domingo, 23 de dezembro de 2012

ALÉM DO QUE SE VÊ AO PÉ DA ÁRVORE



E cadê o mundo que nem se acabou? Acho que foi pura preguiça... O mundo, fosse um ser só, seria provavelmente meu parente, porque é preguiçoso demais.

Mas, cá com os nossos botões pensantes, porque haveria o mundo de se aperrear num acabamento apressado, se os seus habitantes, aqueles de inteligência ímpar, já o vem fazendo gradativamente e com muito esmero?

Amanhã já é véspera de Natal, não vou gastar palavras em postagem borocoxô, dizendo das feias verdades mundanas. Quero isso não! É preciso dar uma trégua nessa espécie de visualização da realidade e por momentos que sejam e apenas abusar da alegria. Eu decidi que quero estar alegre e bem tenho motivos pra isso. Um deles eu lhes conto: Lembram do menininho, o Leonardo, que num repente se viu tomado por uma malvada leucemia? Pois é, meses se passaram de tratamento duro e o menino é livre outra vez. E nessas horas até parece que Papai Noel de fato existe e trouxe a ele e sua família o mais valioso dos presentes.

Que Papai Noel que nada! Garrei um ódio nesse cabra mercenário. Quando li a postagem do Rike então, quis bem puxar minha peixeira cibernética, mas me lembrei do espírito natalino pairando sobre os céus iluminados, então recobrei o bom senso. O Rike contou que viu num shopping lá no Rio de Janeiro um garotinho que veria o velhinho falseta pela primeira vez. E o menino não se contentava de ansiedade, os olhinhos do futuro brilhando, e etecéteras. Então, para sua primeira frustração, o cabra estava almoçando (nem sem se assou uma das henas, porque Papai Noel do terceiro mundo se vira como pode) e o menino pôs-se a esperar até que o esfomeado voltou para enfim dá-se o encantamento. Beijo compartilhado, cartinha entregue... E que era encanto desfez-se rapidamente quando a mãe não teve dezenove reais para pagar a foto tão desejada pelo menino nos braços do bom (?) velhinho. Dizer mais o quê, a não ser da vontade de arrancar as barbas brancas e artificiais desse instrumento máximo do consumo? Filhodeumaéguanatalina!

De tudo lido sobre o Natal, porque se lê exaustivamente, a coisa mais bacana eu vi lá no blog da Van. Um texto massa, mas eu curti à beça uma frase em especial e a trouxe pra cá, com a devida autorização da moça: “Não vou a lojas, vou a casas; encontro pessoas, não ofertas; preparo carinhos, não pacotes. (...) Meu Natal tornou-se mais leve, mais livre e muito mais prazeroso”.

Eu vos desejo muita leveza de alma, absoluto descompromisso com os robotizados ritos natalinos e apenas a vivência do que for amorosidade e prazer de estar. Beber com os amigos um champanhe barato; ter ao alcance dos olhos e abraços aquela família meio doida, a qual não se sabe ser sem ela; saciar fomes e sedes de carinho, afeto e presença... ainda que se tente mudar o movimento das coisas de dentro da gente, ainda que se esforce pra desmerecer as sentimentalidades em nome da praticidade e urgência dessa vida pouco sentida... ainda assim, há sempre brecha pra se viver pedaços de alegria. Eu tenho um bocado deles. Eu quero um bocado deles e bem mais motivos de espiar pro céu e dizer assim: Poxa, bem bacana isso tudo, obrigada!

Me despeço com um trechinho do Paulinho da Viola, que diz: “meu coração tem mania de amor e amor não é fácil de achar”... Além do meu querer, amar é minha condição estar viva.

Um Natal de verdade a todos que generosamente deitarem os olhos neste texto que nem sabe direito porque veio.

Intés!


14 comentários:

  1. Milene,
    Cultivo essa sua preguiça como coisa preciosa. Obrigado.

    Feliz Natal, minha querida amiga!

    ResponderExcluir
  2. Queridaaaa!
    Um Natal gostoso pra ti! Cheio de amor, beijos e abraços!!
    E que 2013 seja mais recheado de coisas boas. Que você tenha ânimo, força e coragem para fazer do seu ano um ano fantástico!!!

