domingo, 20 de janeiro de 2013

DO QUASE NADA



IMAGEM? NEM DESCONFIO DE QUEM SEJA...
SÓ QUERO POESIA PRO MEU DIA

“Escreva sobre o cotidiano, você faz isso muito bem”, é o que sempre me dizem. Pois então, bora lá! A primeira coisa que devo dizer sobre esse fulano tão íntimo da minha pessoa é que ele está muito quente. E muito caro. E meio morno, além de quente. E eu não estou louca, só um pouco, só o normal sob o ponto de vista de que carrego uma insanidade estável.  Quer dizer, lendo assim, devo estar um pouco mais deslúcida, translúcida, enfim. Esmiuçaremos a normal maluquez e o cotidiano.

Sobre a carestia: esses dias fui à loja de material de construção onde meu irmão trabalha, linda, fofa e me achando rica, a fim de comprar os negocinhos para revestimento e enfeite do meu banheiro novinho em concreto. Escolhe daqui, pechincha de lá, depois de tudo acertado eu quase tive um passamento dessa pra melhor (?) quando vi o orçamento. Cruz-credo-aleluia três vezes! Mas é só um banheiro, um lugar onde se faz o número um, o número dois e o número três, segundo teoria da minha pequena filha alheia, Isabella. Ela falou isso quando estava bem sentada no trono do cotidiano e gritou para minha irmã: “Mãe, vem me limpar que eu já fiz o número um, número dois e o número três”! Minha irmã questionou o tal terceiro item e ela prontamente respondeu: “É pum, né?!”... Ai, meu Deus. Ela é uma criança educadinha, só não é desse planeta, relevem, por favor.

Sobre a quentura: os deuses do calor devem ter se reunido numa oval e imensa nuvem e debatido: onde vamos morar dicunforça nesse verão? Aí o mais engraçadinho sugeriu: vamos “botar pocando” em Arapiraca, lá no agreste das Alagoas? Um dos mais maleáveis tentou argumentar que por aqui não havia praia, sequer um riozinho capenga para aliviar o incêndio corporal da população, mas não houve acordo. Os cabras calorosos vieram e daqui não saem, daqui ninguém os tira. O cotidiano por esses lados anda se derretendo, e nem é de amor.

Não sei mais o que falar desse domingão de puro calor. Pensei em me revoltar com as imagens da TV, onde se mostra idosos sendo espancados e agora a lei deu pra arrumar brecha pra defender os sacripantas. Segundo a legislação brasileira, confiável que só, há diferença entre tortura e maus tratos e muita gente ruim está escapando só com arranhõezinhos legais depois de terem judiado física e psicologicamente de quem lhes foi confiado o cuidado. Digo nada sobre isso não. Digo nem que desejaria Lampião de peixeira em punho tendo um dedo de prosa com esses covardes. Digo não.

Eu quero uma semana doce, leve, sorridente. Pode ser? Semana passada carreguei uns fardos nas costas, pesados que só! Ser grande é isso, ser grande tem vezes de ser chato e eu, feito suplica a Adélia Prado no seu poema, queria ter cinco anos (que nem a Isabella).

Me disseram assim, numa indagação reflexiva, depois que afirmei cheia de pose, estar impermeabilizada  em relação ao tal do amor: “E se o coração fosse obediente e se ouvisse cada conselho que sussurrássemos baixinho ao seu pé do ouvido? O que seria loucura, da paixão? Teríamos corações mudos e sem nenhuma opinião. Mas, deixa ele sofrer. Mesmo assim não aprenderá. Por que ele mora numa casa na qual as paredes vive tentando derrubar.”

Ah, eu não sei não. Meu diálogo com esse moço derrubador das próprias paredes é pouco, é nenhum. Por que ele grita, eu ensurdeço. Eu suplico, ele fica mudo. Eu corro pra alcançar o amor que ele fabrica, ele corre mais ligeiro. Mas é verdade, melhor deixá-lo penar um pouco. Coração obediente é coração dormente... e morno.

Já vou, já vou. Aonde? Sei lá... Tá calor. Se abrir a porta, se a noite chamar, eu vou por aí, vou por aí... Até a noite dormir. Beijo!


