sábado, 24 de março de 2012

NAVEGANTES



Firmaram o pacto sem muita palavra que o dissesse, sem contrato de registro no cartório da bem querência ou depósito antecipado como garantia de reciprocidade. O pacto nasceu em meio à precisão de ambos por amornar o destempero das ideias. O pacto veio pra ser uma espécie de guarda-costas dos fantasmas cultivados naquelas almas. Como se quando um não tivesse suportando o seu próprio bicho-papão interior entregasse aos cuidados do outro, pelo menos por uns passos da longa caminhada.

O pacto que se firmou ganhou vontade própria, quis ser pra sempre, acolheu as angústias daqueles dois, a insanidade inerente à condição de estarem vivos e mostrou-lhes a facilidade do caminho quando se trilha juntos. Firmaram apoio mútuo até a ribanceira do tempo, se preciso fosse. A linha tênue entre a lucidez e a maluquez permanecia acesa, instigando desassossego. O coração, aflito sussurrava um grito de socorro e lá de longe, por trás de tantas montanhas e sem fim, era alegre quando o outro escutava o chamado e socorria ligeiro, como se toda a vida estivesse ali aquela mão estendida...

E um dia, quando tivessem ido todas as noites escuras, quando o passar das horas não fosse mais que minúsculas contas no colar do tempo, quando todos os porquês se apresentassem para compreensão, volitariam sobre a imensidão dos mares, de mãos entrelaçadas como houvera sido por todo o tempo.




14 comentários:

  1. Bom como sempre nada a declarar Mi, vc escreve demais mulher, e saiu ClosetCast novo lá no meu blog, beijão linda.

    ResponderExcluir
  2. Oh Milene..que linda a sua escrita.

    Voce escreveu tão lindamente sobre a cumplicidade do amor sincero.

    A imagem..linda... a musica me levou aos meus bailinhos da adolescencia.

    Parabéns por tudo..

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Não sei o instigou você a escrever isso,mas seja o que for, estava em
    parceria com um outro nível, mais profundo, de compreensão.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. e mostrou-lhes a facilidade do caminho quando se trilha juntos.



    s2

    ResponderExcluir
  5. "Navegar é preciso".
    A frase, cunhada por PETRARCA referindo-se à natureza matemática da ciência da navegação, foi clonada por FERNANDO PESSOA para significar a busca de caminhos. E aí vem uma sertaneja das Alagoas, dá um piparote no nariz de um, ignora olimpicamente os louros do outro e conclui, Q.E.D, que navegar é simplesmente a cumplicidade dos amantes no singrar pelas tempestades da vida. E estamos conversados.
    Beijos mil. E mais um.

    ResponderExcluir
  6. Olá, Milene!
    Pois saiba que pra onde for, sempre hei de navegar com você!
    Bjs!
    Rike.



    P.s.: sei blog "Sete Ramos de Oliveira" está devidamente linkado em meu novo blog.

    ResponderExcluir
  7. adoro sua maneira de escrever, sou fã
    incondicional
    bom, muito bom !!!

    ResponderExcluir
  8. Ah, Mi_nina rosada...esta cumplicidade que mistura dois num só, essa amizade sem precedentes, só ela consegue ser mais linda que tua escrita sobre ela...

    "Firmaram apoio mútuo até a ribanceira do tempo, se preciso fosse"...dia em uma linha o que mil palavras não conseguiriam traduzir...aff maria que ficou lindo pur diamis!!!

    Tua Inquietude emociona, comove, enamora a alma da gente, que seguir junto da tua, até a ribanceira do tempo...sem fim!

    Bjos, moça querida!

    ResponderExcluir
  9. Mais um enigma proposto pela minha geniosa amiga...
    Que segredos envolverão esse pacto feito para "amornar o detempero das ideias"...?
    Abraços, Milene!

    ResponderExcluir
  10. É uma amizade assim, cumplicidade amorosa, linda de viverrr que a gente se sustenta e segue adiante!
    Beijuuss, Mi_nha Pétala, n.a.

    ResponderExcluir
  11. O que dizer além de que é maravilhoso? Adorei te ler! beijos,chica e um dia lindo por aí!

    ResponderExcluir
  12. "Firmaram o pacto sem muitas palavras
    O pacto que se firmou ganhou vontade própria, quis ser pra sempre...
    Quando todos os porquês se apresentassem para compreênsão..

    Amei!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. sigamos então essa estrada plana
    a casa de ontem já não tem calor de verão
    corre um vento no pátio em voo de arrepio
    que esfria o riso colado nas esquinas
    caminhemos ainda assim
    surge uma luz que tínhamos esquecido
    nas margens de água em que buscamos vida
    ou apenas sonho calor repouso manta
    aberta cancela do jardim e estrada larga
    fundo trilho destes dias
    sem rótulo de partida ou de chegada....

    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Eu fico com ciúmes, porque você não escreveu essa maravilha para mim. Mas, eu também fico jubilosa por saber dessa amizade tão linda.
    Um pacto feito sem palavras que se perdem e podem ser tão voláteis,mas, uma afirmação feita com o coração é o que sela essa amizade. E mesmo não sendo esse texto, escrito para mim, o que eu acho um desaforo só,sei que também estamos selada muito além das palavras.

    Beijos minha lagarta listrada!

    ResponderExcluir