExcluir
  13. Milene
    Lindo o seu post e o seu blog. Adoro textos que fama sobre saudade. Super obrigada pelas palavras carinhosas deixadas lá no Amadeirado. Bjkas e um lindo fim de semana pra vc!

    ResponderExcluir