quarta-feira, 11 de abril de 2012

ALEGRIA, SIM SENHOR!


O mundo anda muito doente, o mundo anda muito doidão, cada vez mais alucinado. Anda bebendo xampu, o mundão, ao invés de passar no cabelo, só pode.

Vamos elaborar: o feriado convida, a praia espera, descanso e curtição são merecidos. Supostamente tudo sob controle, a noite vem, o corpo se entrega, sonolência coletiva... Todos pros braços de Morfeu, Hipnos ou sabe-se lá quais foram os deuses acolhedores. Já se faz manhã, o astro-rei invade, acelera o despertar... Algo não está nos eixos. Falta um carro. Alguém saiu no carro? Não! Entraram na casa, sorrateiros, rastejantes, partiram. Levaram o carro... Desassossegaram a paz alheia. Chamem a polícia. Polícia? Sim... Ela veio, ela sempre vem, mas é de boa atitude agradar os moços que trabalham nela pra eles fazerem direitinho o que é da obrigação. Aperto de mão. Ajutório na mão. Garantia de nada! Tem nada não, o seguro resolve tudo. Seguro? Sim, aquela prestação que se paga pra ter direito àquilo que se comprou. Uma espécie de acordo entre o bem e o proprietário para ficarem mais tempos juntos. Então se roubam o carro, o seguro segura a onda. Segura? Insegura relação. Reza a lenda que em muitos casos o proprietário implora pros moços, atuais sócios, darem cabo do produto de vez, porque assim o seguro assegura um auto novinho em folha. Do contrário, o seguro diz o quanto se vai pagar pra ter de volta o carro em condições de rodar. O sujeito está é bem lascado!

Mundo, você é mesmo bem doidão!

Por isso quero mais é cantar o Poetinha, quando diz que “é melhor ser alegre que ser triste, a alegria é a melhor coisa que existe, é assim como a luz no coração”... Cansei de pirar contigo, mundão! Não vou te deixar manchar minha coleção de alegrias, são minhas e preciosas. Estão seguramente guardadas no meu relicário de lembranças e nem ouse tentar estragá-las. Lembra daquele telefonema numa tarde qualquer e do outro lado da linha uma voz carioca lá de Niterói, falava quase em verso: “Dona Milene, me deu uma vontade imensa de ouvir sua voz”? Quer alegria mais encantadora? Ah, mundão insano, posso refrescar vossa memória enlouquecida contando daquela outra tarde qualquer, num outro telefonema, num sotaque diferente, que só queria compartilhar o que viam seus olhos naquele instante. E foi um relato tão lindo, vivo, real. Quase toquei o céu. Alcancei o horizonte. Senti o cheiro da verde vida... Eu estive realmente lá... E foi sublime. Você é mesmo maluco se acha que a saudade não é motivo de ser alegre. Não dá pra sentir uma saudade triste de alguém tão doce e amável como é aquela menina, a minha Ellen, cujo tempo nem tentou cometer a asneira de nos afastar, porque o elo é forte demais, bonito demais. Nos fizeram sobrinha e tia. Somos amigas. Fomos, por alegres e velozes dias, parceiras e molecas. Estivemos felizes. E por falar em saudades, domingo é bom na arte de fazer encontrar alegria. Sugere convidar o amigo pra sentar à mesa e quando se vê, todo o cardápio de riso e bem-querer está disposto, como se jamais tivesse se recolhido. E o tempo finge sequer ter caminhado, porque ali, naquela mesa, há um imensurável amor chamado AMIZADE.

Em tempos idos, nas minhas agendas escolares, uma frase do Poetinha Vinícius era presença constante: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”... Ah, até o meu respirar é clichê. Que arte mais alegre é encontrar... Quem dera a alegria do encontro fosse canção de todos os dias.

Ah, vamos cantar?


8 comentários:

  1. Sou desafinada pra te acompanhar na cantoria, mas sou parceira nesse pensar sadio do mundo insano, comungo dessa alegria quando reparto minha mesa, e a saudade, ah!...essa lindeza que a gente sente pq viveu bem e foi bom...tb a sinto como tu, Mi_nina que me enternece e sensibiliza com essa prosa gostosa, envolvente, amiga, simples e cheia do teu glamour único que ninguém ousa reproduzir, pq tu possui as palavras como ninguém é capaz - embora divida-as com a gente, numa generosa dose de humor e talento que aplaudo, em pé!

    AMEI! Vc se supera, enquanto nos abastece dessa fonte rica em sentimentalidades inigualáveis!
    Adorável escritora, beijos encantados desta tua fã confessa!!!!

    ResponderExcluir
  2. Voltei pra te dizer que nunca tinha posto os olhos em nada tão bem descrito sobre seguro de carro - ou de qq bem - como vc fez...um jogo delicioso de palavras à la Milene...cardápio exclusivo desta inquieta moça querida, que já é um acervo respeitável de belos escritos!

    Sem falar nos laços de tia/sobrinha...me vi ali, com parentes de alma, já que o sangue é aquele que passa pelo coração....lindo de viver!

    Pronto, falei!...rs
    Bjossss

    ResponderExcluir
  3. É aqui que a tristeza rima com beleza
    com saudade
    com amor...

    Beijos, Milene querida. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. só uma pessoinha q ja sentiu o lado B da vida....q ja esteve tão por um fio consegue ver flores ....e eu aqui sempre vejo flores em voce.

    gosto muito .

    namastê.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Milene!
    É por essas e outras que continuo amando seus posts!
    Abçs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  6. É minha amiga e me criticam por meu blog levar o nome de VIDA COMPLICADA. Vai dizer que não é! Esse mundo doido ainda nos deixa doido, vc vai ver! kkkkk
    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Oi Mi....
    Vc e danada..escreve muiiiiiiito bem!!!

    O mundo ta doidao....mas eu nao vou na dele nao....rsrs
    Vamos levando como da....e quando da...

    Haja terapia...

    beijinhos...meu carinho sempre Rosadinha!!

    ResponderExcluir
  8. Beleza de post, Mileninha!
    Eu mesmo só ouvi a tua voz em gravação, recitando uma poesia...
    Só esses caras de Niterói tem o privilégio de te ouvir ao vivo!
    Um dia destes, eu pego um vião desses danados e apareço aí, com a gota serena, fazendo zoada em cima da tua casa!
    Bjs!

    ResponderExcluir