sexta-feira, 31 de agosto de 2012

SOBRA SAUDADE ALEGRE

A noite de ontem trouxe meu pai no meu sonho. Gosto quando ele vem, porque é como se os nossos pensamentos de alguma forma se encontrassem. E quem já partiu tem algum tipo de pensamento? Sei lá! A bem da verdade esses questionamentos existenciais, espirituais e não sei o quê mais, estão pra além da minha vontade a essa hora.

O certo é que ele estava no meu pedaço de sonho, porque eu nunca tenho uma história inteira sonhada, são sempre fragmentos a me deixarem variados tipos de sensações. Outra vez ele nada dizia, apenas sorria e eu me postava por trás da sua cadeira, naquela mesa rústica, e o beijava a cabeça. O cheiro bom do meu pai. Um aroma tão grande de saudade que me fez sentir como se jamais houvesse ido embora. Dessa saudade eu gosto porque ela não dói mais, é lembrança alegre, feito a que sempre elevamos quando estamos a conversar e a todo instante alguém lança um “Seu Luís se tivesse aqui faria isso e aquilo”.

O certo é que meu pedaço de sonho me trouxe meu pai e quando ele está por perto eu sempre me sinto segura, como era quando viajávamos pra capital e no ônibus ele me contava as histórias das cidades pelas quais passávamos. Havia o mundo inteiro naquela mente cuja formação era de uma quarta série inacabada. Vez ou outra meu tio, irmão mais novo da minha mãe, me diz que conheceu poucas pessoas tão “sabidas” como ele, com tão pouca coisa no currículo escolar.

Já lhes falei como foi escolhido o meu nomezinho meigo? Então, estava lá o moço, camelô de poucas letras, vendo um filme francês. Então nos caracteres havia uma coadjuvante desimportante qualquer cujo nome era Milene sei lá das quantas. Eis-me aqui, e por absoluta existência poética desse homem, até que gosto da sonoridade do meu chamado. Ele se orgulhava que os nomes mais bonitos dos filhotes havia sido sua escolha e se por lá tinha nome sem muito bom gosto, a culpa era da mãe. Vaidoso que só o homem que amava música, perfumes (baratos) e pessoas.

Talvez ele tenha me visitado em sonho porque daqui a alguns dias sua partida faz aniversário. Penso nisso sem choro, lembro com bastante alegria, que se mistura com a saudade e provoca dentro de mim um sentimento bacaninha. Penso que talvez agora eu falasse: “Tudo bem pai, o senhor esteve certo na maioria das vezes em que gritamos nossas verdades, mas de vez em quando a certeza foi minha e o senhor nunca admitiria, né? Quer saber? Que bom que se impôs e me obrigou a fazer (ou deixar de fazer) muita coisa, usando apenas o sagrado direito de ser pai... Fez o que considerava melhor pra mim e pronto!”

Espero que ele visite os meus sonhos e sorria pra mim qualquer dessas noites descombinadas. 





23 comentários:

  1. Lindo Milene, sempre que vc escreve algo sobre seu pai me dá um sentimento tão diferente, é como uma saudade do que não vi nem vivi.
    Que outros sonhos com cheiro de saudade e gosto de carinho aconteçam.
    bjos Rubro Negros (os seus favoritos, rsrs)

    ResponderExcluir
  2. Tão bom quando sonhamos assim. E bom é que apesar das saudades, conseguimos lembrar tantas coisas deles...beijos,lindo fds!chica

    ResponderExcluir
  3. Os sonhos assim são excelentes:)! E quando bem escritos, óptimos!
    Bjo

    ResponderExcluir
  4. Me comovi aqui. Que bonito, e mais bonito ainda é a sua postura diante da saudade e da perda de alguém importante como seu pai. Eu penso que é exatamente assim que deve ser, mas para alguns não é assim tão fácil eu sei. Quero um dia poder ter esse mesmo entendimento, por isso vou aproveitar bem os momentos ao lado de minha mãezinha rs.

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. lindo e comovente post. sempre são bons estes sonhos, porque de alguma forma a gente mata a saudade...
    beijos

    ResponderExcluir
  6. O último parágrafo já me pegou engasgada...vc me emociona, Mi...lindo demais, ainda que eu me repita aqui!!

    Bjos, moça querida e talentosa!!

