domingo, 5 de agosto de 2012

CIDADE DOS VELHOS AMORES




Recostada na cadeira envelhecida, a mulher reflete o silêncio da noite. As madrugadas de sábado parecem se esforçar para lhe oferecerem ainda mais ausência de som, de zumbido que seja, restando apenas a cadência estrondosa do seu respirar. Ela pensa que seria bom as estrelas terem canto. Ela pensa e ri.

Se posta à escrivaninha relendo cartas de velhos e esquecidos amores. O papel ganhou aspecto encardido, perdeu o perfume, o tempo gastou todo o sentido das palavras. É o passado a cidade dos velhos amores, embora ela os visite furtivamente em sua memória.

Enche outra vez o cálice de tinto e segue a leitura das histórias desencantadas. Enquanto lê, lembra-se de como havia sido bom sentir-se personagem daquelas linhas pautadas, repletas de dizeres efêmeros. A boniteza dos versos jamais lhes garantiu confirmação de verdade, mas eles desenhavam uma ilusão bonita. Ela lembra e ri.

A madrugada segue entre preguiça e quietude. Ela observa o cálice vazio sem mais vontade de preenchê-lo com o tinto suave. Sob a luz do abajur, espia a própria sentimentalidade e desiste de insinuar blindagem acerca das zombarias do amor. Sujeito galhofeiro e cheio de artimanhas, decerto estará de tocaia numa esquina qualquer de um futuro longínquo ou não tão distante a fim de lhe oferecer promessas de pouca valia. Ela espia e ri. 


17 comentários:

  1. Eu li e ri...
    é tanta beleza! Começando pelo título, depois a imagem e todas essas letras, ri e suspirei.
    Beijos e sorrisos!

    ResponderExcluir
  2. Que lindo,Milene!! E certamente ele está de tocaia, espreitando...LINDO! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Eu espiei e ri... tanta lindeza minha Mi_nina...tanta!
    Beijuuss domingueiros n.a.

    ResponderExcluir
  4. Ela lembra e ri, porque fez parte integrante e o que é lembrado à distância tem um colorido que o papel encardido já não detém.
    Ela espia e ri do que há, ou se prepara para acontecer, agora, amanhã, depois, esteja a taça vazia ou não, está algo por se viver e quer fazer parte em vez de ficar como mera expectadora. A mais valia é acontecer, viver, realizar, por mais difícil que seja cumprirem-se as promessas. E mais tarde voltar a lembrar e rir... Espiar e rir!

    Beijo e kandandos a atravessar tanto mar para ti Miamiga do coração.

    ResponderExcluir
  5. adorei ver você falando dessa aí, saudosa e acreditando pouco no que vem,ao menos bebia um bom vinho...
    beijo Milene

    ResponderExcluir
  6. Torço pelo saltedor
    Para que haja mais tardes
    Para que haja mais risos
    Para que haja mais vinhos
    E mais escritos assim...
    Boa sorte na tocaia!

    Beijão, Miminha.

    ResponderExcluir
  7. Ui, tudo já se disse, Milene. Seu instantâneo da vida é mesmo agradável de ler, porque a reflete com a fidelidade possível à prosa poética. Satisfeito como leitor, despeço-me agregando os meus a todos os merecidos cumprimentos de até aqui.

    ResponderExcluir
  8. Que bonito, Milene. Um silêncio da noite somado a uma madrugada de sábado e um vinho... Pensamentos e lembranças acabam sendo inevitáveis. O título é tão lindo quando o texto. Beijosss!

    ResponderExcluir
  9. E o que são as promessas né! A noite de sábado pode cortar com poesias e também fazer sorrir!

    ResponderExcluir
  10. Ora ( direis ) ouvir estrelas!
    Certo, perdeste o senso!
    E eu vos direi, no entanto
    Que, para ouví-las,
    muitas vezes desperto
    E abro as janelas, pálido de espanto

    E conversamos toda a noite,
    enquanto a Via-Láctea, como um pálio aberto,
    Cintila.
    E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
    Inda as procuro pelo céu deserto.

    Direis agora: "Tresloucado amigo!
    Que conversas com elas?
    Que sentido tem o que dizem,
    quando estão contigo? "

    E eu vos direi:
    "Amai para entendê-las!
    Pois só quem ama pode ter ouvido
    Capaz de ouvir e e de entender estrelas
    Olavo Bilac



    " Ela pensa que seria bom as estrelas terem canto."


    (que o riso seja de amor, sempre!)


    adoro muito, tu.

    ResponderExcluir
  11. Ah, de crônica agradavel de lermos. Suave, doce, harmoniosa.
    Amei
    CONVITE

    Passei por aqui, para lê o seu blogue.



    Admirável. Harmonioso. Eu também estou montando um. Não tem as Cores e as Nuances do Vosso. Mas, confesso que é uma página, assim, meia que eclética. Hum... bem simples, quase Simplória. E outra vez lhe afirmo. Uma página autentica e independente. Estou lhe convidando a Visitar-me, e se possível Seguirmos juntos por Eles. Certamente estarei lá esperando por você, com o meu chapeuzinho em mãos ou na cabeça.
    Insisto que vá Visitar-me, afinal, o que vale são os elos dos sorrisos.

    www.josemariacosta.com

    ResponderExcluir
  12. Seu texto preencheu o cálice do meu dia.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. O que dizer de seu texto poetiza? Fragmentos de romances com mesclas de saudades e solidão, de amores inebriados pelo decorrer do tempo.

    Bom de ler.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Que gostoso ler teus textos. Esse em especial viu... guardei nos favoritos.
    Beijos sua escritora dabada de boa!!!

    ResponderExcluir
  15. Mei de coração a sua crônica. Hum, voltei cá, para dizer que estou seguindo o seu blogue.
    Felicidades, pra voce. Sempre

    ResponderExcluir
  16. http://mattax-mattax.blogspot.it/

    ciao matteo

    ResponderExcluir