domingo, 6 de janeiro de 2013

MORTE AO BBB... SÓ QUE NÃO



Mal o ano começa a caminhada e os assuntos relevantíssimos já apontam. Para observação dos tais temas, basta atentar para o que diz a TV e internet. E o que dizia a TV mesmo antes do ano partir dessa para melhor? BBB... Sim, meus caros, Big Brother Brasil-il-il-il... E o país mais uma vez se divide entre os devoradores de livro e os incultos que se prestam a dar audiência a um programa tão baixo nível. Gente, vocês vão fazer o que comigo que fico lá dando uma espiadinha? Vão me lançar abandonada num porão à mercê dos ratos, baratas e escorpiões malvados? Façam isso não, sou pessoa frágil.

Juro que não consigo entender essa comoção raivosa e repetitiva acerca da desimportante atração televisiva. É apenas isso na minha concepção sem nenhuma garantia de valia: um programa ruim entre tantos outros exibidos diariamente. Mudar de canal ou desligar a TV são soluções que ainda funcionam. E bora parar com essa chatice de que “a cada vez que você assiste o BBB, um livro se suicida”. Os livros estão pouco se importando com essas mesquinharias e a sua generosidade diz que quando se precisa deles, se abrem em verbos e viagens para quem quiser. Essa coisa de “ditadura da cultura” é um pouco chata.

Como seria bacana se toda mudança necessária pra esse país criar jeito de decência acontecesse pela simples extinção do famigerado programa. Tudo resolvido num click, que massa! E nunca mais políticos com eleição vitalícia, aqueles que são uns canalhas, mas levam dinheiro pro seu estado, se tornando assim um mal necessário, afinal é melhor que ele leve pro próprio estado, do que o outro canalha ser mais esperto; e nunca mais cachoeirices e bandalheiras praticamente institucionalizadas; e nunca mais alunos alheios ao ano letivo inteiro em virtude de reformas mal arranjadas; e nunca mais desabamentos e mortes por causa das chuvas, porque se não há mais cachoeirices e múmias eleitas, o dinheiro público se empregaria nos lugares devidos.

E nunca mais escritoras renomadas, acima do bem e do mal verbal, comentariam das limitações alheias com tanto desdém e arrogância. Filha de uma égua é essa Lya Luft, a quem a minha preguiça de leitura me presenteou apenas com o conhecimento dos seus textos fragmentados e agora estou tentando um jeito de “desler” tudinho. Ela é do time dos defensores do “cada um no seu quadrado, ado, ado, ado”. Criança com defeito não pode se misturar com as normais, foi bem assim o meu entendimento das suas palavras absurdamente preconceituosas. Quero falar mais nisso não, porque me causou uma irritação duzinferno. Querendo, leia nesse canto.

Chega de assunto chato porque minhas mãos estressadas andam mais intolerantes que a Lya Luft. E se você resolver me deixar de quarentena no porão escuro, só por causa de uma insignificante espiadinha, não me deixe como companhia livros dessa senhora escritora com nome de remédio pra prisão de ventre, por misericórdia.

Vou por aí a procurar o que me reserva o domingão vespertino. Certeza de encontrar um vento bom que só, na calçada da casa da minha mãe e por lá deixar correrem as horas até que o tempo encontre a sua sexta noite desse ano. E para findar o escrivinhamento, um poema leve de imensa verdade,  a mim mostrado pelo Moisés, o Poeta, nas falas da madrugada. Diz assim Shakespeare:

“Você diz que ama a chuva, mas abre seu guarda-chuva quando chove
você diz que ama o sol, mas procura a sombra quando o sol brilha.
você diz que ama o vento, mas fecha as janelas quando o vento sopra.

É por isso que eu tenho medo,
você também diz que me ama...”

Intés!

21 comentários:

  1. supimpaaaaaaaaaa..vou levar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É massa quando você vem, Lois_Lane, bem massa!