31 comentários:

  1. Oi, Louquinha de Lima, bom dia.
    Sobre a loucura: continua louca, pois quem ganha é seus leitores, e cá prá nós, vc é boa no q faz, escrevendo.
    Sobre a filha aleia: ora bolas, puxou a tia. Vixe meus Deus, não deixei desconfiar disso.
    Sobre a quentura: relaxa e se solta, garanto vc q nem vai perceber o calor duns infernus.
    Sobre ir: se for, abre um buraco no meio da rua e prepara a armadilha para pegar o tal moço do amor e cai dentro, aí vc vai ver o q é calor.
    Sobre o título: amei, tou cum a ideia de roubá-lo, vamus vê. Num processa eu, viu.
    Sobre você: já tá eleita e empossada como a minha crônista preferida.
    Bjos e boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Milene, não sei aí, mas, aqui o calor está tão grande que mais parece uma amostra grátis de inferno! Pense numa quentura! kkkk
    Teu texto, como sempre, muito legal!
    bjssssssss

    ResponderExcluir
  3. Vou assoprar o frio daqui até ai, tá? Por que esqueceram de avisar pra ele que por aqui ainda é verão, hehehehe.
    Adorei a imagem!

    Bejus

    ResponderExcluir
  4. Pois é minha cara amiga Milene, eu passei por isso, reformar casa é uma loucura, tudo muito caro. Gostei dessa história do número três, pequena bem humorada!

    forte abraço

    c@urosa

    ResponderExcluir
  5. Aí esse calorão e por aqui São Pedro escancarou as porteiras, que emperraram em dezembro, e a gente só contabilizando os danos e os gastos...bem caro tb! Da carestia da vida (como dizia minha mamis)tá pela hora da morte. E ainda falam que a economia tá estável, sem inflação etc e tal...no meu bolso e nas minhas contas é que não é! Enquanto seus deuses do calor e São Pedro não entram num acordo amigável, mando-lhe uns tantos beijuss ventilados!
    P.S: vou ensinar uma certa irmã minha onde se faz o nº3...viva Isabella!

    ResponderExcluir
  6. Não deixe dona Isabella
    Aprender xadrez errado;
    O cavalo - diga a ela -
    Anda aos pulos no tablado;
    Sai da casa amarela
    Dá quatro saltos sem sela:
    É um, dois, três - um pro lado...


    ...mas são pulos.
    Moça, sua Vê anda confundindo o seu coração. Eu me perdi dentro dele, encontrei um monte de amigos lá mas há muito espaço ainda.
    Beijos calorosos!

    ResponderExcluir
  7. Ei Mi,
    Escreves lindamente que cada detalhe do seu diA e afazeres se tranformam em poesias de vida, E assim seguimos confusos, mas so querendo um dia fresco e animado sem burocracias e so soririsos:-)

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Em tempo: depois da última reforma e do decreto da Presidenta desisti de corrigir a ortografia aleia. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Delicia de post!
    Ah muito tempo que venho com planos de escrever meu cotidiano também... pena que falta tempo.
    ;/

    Acho que o melhor tipo de diálogo que se pode ter com o coração é um bem parecido com as algazarras: cada hora um grita mais alto que o outro e a vida vai seguindo assim, meio louca, meio normal, meio montanha-russa.
    =)

    ResponderExcluir
  10. Bem, Milene, isso é apenas uma verdade. Vc escreve muito bem sobre o cotidiano. Olha aí vc comprovando isso mais uma vez!

    Graças que no RJ está tendo dias chuvosos e nublados em pleno verão. Tô adorando e é justo. Afinal, no inverno fez um calor desgraçado.

    E eu me divirto em saber dessas suas histórias, mesmo que algumas vezes vc não tenha se divertido tanto assim.... rs bjs

    ResponderExcluir
  11. Hahahahahahahaha MíLi vc é um barato! Seus textos são muito alegres e as vezes sarcásticos. Adorei seu humor!

    Um beijão e fica com Deus!

    ResponderExcluir
  12. Olá querida,

    Ótima esta da Isabella-rsrsrs
    Nem gosto de ouvir notícias sobre mau trato a idosos. Já vi cada cena de ficar estarrecida e me imaginando lá na frente nas mãos desses desalmados. As leis são feitas com muitas brechas e isto favorece aos infratores, infelizmente.
    Há momentos, realmente, que o fardo pesa. Mas, fazer o quê, né? O que é nosso ninguém desvia.
    Ainda bem que o coração não é obediente. Êita órgão independente-rsrs

    Semana doce e recheado de sorrisos.

    Beijos e beijos.