    Bejus

    ResponderExcluir
  3. Texto maravilhoso, perfeito...sempre parabéns, adorei !!
    você fez eu olhar este periodo mais relaxado, em paz...
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Hehehehehehehehehehehe Mí, vc escreve brincando.. Isso é maravilhoso! Parabens!

    ResponderExcluir
  5. Dezenove pratas? Tá na oferta! Antigamente o preço era trinta dinheiros...

    FELIZ NATAL DE VERDADE, MI! Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Milene, eu deitei meus olhos no seu texto e gostei como sempre. O mundo não acabou e você imagina como será na copa? Bem, te desejo um Natal cheio de alegrias e paz para você e seus familiares. Sem pacotes, mas com pessoas e carinho. Ok, com uns pacotinhos também, vai, não faz mal a ninguém... Beijão.

    ResponderExcluir
  7. gosto pra sempre de te ler. seu azedume adocicado anima os olhos a continuar. também acho que a gente precisa mesmo é de mais amor e doar é uma pratica que requer desapego.o olhar volta-se para o outro e não para sim mesmo. as pessoas que tem facilidade de doar amor alegram-se duplamente. sentem alegria pelo ato de presentear e também por ver a alegria de quem recebe. acho q o Natal assim é mais intenso e verdadeiro.

    beijo

    ResponderExcluir
  8. Não sabe pq vim? (Rê)conto então...pq amocê dimaisss da conta sÔ! Não pq seja natal, e esse espírito baixa em quase todos (só mesmo nesse papai noel do Rike é que não baixou, mas pq é assim e isso me basta. Tenho vontade, não é de hj, de estar aí com vc e sua família - meio doida - num natal. Sei que aceitariam, de braços abertos e abraços apertados, essa adulta abandonada (sem filhos, documentos ou qq outra coisa)sem se fazer valer desse espírito baixado somente no natal. Um dia quem sabe, né minha Mi_nina?! Por hoje, mando daqui, meu desejo de um natal alegre, feliz e que possa olhar lá prá cima e dizer sim: obriagada!!! Procê e pra toda essa família meio doida.
    Beijuuss Mi_nina amaaada, beijuuss

    ResponderExcluir
  9. Onde se lê baixou...fecha parêntese, ok?! e segue: mas pq é assim que SINTO e isso me basta!

    ResponderExcluir
  10. Ainda bem que passei por aqui, eita moça que escreve fácil viu!... Vim desejar um Feliz Natal! Beliscar um pernilzinho por aqui (no bom sentido), deixar essa farofinha com carne seca e uma garrafa de Cereser... Vou indo já, boas festas!

    ResponderExcluir
  11. Comi vc pode jogar com as palavras dessa forma? Que gostoso que é te ler! Beijo enorme!

    ResponderExcluir
  12. Mi

    Tudo que você diz tem gosto de leveza, a vida descrita em suas letras é bem humorada, quase uma brincadeira. Que bonito isso de brincar com as palavras e nos brindar com esses textos deliciosos.

    Minhas palavras aqui ficaram mais vibrantes, muito honrada por estar aí no seu texto.

    Beijão, Mi

    ResponderExcluir
  13. O Natal passou, mas quem disse que esse clima de fraternidade deve durar apenas um dia? Temos muitos presentes gratuitos, na beleza que nos propicia a natureza. Temos muito a ofertar, diante da carência que assola os seres humanos, principalmente de atenção e afeto. Não precisamos de Papai Noel para confraternizações, para manter a amizade louvável, para tentar viver em harmonia. Bjs.

    ResponderExcluir

  14. Olá querida,

    Paguei mais barato pela foto dos meus sobrinhos com o "filhodeumaéguanatalina!" (R$ l5,00)- rsrsrsrsrs.

    Tivemos um natal de verdade e alegre, somente em família. Um aconchego delicioso. Claro que teve uns pacotinhos...não poderia faltar, pois amo ver os sorrisos felizes dos presenteados.

    Espero que o seu Natal tenha sido abençoado e maravilhoso.

    Beijão.

    ResponderExcluir