sábado, 28 de julho de 2012

PALAVRAS DA NOITE QUE ADORMECE FRIA



Os filetes de pescada ao leite e lima, a cenoura em rodela finíssima, temperados com ervas da terra do meu amigo; arroz frito em alho e cebola moídos, com fiapos de cenoura... Servidíssima eu estaria se esse prato sedutor estivesse ao alcance do meu paladar. Foi preciso declinar o convite, embora quisesse ultrapassar a barreira da tela do computador a tempo de lhe fazer companhia. Absteve-se da promessa acerca do sucesso do prato, pois segundo ele, a cada tentativa à beira do fogão, receita e resultado nem sempre concordavam plenamente. “É o que faz passar a vida a inventar e não repetir”, falou-me.

Me pus a pensar nas palavras sábias do meu amigo. E não é que consiste aí um tanto da magia de se viver? Não há receita infalível, por mais minucioso que seja o mestre-cuca. Viver é todo o tempo um experimento e eu gosto disso. De nada adianta seguir à risca todos os ingredientes cuidadosamente separados, porque o bendito acaso se encarrega de aumentar a porção disso e aquilo outro também. Assim sendo, brindemos ao descompromisso! Mas não me traga um champanhe, está bem frio cá na capital do agreste alagoano. Um conhaque – ainda que me queime por dentro – cairia bem melhor.

Não é só no quesito filosofice o meu pouco talento em seguir receitas. A minha (pouca) prática na cozinha delata isso. Certa vez meu amigo – outro – veio para o almoço e me lancei quase linda e quase loira a lhe preparar uma massa colada e copiada da internet. Saltitei contente com a ideia de levar ao forno uma travessa bacaninha cuja maior particularidade era a massa crua. Afoguei a dita cuja no leite e fui-me! Os ninhos tão bonitinhos, sobrepostos sobre eles, queijo e presunto, além do molho que nem lembro como era. Visualmente ficou uma lindeza, mas à primeira garfada percebia-se que a metamorfose não havia se dado a contento. O bendito macarrão não se rendeu aos encantos do fogo e permaneceu cru. Ai de mim! O acaso, nesse dia, me deixou em maus lençóis. Meu amigo, solidário no meu desastre culinário, degustou os ninhos sem proferir reclamação que fosse, embora liberdade pra isso tenhamos em generosas porções. Misturados, macarrão, queijo, presunto e molho até que causaram uma alquimia... ruim, bem ruim. Desde esse dia tornei-me exímia psicopata de massas, antes de levá-las à quentura do forno.

Era pra ser mais pensadora essa postagem, mas acometeu-me a vontade de não seguir prévia indicação e fiz feito nas horas em que desejo atirar longe o despertador que me acorda ás seis da manhã para me dizer a hora do remédio. Oxente! Por que o tempo quer tempo pra tudo? Assim sendo, sem palavra mais a dizer quase nada, vou ali embaraçar o tempo, desinventar receita e cumprir à risca o meu descompromisso.

Uma dose generosa de conhaque e aconchego pra essa noite que adormece fria, por favor.


20 comentários:

  1. "Viver é todo o tempo um experimento" ...
    Nossas conclusões precipitam dores desnecessárias,pois seu amigo confessou em público que adorou a massa e nem se quer notou que estava crua.Veja,filosofando culinariamente - o que pode estar crú para alguns, pode estar ao ponto ou al dentes para outros.

    Para mim, um Vinho do Porto, por favor.

    ResponderExcluir
  2. Uma metáfora perfeita esta tua descompromissada crônica, Mi...a vida não nos serve receitas prontas e infalíveis, sequer promete que os testes sirvam além do couvert...o sabor nem sempre se acentua com especiarias e a fome, quase todos os dias, denuncia que come-se muito, mas alimenta-se pouco....

    Satisfeita pela lauta refeição, vou-me deixando um afago pela sobremesa e um beijo pelo cardápio que nutre!

    ResponderExcluir
  3. Bateria do note acabando e cama chamando. Na corrida para dizer um "Feliz Dia do Amigo" bem atrasado e que deu tempo de ler o post. ;)

    Bejus

    ResponderExcluir
  4. Quase linda e quase loira não é pouca modéstia, não. Nada sei quanto às massas, mas tuas receitas de letrinhas nunca se repetem e são sempre deliciosas. Massa!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. o nosso fabuloso intruso sr. acaso aparecendo de mansinho para estragar tudo...

