quinta-feira, 15 de março de 2012

ARREMEDO


Quisera eu ter um poema
Torto, forte e vermelho
Em rimas, versos pequenos
Cantado em frente ao espelho

Versos que sejam só meus
E de quem mais os quisesse
Paridos em becos e breus
Sentidos feito uma prece

Em gritos fortes, o amor
Beijos de morte, agonia
Olhando os olhos da dor
Vingou, valente, poesia!


O meu arremedo nasceu ontem, sob o acompanhamento dedicado do Rodolfo, me conduzindo como numa valsa, orientando sobre métricas e rimas. Fingi, feito os poetas, compreender tudo dos seus ensinamentos. Simone garimpou a trilha sonora. A memória musical dessa moça, aliada a sua capacidade de conseguir a perfeição na sintonia entre texto e canção impressiona. Essa postagem está aí, está assim, porque eu definitivamente não sei praticar a arte de caminhar sozinha... Versejar é coisa séria, é preciso não macular o seu santo nome... Nem toda palavra rimada e arrumada encontra abrigo onde é a casa da poesia. Hoje, mais do que querer, precisei cometer essa afronta poética. Perdoem-me, deuses da poesia, eu não sei o que faço... Mas insisto em fazê-lo.






19 comentários:

  1. Tanto quis, que tanto fez!

    Tem a tua cara e ficou lindo.
    Quero estar na noite de autógrafos do Milene Lima Book...

    É Eu!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá, Milene!
    Concordo com o Anônimo aqui em cima, ficou ótimo mesmo!!!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  3. Sra. Dona Milene...

    A senhorita é muito modesta!!

    Amei ..tudo....o conjunto da obra ficou perfeito...


    bjs

    ResponderExcluir
  4. Ouve, poetisa, o conselho
    De quem já muito aprendeu:
    Não cantes frente ao espelho
    O verso vermelho teu;

    O espelho inverte tudo,
    Não só a imagem de alguém;
    E ele não é tão mudo
    Entorta as vozes também.

    RODOLFO - gritei-lhe nomes
    OFLODOR - me rebateu
    SIMONE virou ENOMIS
    LEONEL é LENOEL

    Mas talvez sejas até
    Imune à maldição:
    É A MILENE LIMA, É!
    Ele não responde não...

    ... e como MEMEM também é imune a feitiços "sassevasá", concluo que você é a única poetisa que eu conheço que pode desafiar o espelho...

    Sojieb!

    ResponderExcluir
  5. Ah, e deixe que eu registre aqui a minha reação quando você me apresentou esse seu "arremedo":
    - BRAVÍSSIMO! RIMAS CRUZADAS!
    Mas ainda não concordo com o nome. E agora, longe do espelho...
    - Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Arre_medo de não versejar com primor?
    E isto que pintou de vermelho? É como o feitiço da maçã... irresistível, mas sem veneno, pinga gotas de puro sabor ao ser degustada...boa aluna que és, segue os passos deste Mestre...como pode ter a genealidade que nos mostra com esta naturalidade no comentário?? Se eu me postasse frente ao espelho agora, veria a expressão de quem suspende os lábios, surpresos, num sorriso de encantamento...duplo, e de orgulho por serem meus amados, os dois: poetisa e poeta!!
    Linda homenagem ao dia da poesia - decretado e sacramentado!

    Beijos, meus amores!!!

    ResponderExcluir
  7. Quisera eu ter o talento que você tem para escrever!!!!

    Lindo!!! Sou tua fã!

    ResponderExcluir
  8. Caraca!

    Aqui e agora eu li o melhor!! e que vc insista em me encantar!

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Não precisas te desculpar nem pedir permissão, pois não é mesmo teu jeito...
    Entras mesmo de forma irreverente e vai logo ficando à vontade, na poesia e na prosa...
    Ainda mais com essas feras te apoiando!
    Parabéns pela criação!
    Abraços, Milene!

    ResponderExcluir
  10. Meu amor, você é como aquela música do Caetano e do Milton, baseado na obra de Guimarães Rosa-Quanto mais dentro, aflora!

    Expremeu-se o verso e exprimiu esse poema forte...
    Como diz o carinha do teatro mágico, primeiro vem o medo ...a fuga... você vive fugindo ao encontro do talento.
    Beijos minha pombinha! ( e não me confundas jamais...rs)
    Si.
    " e a poesia prevalece!" - ainda bem.

    ResponderExcluir
  11. o ex do espremer é só um joguinho, tá...rs
    (a quem interessar possa..rs)

    ResponderExcluir
  12. você é uma abençoada pelas musas das letras !!!
    poesia e prosa não têm algemas nem asas destinadas, é só ter a capacidade de sentir e o teclado ou o lápis fazem o resto minha linda...
    beijo

    ResponderExcluir
  13. Mi, a poesia anda te olhando de perto e estendo as mãos pra ti, menina! Faça o mesmo.

    Versos intensos como tu e também entranháveis como o ventre rubro que gerou teus versos.

    meu afeto
    saudade
    bacios

    se der passa no Sweet, tem docinho lá rs
    bacios :)

    ResponderExcluir
  14. Mi_nina amaaaada minha!
    Tempo de Rê_começar... Lenta e vagarosamente, como uma criança iniciante, vou dando passos trôpegos. Tento arremedar-me nessa vida que colocou-me do avesso...só assim posso descobrir meu verdadeiro direito de ser! O medo algum dia lhe habitou??? Serviu-lhe então, somente, de material para suas construções...sejam poesia ou prosa que tenho sempre a alegria de sorver.
    Beijuuss, sôdades intensas, n.a.

    ResponderExcluir
  15. Olá querida amiga, a sensibilidade sempre presente, parabéns e agradeço sempre as gentis visitas.

    saudações alvinegras,

    forte abraço

    c@urosa

    ResponderExcluir
  16. Foi bom pousar meus olhos aqui. Seu ARREMEDO me caiu bem.Brincou com as cores do meu dia.Abraços do mensageiro do vale.

    ResponderExcluir
  17. Continue "insistindo" sempre, porque seu poema forte e vermelho foi uma alegria para meus olhos e vingou bem vigadamente a minha segunda-feira poruco poética!
    =)

    Achei interessante que quase dava pra "ver" esse poema, não como um texto, mas como um guerreiro forte, vestido com uma armadura vermelha passeando por becos com a espada desembainhada!

    ResponderExcluir