terça-feira, 16 de outubro de 2012

ASSIM...



Bem vindos a mais um capítulo da série “tem coisas que só acontecem comigo”. Estava eu na tarde de ontem, curtindo o meu sagrado momento de ócio, que durou o dia todo porque era feriado. Lá pelo final da tarde descobri um filme que mesmo não parecendo tão interessante, me pus a ver. O nome? Não lembro... Um moço viajava a cavalo com um escravo, para terras aonde o pai dele havia morrido e ficado com fama de covarde. O moço foi enfrentar os bárbaros para recuperar uma águia em ouro, recuperando assim, a honra do pai morto. Moço meio bobo... Deixasse pra lá a águia, mas enfim...

Já passava das cinco horas quando ouço vindo da calçada: “moça, eu sou da empresa Fulano de Tal, a senhora poderia me ouvir um pouquinho?”... Fui lá com toda a má vontade desse mundo, abri a porta e a dita cuja adentrou o recinto.

- Se eu soubesse que a senhora era ASSIM, não teria dado trabalho.
- Que é isso, eu consigo dar uns passos de vez em quando.
- Mas a senhora não é casada não, né? – Perguntou com cara aflitíssima, com medo de uma resposta positiva.
- Não.
- Mas a senhora não estudou não, né?
- O que te faz pensar que eu não estudei?
- ASSIM, eu pergunto porque, ASSIM, tem muita gente que é “bom” e não se dedica em nada e a senhora é ASSiM e teve força de vontade.
- Não estudei o quanto devia, mas sei ler e soletrar. Preciso disso pro meu trabalho.
- A senhora trabalha??? – nesse momento  pensei que precisaria socorrer a doida.
- Sim.
- Eu digo ASSIM porque tem muita gente preguiçoso, né? Aqui em Alagoas tem muita gente preguiçoso, diga que não tem.
- Oi?
- ASSIM...
- Olhe, ASSIM digo eu. Nâo estou interessada na sua equipe médica milagrosa, em forma de compêndio. Era só isso?
- Que filme é esse?

Talvez para descansar do peso da mochila gigantesca. Talvez para conferir se eu era de falto alfabetizada, a mocinha meio doida permaneceu repousando no meu sofá até o final do filme. Titia, por sua vez, observava lá do quintal e pensava se tratar de alguma amiga minha. Escandalizou-se quando depois eu contei não saber de quem se tratava. Tio Zeca, curioso que só, entrou em casa e se pôs a observá-la em silêncio e quando ela já estava na calçada pra ir embora, deu pra perceber que ele fazia um pequeno interrogatório. A essa hora deve saber até o nome dos tetravós da moça (me empolguei com a postagem genealógica de Rodolfo). Sobre o Tio Zeca, aliás, quando da possibilidade dos meus virtuais amores virem me visitar aqui na cidade (o que acabou acontecendo em Maceió), minha prima Cida disse assim:

- Quero saber como você vai explicar ao Tio Zeca que esse povo saiu de dentro do computador.

Mas que seria massa ouvi-lo explicando a Rodolfo de quando chegou das roças do Junqueiro em mil novecentos e sessenta e poucos, incluindo a hora exata a subir na carroça de burro e seguir viagem com o meu avô, rumo ao total desconhecido, isso seria. E se perguntar algo referente a data para ele, prepare-se para um minucioso relatório verbal, porque ele conta tudo nos mínimos detalhes, é capaz de lembrar a cor da cuequinha de murim que possivelmente usasse há mais de meio século, só pra provar boa lembrança.

Pra finalizar a postagem sobre o quase nada, recorro às gotas de lirismo da Margoh Werneck, que é dessas que adora os pequenos frascos transbordantes dos perfumes mais valiosos:


“Têm dias com gosto esquisito,
gosto de véspera,
gosto de nunca.

-benditos os dias com gosto de antes –“


E fim... ASSIM.


16 comentários:

  1. Essa guria sentou no seu sofá para descansar mesmo do peso da burrice que carrega dentro do cranio,ahaahaha
    seu tio Zeca deve ter chegado a conclusão após a entrevista de que no caso dela deitaram fora o bebe e criaram a placenta,que boçal !!!
    benditos todos os dias minha querida
    beijo milene

    ResponderExcluir
  2. Olha...esta criatura merecia um arsênico
    no café...