    ResponderExcluir
  6. Oi Milene! Crônica muito legal! Fiquei pensando na minha vida na cozinha, não é lá muita coisa, mas depois que comecei a dieta tenho me visto uma mestre cuca de saladas kkkk
    bjsss e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  7. Prozas do acaso que nos remete a grandes inquietações e mistérios até mesmo na culinária, sem regras , sem compromissos, sem imposições, fazendo o que gosta, criando e se rendendo as delicias do querer.....

    Beijinhos Mim.....

    ResponderExcluir
  8. Uma crônica sem pretensões, mas que muito disse...
    Abraços e sempre meu carinho

    ResponderExcluir
  9. Oi, Milene, adorei ler sobre suas memórias. Você falando sobre o tempo, ah, esse tema me persegue. Quanto à massa, postei hoje uma receita de lasanha onde dou a dica: para massa crua cozinhar bem sem pré-cozimento, é preciso colocar bastante molho entre as camadas. Desse jeito não tem como errar. Tente passar molho antes de enrolar os ninhos...Depois você me conta. Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Existe um lugar onde tudo é possivel.
    Onde o amor é verdadeiro.
    Onde se acorda em paz…
    Onde as flores tem um cheiro especial…
    E os abraços vem acompanhados de muito amor.
    Este lugar é meu coraçäo…
    É neste lugar que eu guardo as pessoas que amo .
    E que nunca as esqueço.
    Sou feliz por você morar no meu coração.
    Com carinho e saudades desejo um abençoado final de semana.
    Beijos carinhosos,Evanir.

    ResponderExcluir
  11. Pois é, Milene, o tempo tem suas pegadinhas, mas podemos ser criativos, driblando as armadilhas dele e reinventando.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Olá Milene,

    Uma Crônica perfeita.Fiquei aqui a imaginar!Tempo sempre ele.
    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  13. Milene, um das minhas fantasias prediletas sempre foi a de ser um chef de cozinha!
    Mas, a sua amiga Bia Hain parece que já matou a charada, aí em cima...
    Não desanime, tente de novo!
    Mas, só uma dica: nunca faça um prato pela primeira vez quando for servir a convidados!
    Teste antes, fazendo uma porção menor para si mesma!
    Gostei demais da figura e da idéia do conhaque quentinho...
    Pena que aqui tem feito calor!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. Pois é....

    o bom mesmo é o inesperado mais esperado acontecer!

    [relógio parado...voltando aos poucos]


    beijo

    ResponderExcluir
  15. Olha, Milene, acho difícil que a sua postagem precise ser mais pensadora do que já foi. Adorei o texto, 100% sincero e franco. Beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  16. Pois é Milene, a vida realmente é uma aventura. As vezes planejamos algo e dá tudo errado. As vezes não planejamos nada e o acaso se encarrega da próxima peça. O segredo é levar uma vida simples e leve que pode ser levada com o vento, mas com intensidade inabalável.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Ohh sabes que adoro cozinhar. Faria isso sempre o que me irrita muito é lavar a maldita louça! Kkkkkk

    ResponderExcluir
  18. Ah que num tem receita messssmo...e nessas investidas culnárias dou-lhe as mãos rsrsrsrs Faremos uma alquimia daquelas! Só corre o risco de explodirmos a cozinha.
    Beijuuss, chef de cuisine de la vie, n.a

    ResponderExcluir
  19. MIamiga querida,

    Bem... à volta das massas ando eu e até gosto, mas essa é uma praia onde
    ainda não me sinto à vontade. Agora esses ditos filetes fizeram-me água na boca. É que o cheirinho parece pairar no ar que por aqui se respira.
    Sem dúvida que pegar no mesmo "prato" e reinventá-lo, pode dar na maior surpresa, mas vale a pena arriscar, é como em tudo na vida.
    E assim vamos que vamos experimentando, e já agora, um cálice de Brandy vinha a calhar.. tchim-tchim

    Beijos e kandandos a juntar as margens

    ResponderExcluir