terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O RESGATE

  
Pelo tempo em que foi encomendada a coroa de flores, já devia e muito ter chegado ao destino. Todos se entreolhavam impacientes, pois o féretro se preparava pra sair sem a homenagem da turma da escola ao pai da amiga tão querida...
- Liga pra floricultura!
- Boa ideia!
- Alô, moça é o seguinte: encomendamos uma coroa de flores faz o maior tempo e até agora nada. O que houve?
- Me confirme o endereço, por favor.
- Rua Projetada, sem número.
- Minha senhora, nosso entregador confirmou a entrega da coroa neste endereço, deve estar havendo algum equívoco, procure aí com mais atenção.
Uma coroa de flores não é necessariamente um objeto que possa estar assim tão oculto a ponto de não ser visto numa espiada mais dinâmica, mas todos se incumbiram de dar uma última verificada, para a fatal conclusão: definitivamente a dita cuja não estava naquele recinto... Para onde fugiria uma coroa de flores?
Sem mais o que fazer, seguiram o cortejo naquela lentidão habitual quando pessoas destemidas fazem o trajeto a pé. Os carros praticamente não andam e o teste de paciência é enorme. Tudo, porém, em nome da solidariedade para com uma amiga numa situação tão difícil.
Na porta do cemitério dá-se o encontro de dois cortejos, o outro um tanto adiantado. Sobre o caixão do enterro concorrente desfilam algumas coroas, relembrando a turma da insatisfação pela homenagem não prestada. De repente alguém salta:
- Ei, olha ali no caixão do outro enterro, é a nossa coroa!
- É nada, tá doido?
- É sim, vê lá o nome da escola, é a nossa!
- Eita gota, foi entregue no velório errado. E agora?
- Deixa pra lá, já era – Argumentou alguém mais conformado.
- Deixa pra lá nada, vou lá buscar agora, peraí.
E foi-se o marido da professora, solidário na frustração da turma, fazer o resgate da pobre coroa sequestrada. Sem um pingo de cerimônia, pediu licença aos que rodeavam o caixão em vias de ser colocado nos temidos sete palmos:
- Lincença, mas essa coroa não é desse enterro não – falou enquanto erguia a dita cuja sobre a cabeça, passando em meio à pequena multidão entre um enterro e outro, depositando ao lugar aonde deveria ter nascido pra enfeitar.
Enquanto se dava tal ação, os demais homenageadores trataram de se esconder, cada um por trás de um túmulo mais perto, desacreditando na coragem do moço herói em proporcionar a uma desassossegada coroa de flores, o descanso merecido.
Bem poderia ter sido colocado um epitáfio com os dizeres: “Esse jazigo é o abrigo do Senhor Fulano de Tal e sua fidelíssima companheira mais florida... Florinda”. Que descansem em paz.

EM TEMPO: 
Eu bem queria gravar a minha irmã em pessoa e voz narrando esse episódio. 
No ajuntamento festivo de virada de ano, 
todos nós talvez tenhamos tirado do nosso saco de risadas, 
um riso descontrolado como poucas vezes na vida, ouvindo-a contar a história...
 Ela é a esposa do herói protetor das coroas sequestradas. 
O herói é meu cunhado Fabinho, gente boa pra dedéu, 
menino grandão que vocês adorariam conhecer... Beijos, pessoas

11 comentários:

  1. Noooossa que história legal!Adorei o furdunço no enterro.rsrs beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Caraca nem vou comentar nada, mas parabéns pela coragem beijos mil Mi :-)

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkk esse cunhado né fraco nauuummm! Como é bom gargalhar nesse começo de 2012 com vc. Se bem que em tempo meio retardado,pq adoraria estar aí com vc(s)e ouvir a mana contando tal feito. Tem que se ser cabra-macho pra tanto!
    Beijuuss, estalados de novos, e os 1ºs de muiiitos que ainda mandarei n.a.

    ResponderExcluir
  4. Primeiro "post" do ano, tinha que bombar - bombar de risadas! Mi, parece que contar "causos" é talento natural aí de vocês. E ficou duplamente saboroso o "causo" do "causo" da coroa.
    Beijão, querida!

    ResponderExcluir
  5. OI MI!!

    Fico imaginando a cena da coroa...com seu cunhado herói..rsr

    Parabéns por mais este presente!!

    Um beijo...2012 "bacaninha" pra vc!!

    ResponderExcluir
  6. Caramba!
    Quer dizer que isto não é um conto, mas uma história real?
    Realmente, seu cunhado é mesmo muito corajoso!
    Abraços, Milene!

    ResponderExcluir
  7. "Há remédios para tudo menos para a morte"

    Um 2012 com muita paz e amor.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Já estava com saudades de vir aqui e me divertir..
    Minha fabricadora de sorrisos!
    E palmas pro cunhado srsrs

    Meu Beijo memem amada!

    ResponderExcluir
  9. é, como na vida às vezes, nem sempre era destinado a nós isso ou aquilo, né? mas no seu conto, quem deveria ter recebido e quem recebeu por engano, não levaram muito em consideração e continuaram em paz, né? rsss... um grande abraço

    ResponderExcluir
  10. Audacioso esse rapaz heim? Fez justiça com as próprias mãos, tá de parabéns!!!
    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Nossa como tá bonito o blog?! Ótima escolha :D

    Passando pra te deixar um super bacio e em tempo

    para ler e gostar desse texto pra lá de hilário!

    xau cara mia e até mais!!
    :D

    ResponderExcluir