    Bem que adoraria ter visto tua cara ...apesar
    de tu colocar a graça em tio zé.

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Ola, Milene, essa criaturinha de Deus, meio ASSIM-ASSIM, não soube o que estava fazendo aí; aliás, ela ainda não sabe. Tem pessoas ASSIM, que não caminham, titubeiam aqui e ali, você me entende, Milene? Aliás, ASSIM por dizer, você sabe mesmo ler as letrinhas, né, Milene?! Porque você sabe, né, ASSIM, tem muita gente que não compreende as letrinhas; essa tua 'amiga' de sofá também não... ela não entende as letrinhas do que a vida manda fazer. Fiquei foi com peninha dela, tadinha; mas uma dó ASSIM-ASSIM, sabe?... rs
    Milene, adorei a tua história que resultou numa bela crônica. Obrigado por dividir com a gente o momento pitoresco e parabéns pela bela narrativa!
    Abraços. Daniel.

    ResponderExcluir
  4. Rssss....Muito legal e tantas vezes acontecem essas coisas que não acreditamos!rs beijos,chica

    ResponderExcluir
  5. :))
    Milene,
    Ao menos o mocinho recuperou a águia? :))

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  6. Milene, não conheço esse filme, mas sobre o que ocorreu com você, foi um risco. Não abro a porta pra qualquer um, porque nunca se sabe o que pode acontecer nos dias de hoje. Nesse caso era só um mala sem alça mesmo. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. É... tem gente que é assim.
    Moça, bebi tudo de um gole.
    Beijos assim, assim.

    ResponderExcluir
  8. Ninguém merece, em plena tarde de feriado, assistindo a um filme, e de repente aparece um personagem que não tem nada a ver com a história. Eu não abriria a porta de jeito nenhum, muito menos se fosse uma pessoa estranha.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Milene, esse sim foi um feriado e tanto viu? kkkkkk
    Muito bacana como você consegue transformar o cotidiano em textos tão legais, parabéns! bjssssss

    ResponderExcluir
  10. Meu! Como vc deixa alguém entrar na tua casa assim? Aqui em São Paulo é pedir pra ser assalvado isso! Kkkkkkk
    Nem imagino como seria viver assim de boa! Kkkk vc é doidinha!

    ResponderExcluir
  11. Assim, dei boas risadas. Vc não existe, se sou ponho os cachorros para atendê-la, apesar q eu sou pior do q os cães, eles só latem, eu já mordo...kkkkkk. Bkos.

    ResponderExcluir
  12. Mas, bem folgadinha essa visitante, hein?
    Além de achar que algum problema obriga alguém a ser analfa e solitária, ainda se instala na poltrona para sssistir um filme sem ser convidada!
    Mas, acredito que em Arapiraca as pessoas não sejam tão desconfiadas como aqui nas megalópolis do sudeste! Tem gente que não deixa entrar nem o agente que combate a dengue!
    Mas, o que importa é que mais uma vez, do cotidiano brotou uma crônica deliciosa e bem-humorada!
    Beijos, Milene!

    ResponderExcluir
  13. Pronto...ASSIM vc nos presenteou com mais um texto gostoso...mas, aqui pra nós...queria ver tua cara tendo essa moça na tua sala...queria, sim...rsrsrs

    Beijos, moça generosa...é ASSIM que você é!!!

    ResponderExcluir
  14. Acho o inesperado realmente delicioso, ele é capaz de transformar uma tarde apática em um momento realmente interessante, pelo menos foi pra mim ao ler o seu texto. Acho que esse é o legal da vida ela realmente nos surpreende claro que nem sempre são surpresas boas por isso devemos sempre manter os olhos abertos, principalmente quando estranhos adentram nossa casa, mais foi muito divertido o texto.

    ResponderExcluir
  15. .


    Adorei essa maneira simples
    e bonita da sua narrativa.
    Gosto quando alguém me con-
    ta um filme, um capítulo da
    novela ou afins.

    Um beijão.

    silvioafonso







    .

    ResponderExcluir
  16. Bem, pelo menos rendeu um baita post. E algumas risadas por aqui ;)

    Bejus

    ResponderExcluir