segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

ADORMECERAM OS SONHOS




Encontrei por aí um menino que escreve numa boniteza só, 
e levei-o pro Relicário... Vai lá?


Ontem foi verdadeiramente um dia a causar estranheza. Era coisa que se via nos filmes e de repente um cisco de fogo transformou em caos e dor em dosagens cruéis de realidade. Lamento. Choro. Sono eterno de tantos jovens que apenas começavam a descobrir seus caminhos. Num breve amanhã isso será apenas manchete de TV e internet. Num breve tempo os alvarás continuarão a ser detalhes insignificantes e os seguranças ganharão o ônus de vilões quando provavelmente só estarão cumprindo ordens, embora isso não minimize os seus feitos. E assim a vida caminha estranha, trôpega, interesseira, até que um próximo acidente por culpa de quem nem se sabe, adormeça para sempre outros sonhos.

A presidente (enta-enta-enta) imediatamente desembarcou em Santa Maria. Mas, pra fazer o que mesmo? Tipo ser voluntária? Abraçar as mais de duzentas e trinta famílias? Prometer que de ontem por diante todas as bodegas desse Brasil sem porteira e sem vigia, as fiscalizações serão levadas à risca? Poupem-me de toda a hipocrisia que há no mundo. A pohha da lei é feita pra ser cumprida mas aqui nessa terra de ninguém isso não funciona. Por que os caras vão lá e pagam um negocinho em tudo que é canto pra se minimizar a burocracia. E tudo fica a contento de quem só quer lucrar. E quem vai pra se divertir pouco-se-me-dá-pouco-se-me-deu com besteira de licença pra isso e aquilo, porque tudo estará sempre sob controle, até que se descontrole irremediavelmente.

Eu quero mudar o rumo dessa prosa. Bora? Falemos de amenidades, porque de bestialidade o mundão está transbordando. Hoje eu provoquei em mim uma absurda inquietação reflexiva, a ser capaz de revirar Sócrates, Platão, Aristóteles e mais duas dúzias de gregos sabidos que só, lá do seus túmulos filosofeiros revirarem todas as poerinhas. Por que legumes não podem ser verduras e também o avesso? Vivi quarenta e três anos, eu e o meu olhar, e nunquinha consegui diferenciar porque um não é o outro e o outro não é o um. Então hoje na escola, elaborando uma lista da merenda escolar, me veio esse desassossego. Existe um primo pobre e um primo rico no reino nas hortaliças? Se a resposta positiva, com se pode exigir igualdade social nesse mundo se até a ervilha se acha superior ao repolho?

Também hoje no trabalho eu achei bonitinho uma senhora que foi fazer a matrícula de duas das suas crias e disse que “não é fácil não dar conta de DEZ filhos”... É claro que eu a fitei, pasma, e quase perguntava se ela conhecia uma invenção chamada televisão. Ela disse que não operou antes dessa enxurrada de filhos porque não tinha dinheiro e o SUS só tomou conta quando viu que poderiam vir outros tantos. “Mas eu não me arrependo não, criei tudo direitinho, nenhum deles bebe nem fuma”... Pois é, pois é. Eis que a vida produz gente de verdade, que apesar de toda a luta, toma conta da vida reservada pra si.

Afora isso, outra moça timidamente voltou poucos minutos depois de levar um histórico, perguntando quem era aquele pai que eu arrumei pra filha dela. Eu pedi desculpas pelo equívoco de não ter apagado completamente o que constava no histórico anterior antes de fazer um novo e falei pro marido, que estava ao lado, para que não se preocupasse, pois depois de um confiabilíssimo exame de DNA de notas,cargas horárias e afins, ficou comprovado que ele era realmente o pai. Todos caíram na gargalhada e pronto, acabou-se a mínima possibilidade de me pegar na hora da saída. Esse meu jeito de simpática é pura estratégia para não levar umas mãozadas da clientela escolar, pessoas. Mas, algumas vezes eu deixo a cara de pau em casa, vos garanto... Ou não.

É o que temos pra hoje. Até breve. Seja leve. Releve. Abrace...


14 comentários:


  1. Olá flor,

    Nem vou entrar em detalhes quanto à tragédia de Santa Maria, pois apesar de todos os pesares e
    de considerar que a fiscalização deve ser mais ativa em recintos fechados, como o local da ocorrência, tenho para mim que este "desencarne coletivo" seguiu a uma programação a nível divino. Resta-nos a dor e o desconsolo, além de orar pelos familiares e por aqueles que partiram
    tão precocemente, para que sejam acolhidos nos braços do Pai.

    Já fiz muita confusão entre legumes e verduras, mas hoje já aprendi a diferenciá-los (também, já era tempo-rsrs).