    ResponderExcluir
  13. Basta ler um único texto seu para confirmar que escreve bem. E não só sobre o cotidiano, onde tudo que nos conta chega engraçado e nos permite momentos de lazer. Temos que agradecê-la por isso(rss). Você caminha muito bem pelos versos, como já nos mostrou o Barcellos , em seu adorável cantinho.
    Aqui, o mar não chegou, ainda (kkk). Mas convivemos com o calor durante todo o ano. Daí a existência de tantos bares nas calçadas da cidade.
    Que a semana transcorra conforme seus desejos, mais fresquinha. Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Bom dia parabéns pelo texto excelente e por ser a convidada especial no CVC, de onde vim para visita-la.
    Vanderlei

    ResponderExcluir
  15. Bom dia belo texto, venho do CVC e gostei de conhecer este espaço de ótimos textos.

    ResponderExcluir
  16. Amiga Milene! Que bom vc ter sido convidada pelo CVC assim pude conhecer vc. Escrever sobre o cotidiano é tudo de bom. Além de ajudar muitíssimo nosso cérebro como exercício parece amenizar com um desabafo. Lá escrevemos coisas que às vezes não temos coragem de falar. Desejo à vc um excelente dia. Com carinho. Beijos

    ResponderExcluir
  17. Olá, Milene!
    Vi seu blog no mural da CVC e resolvi conhecê-lo...
    Olha, guria... tu escreve prá lá de bem! Uma exímia cronista!
    Amei... e estou te seguindo!
    Beijinho... e uma quarta mais fresca! (=

    ResponderExcluir
  18. OI AMOOOOORE
    VENHO DO C.V.C!! CONHECER O INQUIETUDE QUE LINDO QUE ELE É ADOREI O POST !!
    RI LITROS!!!
    BOM REFORÇO O CONVITE ADORARIAMOS TÊ-LA NO C.V.C!! UMA OTIMA QUARTA FEIRA!! UM CHEIIROOO!!

    ResponderExcluir
  19. Taí uma coisa que eu gostaria de ser: que nem a Isabella! O resto viria depois. Meu beijo.

    ResponderExcluir
  20. Oi amiga vim através do c.v.c para conhecer seu espaço
    Parabéns por ser a convidada especial do Dado
    Já estou seguindo beijinhos
    Linda tarde pra você

    ResponderExcluir
  21. Oi!!Tudo bem com vc?Venho do CVC,seu blog é bem interessante.Tenha uma ótima tarde!Bjs!!!

    ResponderExcluir
  22. Venho do CVc deixar meu carinho aki,
    Linda noite pra vc, amei seu blog,
    Bjos.

    ResponderExcluir
  23. Olá linda, vindo do cvc para conhecer esse lindo espaço....Gostei!!
    Fique na paz...
    Beijinhos azuis de Blue Sapphire

    ResponderExcluir
  24. Vindo pelo CVC, conhecer novos blogs e adorei a crônica sobre o cotidiano!Muito show...Continue, vc escreve muito bem, mesmo!Com certeza voltarei para ler outros textos. Te convido a ir ao meu blog sugiro ler o furo da capa, é mais ou menos assim como o seu. Te esperamos no CVC para fazermos outros amigos.Bjs.

    ResponderExcluir
  25. Boa noite Milene!Vim conhecer seu blog,atraves do CVC do Dado.Parabéns seus textos são otimos.Temos que escrever o que temos vontade e seus textos mostra sua sensibilidade.
    Beijos com carinho!!!

    ResponderExcluir
  26. Boa noite minha nova amiga!
    Venho do CVC conecer este cantinho maravilhoso e gostaria que voce fizesse parte do CVC. Ofereço meu award e o mimo aos visitantes do CVC. Bjos

    ResponderExcluir
  27. MILENE,

    calor e carestia, realmente têm se destacado nessas nossas mais recentes crônicas existenciais.

    São dos "CÊS" que andam perturbando muito, ainda mais, quando se juntam àquele outro "CÊ" o do coração.

    Aí , realmente o bicho pega!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  28. Realmente, seu dom é tirar assunto do nada, ou do dia-a-dia!
    Mas, não acredito muito nesta "impermeabilização"...
    Deve ter algum vazamento, pois o amor sempre acha uma brecha...
    Bjs, Milene!

    ResponderExcluir
  29. Ei flor,

    Vim desejar-lhe um ótimo dia e agradecer a graciosa visita.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  30. oi amada, tão bom te ler, sempre tão leve, brincando com a vida, sem reclamar, um exemplo bonito! aqui em Porto Alegre o verão está bem levinho, bem gostoso. lindos dias. mas ainda tem todo o fevereiro, aff! espero que não esquente muito! beijos

    ResponderExcluir