sexta-feira, 13 de abril de 2012

OUTROS LUARES, TANTOS SENTIRES



Tinha luas que a sua sentimentalidade era muito mais do que o corpo podia suportar. Escapulia-lhe pelos poros e se agigantavam diante dela, sem nenhuma intenção de recuo. Achava tudo aquilo sem precisão de ser. Quando enluarava assim, os sentires desmedidos a assombravam e ela só queria correr pra longe, alcançar lua serena. Mas era ilusório o desejo de fuga, lhe pertenciam os quereres e sabia que cedo ou tarde eles praticariam da habitual transitoriedade, indo embora de dentro dela. Gostava quando eles partiam, só assim desfrutava de alguma sensatez. Nessa efemeridade parecia clara a condição livre dos sentimentos. Apenas estavam ali, mas não lhe pertenciam. Era inútil gritá-los aos moucos ouvidos alheios, na sua mania estranha de punir alma que fosse com seus alardes de afetuosidade... Fosse lua cheia, louca, transbordante; fosse minguante, reflexivo e quieto o luar, carecia aprender os cantares da noite para quando fizessem figuras vorazes as tolas sentimentalidades. Tinha luas em que bastavam os cantares sussurrados.




10 comentários:

  1. MilenA...

    Somente o dia do beijo pra te inspirar...
    Tinha que ser no dia 13 e numa sexta feira pra acabar de apaixonar... rss

    Beijo
    Tatto

    ResponderExcluir
  2. Senti-me sendo escrita
    e também, me senti, lendo-a.

    Parabéns! ( mais uma das suas tolices,né? Ahhh, como eu amo as suas coisas todas e tolas!)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. A Si roubou para si todas as palavras que escreveste; eu fico com as que deixaste escorregar pelas entrelinhas. Sabes, são apaixonantes...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Então decidiu que o percurso do Caos seguisse seu curso natural. E sorriu por muitas luas....

    `E naquela noite,
    uma estrela cavalgava
    entre as nuvens,
    e eu disse-lhe:
    Devora-me.`

    Virginia Woolf

    [e ela aceitou]

    beijao

    ResponderExcluir
  5. uau !!!
    esse voo é mágico, é pássaro sem pousar, voa em direcção ao sol e no limite se desvia...
    e de novo se atira para o fogo supremo
    e assim sucessivamente...
    beijo poetisa

    ResponderExcluir
  6. Olá, Milene!
    que venhma muitos outros luares!
    Bjs!
    Rike.

    ResponderExcluir
  7. A Si roubou toas as palavras pra si, Rodolfo ficou com todas as que escorregaram pelas entrelinhas...eu fico com esta tua efemeridade genial, neste lampejo cujo título já é de uma inquietante atenção...aguardo a próxima, e mais todas as outras que virão, em forma de palavras que só em ti eclodem assim, linda[ mente]...

    Bjos, Mi_nha querida!

    ResponderExcluir
  8. Meio enigmático para mim, com esses quereres que vem e tiram a sensatez, que só volta quando eles partem...
    Segredos que só se revelam ao luar...
    Mas, que letrinha bonita e regular!
    Nem no caderno de caligrafia eu escrevia assim, saía tudo torto, cada letra num tamanho!
    Até hoje escrevo com letra de imprensa!
    Abraços, Milene, e bom domingo!

    ResponderExcluir
  9. Com essa das luas... você sente profundamente no respirar da pele. Gostou desta? :)

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  10. Que lindo Mi, que profunda essa tua escrita. Vc tem todo um dom especial, até quando tá sem idéias é lindo e ler!
    Beijos!

    ResponderExcluir