    Não creio que o seu jeito "simpático" seja apenas estratégico. Deixe de ser modesta-rs.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  2. Vivi, ainda adolescente, a tragédia de 1961 em Niterói. E já adulto, em toda a minha carreira de aeronauta, aprendi técnicas de prevenção e combate a incêndios. Participei da Comissão de Investigação e Prevenção de Acidentes. Perdi companheiros e amigos em acidentes envolvendo o fogo.
    Sei que é uma reação natural do ser humano, após o primeiro choque, prestar socorro e apoio e, numa segunda fase, buscar culpados. Infelizmente, há uma terceira fase... a do descrédito nas soluções. Mas atrevo-me a profetizar que Santa Maria despertará o povo brasileiro e suas instituições para a necessidade de reformular leis e de aplicar com rigor redobrado a fiscalização de seu cumprimento, a exemplo do que aconteceu na Argentina, há poucos anos, após uma tragédia semelhante. Entre as providências estará, certamente, a proibição, em recintos fechados, dos pirotécnicos de qualquer natureza e o uso de materiais inflamáveis no isolamento acústico. O número e dimensões das saídas - normais e de emergência - serão revistos, e as folhas das portas deverão abrir-se de dentro para fora.

    Quanto a legumes, verduras, hortaliças, frutas e frutos, prefiro misturar o milho com os ovos e chamar tudo de hortifrutigranjeiros...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Sem palavras pra esse adormecimento...pas-ma-da em dor. Quanto às suas aventuras escolares ri um cadim. Nunca tive problemas em confundir verduras e hortaliças. De criança era eu - das seis - a eleita de mamis pra acompanhá-la à feira livre e fazer as compras. Agora trocar uma paternidade intirinha só mesmo vc né minha Mi_nina?!
    Beijuuss

    ResponderExcluir
  4. Olá! A audiência era enorme, portanto a Dilma lá! Ainda se espantam com as atrocidades humanas? a mesma mão que afaga pode construir um predio e queimar seres humanos! abração

    ResponderExcluir
  5. Oi Milene!
    Essa tragédia, chocou a todos. Eu, fiquei impressionada, mas adorei o outro rumo que você deu ao texto. Muito bem escrito.
    Sei bem o que é essa estratégia, trago sempre minha cara de pau pra o trabalho com o mesmo propósito! kkk
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Muier, como sou arigó diplomado por vc, acho q tudo q é duro é legumes: cenoura, bata, mandioca e o resto é verdura... Kkkk
    Bjos.

    ResponderExcluir
  7. Olá Milene,
    Aqui no Rio Grande do Sul, estamos de luto, tentando administrar o silêncio e a dor.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Oi Milene, compartilho da sua revolta, e sem falar do sensacionalismo da mídia, que tenta angariar alguns pontos na audiência encima dessa tragédia e a enxurrada de fotos no Face dos corpos das vitimas sendo compartilhadas, lamentável, quanta falta de sensibilidade, respeito e humanidade.
    Suas inquietudes são magnificas, acredito que igualdade só haverá quando todos formos pó, me surpreendi aqui com a história da mulher com dez filhos, ao mesmo tempo não deixa de ser uma lição né, já que dizem que a violência é um problema social e cultural, se fosse assim os filhos dessa mulher eram pra ser todos bandidos e beberrões. Me peguei rindo aqui com o causo da escola, muito divertido.

    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Nem sei por onde começo...acho que pelo fim: "seja leve, releve, abrace" são recomendações positivas, que permitem que a gente lide com a vida de uma maneira menos densa, mais amigável...mais aceitável.
    Tua indignação é um levante à essa prática torpe em que nosso país mergulha, e a hipocrisia tb me nauseia - pensei como vc: pq em vez dessa solidariedade inútil não baixa decreto, coisa que melhor sabem fazer nesta terra, com leis punitivas de verdade, exigindo o mínimo de bom senso a tudo que envolva e diga respeito às pessoas, segurança e bem estar?
    Embora pareça prosaica tua questão da ervilha, nas entrelinhas do bom humor vc levanta outra questão profunda, relevante e necessária...inquietações que passam longe de quem é eleito e escolhido para pensar e providenciar soluções...

    Ah, se todos tivessem tua consciência, minha querida, ah! quanta diferença faria!
    Beijo com a admiração de sempre e o carinho que me desperta!

    ResponderExcluir

  10. É claro que temos bom gosto-rsrs.
    Que venham acontecimentos felizes para celebrarmos!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Não vou falar da tristeza, do suborno, da auto-promoção, do desleixo pelo poder público... A apresentação que fez no Relicário é encantadora. A sensibilidade do moço é perfumada (tudo é possível).
    Agora, o fim de seu texto é hilário. Fica trocando os pais das crianças que logo, logo, será, mais uma vez, "ré confessa" (hehehehehehe). Grande beijo!

    ResponderExcluir
  12. Domingo já é um dia desanimador, o passado então foi o retrato da tristeza.

    Confundir legume com verdura é quase uma rotina na vida de qualquer ser humano, ou pelo menos em uma fase da vida. A ervilha se acha superior ao repolho assim como o poodle se acha superior ao Pastor Alemão. Complicado isso... rs bjão

    ResponderExcluir
  13. impossível não ficar mal. chorei muito, e a dor é maior, por concordar com tudo o que falaste. e logo vem o carnaval e todos irão festejar, e mais rápido do que o merecido, o sofrimento será esquecido...
    bjs
    http://eubipolarbuscandoapaz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Que bom terminar rindo um texto que começou muito triste.
    Milene, você tem muita sorte nesse teu trabalho, hein? Hehehehe.

    Bejus

    ResponderExcluir