    ResponderExcluir
  7. Milene, meu pai se foi em 2004 e lamento que raramente consiga lembrar dos meus sonhos. Queria sempre sonhar com ele. Que bacana esse 'surgimento' do seu nome. Então foi assim, é? Beijos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  8. " por que eu nunca tenho uma história inteira sonhada" Agora vejo em partes, mas então verei face a face, abraços

    ResponderExcluir
  9. Olá Milene,
    Que bons sonhos se repitam sempre!
    Meu pai consegui estudar até a terceira série primária. Certamente não aprendeu concordância verbal, regras dos porquês, equações matemáticas... Mas, sua sabedoria, hombridade e caráter nos foi muito bem repassado, e isso a gente não aprende em bancos escolares.
    Acredito que seu paizão também foi um homem assim.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Esse tipo de saudade é boa de se sentir. É quando alguém querido, que já se libertou dos grilhões do tempo e do espaço, nos visita em nossa cela, só porque nos ama com um amor que não mais reconhece distâncias ou calendários.

    Beijos, Miminha.

    ResponderExcluir
  11. Gostava de poder sentir essa saudade alegre. Ainda, muitos dias, tenho é dor! Mas sinto que hoje ela já é daquelas mais calmas. Não vou fazer dela cronicidade e enquanto uma crise aguda já faz parte do passado. Sigo tb com esses encontros raros que quando acordo, a 1ª reação, é um xingatório só! Depois vem a alegria...e fico instantaneamente rindo sozinha. Lindeza de lembrança Mi...lindeza!
    Beijuuss n.a.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Milene, que relato emocionante. O que mais gostei no seu post foi passar a ideia de quem tem uma alma tão linda e grande a ponto de entender e receber a visita do seu pai já sem a dor da partida, mas com a alegria da presença. É lindo olhar para trás e reconhecer que o que os pais fizeram foram para o nosso bem e tenho certeza que o seu sabe do seu reconhecimento, ainda que já tenha partido. Um abraço!

    ResponderExcluir
  13. Além da saudade enorme dele, vc escreve com o coração e aqui estou chorando de emoção, saudade e alegria, é uma mistura de sentimentos. Gostaría muito de sonhar com ele para ao menos em sonho poder ve-lo novamente, pois em mim a saudade dói muito ainda. Ele foi um grande homem, um grande pai!

    ResponderExcluir
  14. Temos as mesmas saudades, né? E, sabemos que mais que "perder", tivemos. Obtivemos lembranças poéticas, amorosas em entrelinhas de "eu te amo"

    ResponderExcluir
  15. Milene que lindo!
    Acredito que esses sonhos nos levam em encontros que desejamos muito. Que podemos sentir perto que está longe! Que bom que seu pai veio!
    Parabéns pelo texto, lindo! bjsss

    ResponderExcluir
  16. Ahh reconfortada estou.

    (gente como a gente consegue fazer isso)


    Beijo

    ResponderExcluir
  17. Milene..admiro muito como voce escreve. Sinto como se estivesse ouvindo mesmo vc contar.
    Quanto ao sonho é um jeito de se matar a saudade!
    Um beiijo..fo=ica bem e boa semana!!!

    ResponderExcluir
  18. Esses sonhos são reconfortantes...
    Você citou uma coisa que eu tenho saudade: a sensação de segurança que eu sentia quando criança, com a minha família.
    Hoje, só me sinto assim nos sonhos...
    Aposto que o nome da atriz que inspirou seu pai foi a francesa Mylene Demongeot. Aliás, muito bonita!
    Não sei se era tão talentosa como você...(duvido!)
    Beijos, Milene!

    ResponderExcluir
  19. Também sinto saudades alegres do meu velho pai.Só que em sonhos ele nunca me visitou. Gostaria que isso um dia acontecesse. Ando com uns problemas por isso tenho estado um pouco afastado,mas estava com saudades do seu lugar.

    ResponderExcluir
  20. Ave Maria. Quase não li até o fim.
    Não. Não sei viver em um mundo onde meu pai nao exista. Nao sei ainda. Nao quero pensar nisso ainda....

    ResponderExcluir
  21. Milene,
    saudade e reencontro é maravilhoso, mais ainda quando se trata de encontro de não sei que grau....
    sei do que você tá falando,sua escrita acorda a sentimentalidade, como você diz...
    beijo

    ResponderExcluir
  22. Oi moça. Tudo blz? Muito legal aqui. As vezes tambem sonho com meu pai e outros parentes. Apareça por la. Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Oi Mi

    esses amores que plantam alegrias em nós, quando partem elas continuam a florescer porque eles cuidaram bem do canteiro.

    Também me sinto assim como você, nenhuma dor, só saudade e alegria por te-lo vivendo em mim.

    Um beijo grande

    ResponderExcluir