terça-feira, 31 de julho de 2012

PREGUIÇA CIDADÃ


Está aí o pleito eleitoral e quem tiver o estômago mais forte que sobreviva às indigestas candidaturas. É claro, a máxima do “eu odeio política e vou anular meu voto” é atirar no próprio pé. Mas então, fazer o quê pra minimizar essa bagaceira obrigatória?

Meu irmão saltou ontem com um “bom seria se a todo mundo anulasse o voto, aí os caras aprenderiam”... E não é que a ideia é bem bacaninha? Não se trataria de alienação, agir como cidadãos inconscientes e todo o bla, bla, bla politicamente chato. Seria sim uma tentativa um tanto desesperada de dizer: CHEGA! JÁ DEU PRA VOCÊS, CAMBADA DE SANGUESSUGAS! Já pensou que loucura maravilhosa os caras atordoados sem saber o que fazer? Como mamariam nas tetas generosas do poder público, então? 

Utopia, eu sei. O caos se agigantaria, eu também sei. Mas é o meu sentimento desse instante, de repulsa, ânsia de vômito ao conferir as listas de candidatos e ver os velhos e mofados nomes, as mesmas raposas, astutas e profissionais. Há lugares em que a situação mais se assemelha a uma monarquia, porque pessoas se revezam no poder há tempos e os eleitores os endeusam, esquecendo de quem tem o verdadeiro poder. Eu jamais falaria que isso acontece na minha cidade, jamais. Me faz um favor, não me peça pra escolher o candidato menos ruim, pode ser? A impressão cada vez mais forte é de que “menos ruim” é um termo que não se adéqua a política brasileña. Ainda estou pensando no que farei com o meu voto, talvez eu o troque um saco de nêgo bom, um doce de banana açucarado que tem por essas bandas. Já provou?

Receio estar um tanto mais ácida que o normal, mas não tem outro jeito. Como você estaria se vivesse num país onde ser criminoso de gravata é sinal de esperteza e praticamente institucionalizado, e soubesse que por aí um sujeito amarga a cadeia por ter abandonado o serviço militar quando não era mais que um garoto? Então imagine a cena, vinte anos depois a polícia chegando à casa do homem lhe dando voz de prisão na frente dos filhos, por ter largado à mercê da própria sorte a pátria amada em perigo. Carlinhos Cachoeira? Mensalão aniversariante? Candidatos de ficha quase limpa? Isso é para os fracos, vamos lá catar o sujeito de altíssima periculosidade e enquadrá-lo como manda a lei nesse país de seriedade ímpar. Injustiças provocam chagas irreparáveis... Não provocam mais? Agora é tudo "normal"? Ah, para essa porcaria de nave que eu quero descer!

Parando aqui, vou tratar de criar o meu partido político, o PVN (Partido do Voto Nulo), objetivando conquistar os cinquenta por cento e mais um dos votos. Assim sendo, a política não terá outra alternativa a não ser renascer e vestir-se de honestidade até que algum esperto ofereça a primeira dentadura.

Entre cansaço, asco e indignação, recolho minhas letras por hoje.
Obrigada.

15 comentários:

  1. Estou vendendo o meu voto por R$ 1,99. Já tenho moedinhas para o troco.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Eu não acredito mais nessa política fanfarrona e nem na falácia dessas campanhas eleitorais e como ouvi dias desses, todo mundo que entra limpo na política, logo se suja, sempre tem um respingo de lama... Mas, acredito no poder do povo. Eu concordo com seu irmão, se todos anulassem os seus votos, se fizéssemos algo revelante com a nossa indignação, talvez,mudaríamos alguma coisa.Mas, como ja foi cantado - a nossa indignação é uma mosca sem asas, não ultrapassa a janela de nossas casas.
    Beijos, swetness!

    ResponderExcluir
  3. Eu já estou nesse partido a décadas, que entrem todos, que vire o caos!

    ResponderExcluir
  4. Leva o meu "voto" a R$ 1 REAUS e ainda dou desconto de 100% no MASTERCARD...

    ResponderExcluir
  5. Milene o pior é que para vencer a gente tem que amargar ouvindo os absurdos deles, depois que estão no poder, para nos "representar", simplesmente não podem nos receber e ouvir nossas reivindicações. Sempre me pergunto, que país é esse?!
    Adorei o texto!!!

    ResponderExcluir
  6. Mi na minha aula de direito constitucional isso é muito discutido, mas ainda acho impossível a concientizacao da maioria das pessoas para tal fato acontecer. Mas seria mágico ver o rebuliço! Kkkk

    ResponderExcluir
  7. Onde me filio nesse partido? Também sei, há tempos, que preguiça não adianta...mas é o que tenho no cardápio dos pecados!
    Beijuuss, pre-gui-ço-sos, n.a.

    ResponderExcluir
  8. Oi Milena,
    Realmente é um saco, você liga a tv e o que escuta nos noticiários? Desvio de dinheiro público, desvio de verbas de merendas, da saúde, corrupção, improbidade administrativa, caixa 2, Cachoeira... É possível resolver isso anulando nosso voto? Definitivamente não! A Constituição Federal legitima os "ditos" em seus direitos; ou seja, só é levado em conta os votos válidos, excluindo-se brancos e nulos. O problema maior da corrupção brasileira encontra-se na falta de edução de boa parte da população.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Milene. Não só entendo sua indignação como partilho dela. É realmente absurdo o patamar em que está a política do nosso pais. Até que a solução da anulação dos votos seria um caminho se fosse uma atitude em massa, mas como infelizmente não é, por ignorância ou porque muitos se vendem mesmo, o negócio é tentar por na peneira que é o menos pior e rezar. Rezar muito. Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Oi Mielene, como não ser ácida falando de política? Quase impossível. Não acho que todos político seja igual, mas acho que 95% são PODRES! A tática da anulação do voto dita por voc~e seria interessante, mas não me arrisco porque, infelizmente, tem uma massa que trata político como ídolo e vota e defende, independente da m* que ele tenha feito, portanto, eles acabariam vencendo com mais facilidade. A população é que deveria ser a responsável pela aprovação de leis punitivas aos políticos corruptos, mas como são eles mesmos os 'julgadores', é óbvio que sempre se absolverão e usarão leis brandas. Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Passando prá desejar uma ótima quarta!!!!

    ResponderExcluir
  12. Milene, estamos todos indignados com o poder nos dias de hoje. É uma coisa que corrói a humanidade.Podemos ver no Brasil por que aqui pode-se tudo, inclusive mostrar tudo. Mas é uma crise de identidade da raça humana. O poder fede no mundo todo. Como disse bem o caetano: Podres Poderes!
    A escolha antigamente seria no menos pior. Hoje, no que roube menos ou seja menos prepotente...

    ResponderExcluir
  13. Milene, eu moro num lugar que é pequeno, uma ilha. O atual prefeito distribuiu nao sei quantos cartazes para entopir todos os lugares visiveis.
    Ou seja, poluição visual. Eu poderia apontar algumas necessidades vitais, mas, francamente, se ele não fez nada antes, continuará sem fazer depois. Então, como está o restante da cidade?

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Já faço parte do PVN ha algum tempo. Mas somos poucos, e só isso não resolve. Infelizmente.

    Bejus

    ResponderExcluir