sexta-feira, 27 de abril de 2012

MAIS DO MESMO




Engavetei o meu texto ultramegamaxipoético, não cumpri! Tá de castigo o sujeitinho podador dos meus quereres eruditos, porque sou bem má.

Bom, fosse eu uma garota má, não haveria recebido da Simone o singelo apelido de  “Pombinha”. Pombas são boas aves, simbolizam a paz e vários etecéteras. Gosto. Além do mais, me remete a uma coisa que eu acho muito simpática: as freiras. Elas não são coisas, pelamordeDeus, não quis insinuar isso. Eu apenas as acho parecidas, as pombas e as freiras, especialmente quando vestidas no hábito cinza. Gostava de observá-las caminhando aos pares, ligeirinhas, numa praça aqui na terrinha... Após relevantes observações deste nível, sempre recebia generosos beliscões da minha irmã, seguido de um nada sutil “sua herege”.

Talvez eu tenha descoberto a minha relevantíssma missão nessa vida. Vim ao mundo para ser a observadora-mor das redes sociais. São mesmo incríveis... E insanas. De tanto observá-las, percebo a urgência em procurar um profissional sossegador de mentes... dementes. Regina! Denise! Me acudam, pelo amor de São Luiz do Gonzaga, o Rei do Baião! Tenho percebido que sou de fato uma pessoa estranha e não sei como fazer para me adaptar. Certa vez postaram por lá, na rede social do momento, uma imagem com dizeres mais ou menos assim: “ESSA PESSOA AMA A MÃE. Se você também ama a sua mãe e não tem vergonha de dizer, compartilhe”. Gente do céu, como assim? Quem é o ignóbil que tem vergonha de gritar seu amor pela própria mãe??? Se a pessoa não praticar o compartilhamento em questão, odeia a progenitora? Céus! Entrei em profunda crise existencial, duvidando de tanto amor guardado em meu peito, pela melhor Dona Lourdes do mundo, a minha mãe.. Talvez eu até vá neste instante acordá-la e cantar, no estilo Roupa Nova de ser: “Mãe, eu te amo e vou gritar pra todo mundo ouvir”... Tenho salvação, não tenho?

Ah, é melhor confessar logo todos os meus crimes terríveis e tentar a sorte no banco dos réus virtuais. Sou forte. Eu não vi Matrix! Nunca acompanhei um capítulo inteiro do Chaves! Não sei quem foi o Mestre Yoda! Pikachu não é do meu tempo! Alguém pode me dizer quem é o Tazo? E a Tati Bernardi? Caio Fernando Abreu escreveu mesmo tudo que atribuem a ele?

Inundada por tantas inquietações, chego a duvidar do meu próprio eu interior. Quem sou? Por onde andei todo esse tempo que estive ausente dos assuntos realmente pertinentes? Me falta o léxico, preciso me reencontrar. Por que ESSA PESSOA (será que sou eu?) tem apenas a certeza de que ama verdadeiramente a sua mãe, mas não vai compartilhar por absoluta preguiça.

Vou ali. E “se alguém por mim perguntar, diga que eu só vou voltar, quando eu me encontrar”...

 Abençoadas sejam as pombas, as freiras e é claro, todas as mães desse mundão sem porteira, porque ESSA PESSOA (tô mesmo achando que sou eu) ama imensuravelmente a sua e gritará se preciso for. Gritar sem compartilhar, pode?


Beijos-vos!


12 comentários:

  1. Não se adapte, não se desvie de ti mesma, se inquiete e nos maravilhe, sempre!!!

    Agora...se o Caio não escreveu, fico eu a perguntar-me...quem foi que a mim convenceu?

    O reencontro Mi, acontece quando vc assim quiser, mas sem inquietações, nunca. Vc está no caminho, e nós te seguimos felizes, por essa estrada de traçado interessante....inquietante....para não, que eu quero cantar junto pra minha mãe...mãe, eu te amo e vou gritar pra todo mundo ouvir!!!

    Rodolfo curte tuas marcações, eu adoro os títulos...rs

    adorei te ler mais, pra falar do mesmo!!!

