segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

RUDOLPH E A BRUXINHA - Sob a Oliveira de Flores Rosadas

QUERIDOS AMIGOS COMENTADORES DO POST "IMENSOS PEDAÇOS DE AMOR", COMO EXPLIQUEI, AQUELA HOMENAGEM DEVERIA DESDE SEMPRE ESTAR NO SETE RAMOS, MAS POR MOTIVOS DE MALUQUICE DESSA QUE VOS FALA, NÃO FOI POSSÍVEL FAZÊ-LO ONTEM. AGORA TUDO ESTÁ EM ORDEM E A POSTAGEM ESTÁ ONDE É DEVIDO. OBRIGADA A QUEM VEIO...



Enquanto fazia seu passeio vespertino, brincando com as flores do campo, a menina torcia por outra combinação celeste naquele dia. Era treze de fevereiro, aniversário de Rudolph e na cesta havia muito mais que sessenta e seis motivos para um abraço afetuoso. Pediu à mãe que fizesse um pequeno bolo. Ela mesma se encarregou dos docinhos e demais guloseimas para um delicioso piquenique sob o pé de oliveira de flores rosadas, que inexplicavelmente havia brotado depois daquele encontro no natal do ano passado, quando os dois, juntos, fizeram correr de medo uma nuvem negra metida à vilã.

Enraizou-se ali bem mais que uma planta com características incomuns. Nasceu verdadeiramente uma amizade carregada em afeto e cumplicidade. A partir de então, estiveram amorosamente presentes na vida um do outro, vivenciando sonhos, risos, abraços, apoio...

A bruxinha trilhava o caminho até o pé de oliveira e lembrava-se do quanto adorava ser ouvinte das histórias de Rudolph. Nesses momentos seus olhinhos sorridentes brilhavam e o pensamento caminhava pelos ares, pegando carona nos aviões viajantes dele, pousando em desertos povoados por sisudos camelos, ou brincando com num solo cobertinho de neve.  Ele parecia um personagem de filmes da Sessão da Tarde, aqueles moços adoradores de aventura.

Versos, sonetos, sextilhas, notas, músicas, musas, estrelas, sonhos. Parecia caber o mundo na mente daquele homem e a menina costumava beber cada letra num encantamento comovente. Para ela, o amigo guardava em si todas as respostas do mundo e estando por perto era uma oportunidade de mergulhar nesse mar de sabedoria.

Neste dia especial ela não o cansaria pedindo para repetir suas histórias. Cantaria, desafinada e contente, uma cantiga singela falando de sapos e pererecas que adoram dançar e depois leria um poema, daqueles desinventados, falando em flores impetuosas que só nascem quando bem querem.

Sob a árvore que simbolizava aquela amizade ela já o avistava. Apressava os passinhos auxiliados pelas muletinhas travessas, queria logo abraçar o amigo e dizer que lá no céu, todas aquelas nuvens cheinhas, estavam todas carregadas das bênçãos que cairiam sobre ele, naquela agradável tarde de fevereiro do seu aniversário.



11 comentários:

  1. Como diz Rudolph...rs...eu pude ver aquelas nuvens, a oliveira e a bruxinha embevecida, olhos imensos e gulosos de suas histórias...o pensamneto da gente caminha pelos ares te lendo, Mi_zinha...bonito presente para Roddolfo!

    Bjos, moça escrevinhadora!

    ResponderExcluir
  2. que coisa mais lindaaaaa



    beijocas


    Loisane

    ResponderExcluir
  3. Quando as palavras me somem
    Já sei que estão por aqui;
    Porque todas elas comem
    Nas mãos inquietas da Mi...


    Vai escrever assim lá no Sete Ramos, moça! Cisco no olho...

    Beijos, minha querida!

    ResponderExcluir
  4. Mizinha, você se supera a cada dia dentro de tuas letras que voam altaneiras, leves e completamente livres neste horizonte sem fim que é a blogosfera!

    Parabéns e obrigada por desenhar o encontro da bruxinha arteira com Sir Rudolph.

    meu afeto aos dois queridos!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Milene!
    É sempre um prazer estar aqui - ou lá!kkkk
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  6. Milene, todos sabem que és a convidada especial nesta festa do meu amigo Barcellos!
    Abraços para ti também!

    ResponderExcluir
  7. Mi_nina ternura linda de viverrr!!! Fiquei aqui, lendo essa história amorosa, de uma amizade nascida através dessa telinha (como é possível?pergunta que sempre esbarro e já sei que resposta não há!)e de imensurável cumplicidade. Dessa vez não roxeei rsrs Fico é mesmo encantada e renovada em esperança... de que há mesmo GENTE que nos acolhe, recolhe, compreende, apoia, respeita as diferenças, torce,não mede esforços, vibra e AMA para além de qualquer tempo e lugar. AMOTE Mi_nina...AMOTE Rodolfo...e isso me basta.
    Beijuuss nos dois

    ResponderExcluir
  8. você me encanta mais a cada post, que bom viajar contigo nessa escrita límpida, pura...
    beijinho inventora da alma...

    ResponderExcluir
  9. Tão bacana quanto fazer aniversário,
    são as manifestações de amizade que recebemos.

    O Barcellos deve ter ficado muito feliz com essa linda homenagem.

    Vou ao sete ramos pra ver se sobrou um pedaço de bolo.

    Um beijo , querida!

    ResponderExcluir
  10. Onde eu estava que não vi esse texto?! Imperdoavel kkkkkk

    Vc é incrivel Mi! Me faz viajar nos teus textos!

    Bjos e excelente ferido!

    ResponderExcluir