    Bjos da lôra cigana, recém camponesa dos sonhos....rsrs

    ResponderExcluir
  2. nada como uma belíssima crónica para começar o meu dia...
    estou cada vez mais desligado do FB por causa da tanta estupidez que pessoas acima de qualquer suspeita(de estupidez)são capazes de esparramar com a maior leveza...
    beijo

    ResponderExcluir
  3. Olá. Muito interesante seu texto, Srta. E muitas pessoas deixam de dizer o "eu te amo" as mães. Tem muita coisa aí que não entendo também! abraços

    ResponderExcluir
  4. Ola Milena,

    Redes sociais e os compromissos que nos atribuem em pequenas "babaquices", me perdoe a expressão, mas sentimento não se curte se sente e compartilha com quem ama em uma vida real, e em se tratando de mãe ufa...quantas verdades em sua crônica perfeita e bem traçada , se encontre minha amiga pois o seu encontro contigo é que te faz assim com pensamentos maravilhosos...adorei..

    Beijoss

    ResponderExcluir
  5. Essa Pessoa aqui, quer mandar um beijo pra minha minha mãe que ta no céu, amiguinha de um monte de freiras pois era católica, pro meu pai, tamém no céu, que espero ter se desviado da direita[era Arena](rs) e pra voce LeLe que é minha cronista querida , idolatrada, salve- salve, amém.



    [nem vem com este papinho de xau enrustido...ja estou inquieta esperando a próxima]


    Mi, eu adooro tu.

    beijobeijo

    ResponderExcluir
  6. Nossa, nossa... Assim vc me mata!
    Quase morri de rir! Dá RT nessa frase pra mim ta?

    kkkk

    Por favor nao acorde tua mão pra cantar pra ela kkkkkkkk

    Agora eu como uma boa NERD não creio que vc resistiu a MATRIX!!!!!

    Chaves eu odeio mas não conhecer o Mestre YODA é imperdoavel kkkkkkkk

    Ahhh o Picachu é um cruzamento de:
    Pintinho (amarelo)
    Ursinho (fofinho)
    Papagaio (ele fala)
    Acho que é isso...

    Agora de tudo que escreveu tb tenho a dúvida sobre Caio Fernando Abreu! Será mesmo que ele escreveu tudo aquilo?!

    Quase morri de rir com teu texto... bjos

    ResponderExcluir
  7. Olá, Milene!
    Com toda e absoluta certeza, não és uma menina má!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  8. Só beijos...

    pusquê também digo a Marizinha que só vô vortá quando eu me encontrá... rss

    Tatto

    ResponderExcluir
  9. Pombinha? POMBINHA?! POMBINHA???
    Nossa amiga Simone precisa urgentemente reavaliar seus conceitos ornitológicos. Suas crônicas parecem mais os mergulhos de um carcará durante a seca do que o voo pacífico de uma pomba após o Dilúvio.
    Aliás, se você quiser disfarçar-se de pomba da paz, pode pegar um dos meus ramos de oliveira. Tenho reserva.
    Mas não mergulhe sobre mim. Eu também te amo.
    Beijos, "pombinha".

    ResponderExcluir
  10. PS: Por favor, dê um beijo bem carinhoso na D. Lourdes, por mim. Diga a ela que eu a amo, também.

    ResponderExcluir
  11. Afinal, será você uma carcará disfarçada de pombinha? Kkkkk!
    Eu acho mesmo um saco quando recebo aquelas obrigações de repassar ou devolver mensagens singelas para provar que sou amigo de alguém!
    Outro dia eu respondi um e-mail dizendo:
    "Pô, você sabe muito bem que há anos eu sou seu amigo, e não é agora que vou precisar entulhar a rede para provar!
    Somos amigos desde bem antes de existirem e-mails!"
    Mas, pra variar, você rebentou!
    Adoro suas bronquinhas!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. "Tenho percebido que sou de fato uma pessoa estranha e não sei como fazer para me adaptar". São suas, mas também são minhas, essas palavras.
    Bom feriado.

    ResponderExcluir