      Beijo e obrigadinha.

      Excluir
  2. Eu não gosto do BBB já pra começar pelo Pedro Bial,ninguém merece!!!

    Mas, cada um olha o que quiser e NINGUÉM tem nada a ver com isso,não é?

    Liberdade pelo menos podemos ter pra isso!! rs beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Sorte minha que nunca li o remédio pra dor de barriga com data vencida e portanto não preciso desler. Quanto ao BBBBB - bota aí barato, baixo, besta e basta, antes que me escapem piores paronímias - você está vacinada. Não me convide a vê-lo, mas com certeza lerei com prazer qualquer inquietude que te brotar dos dedos estressados sobre o assunto.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém de conteúdo , enfim ...

      Excluir
  4. Bem, vc já sabe q estava com saudades dos seus textos. Vamos dizer assim, eu lhe perdoou essa falha em assistir o BBBosta. Eu comparo as mulheres do BBBosta com suco de Qsuco, artificial e ruim à beça. Bjos.

    ResponderExcluir
  5. Milene,
    que interessante teu post.
    E adoráveis tuas idéias.
    Eu também não dou a mínima para o BBB nem vejo novelas pois que são muito estranhas. Entretanto, concordo plenamente contigo: quisera todos os problemas do Brasil fossem programas de TV que vê quem quer, e quem não gosta não assiste, passa ao largo e não fica a falar, muma mesmice repetitiva e vã, sobre o talzinho.
    É assim, só falamos daquilo que gostamos, assim melhoramos o nível da nossa conversa, quiçá, não dando tanto valor ao mal que desprezamos mas não conseguimos abandonar.
    Isso é vício.
    Parecem ateus a tentarem provar por toda a vida que Deus não existe.
    Não li muito a Lya Luft, nem sei do que fala. Mas, sei o quanto é perigoso citar apenas uma frase de um autor. No facebook é uma constante, pega-se apenas um trecho, e deturpa-se todo o contexto.
    Se todos os que odeiam o BBB mudassem de canal e votassem melhor nas eleições, lutassem por um Brasil com menos corrupção - já estaria de bom tamanho.
    Gostei de te ler. És uma pessoa genial.
    Mil beijos no coração!

    ResponderExcluir
  6. Essa tua lucidez é o melhor antídoto contra esses males, e mais do que tudo, uma deliciosa leitura e garantido bem estar!!!!
    Eu já assisti edições inteiras do programa, láááááá atrás quando começou, e assito pouquíssima TV, como vc sabe, mas não vejo mal em espiar nada, até as culpas, faz bem...rsrrs..vou pro porão com vocêêêêêêê- êêêê!!!....kkkkk
    Ah, e tenho alguns volumes da Lya, de alguns li fragmentos, outros nem li...mas não faço mea-culpa , quando aconteceram esses eventos, por alguma razão me foram úteis, agradáveis , sei lá ...passaram, como tudo passa na vida.
    Como amante dos livros tb ando me cobrando mais atenção ao hábito adquirido desde a meninice, embora tudo que seja obrigatório perca p melhor, que é o prazer, então não desfraldo nenhuma bandeira, quem gosta lê, quem gosta de música ouve, e por aí vai...simples, não??

    Nosso país precisa de GENTE, assim como vc...que sem demagogia diz o que pensa e faz o que entende como justo e certo...devia estar lá no Congresso, pondo ordem naquela bagaça...qua teu número pra eu fazer campanha?????

    Bjos, Mi...adoro passar por aqui!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto erro de digitação, aff...rsrsrrsrs

      Excluir
    2. Aonde,garota? Quem esteve no vento etílico hoje fui eu tu estás tendo visagem?

      Excluir
    3. E desde quando vc responde comentários??

      Quanta hoooooooonrrrrrraa!

      :D

      Excluir
    4. Hahahaha... É que eu sempre acho que as pessoas não vão voltar pra ler. Tá parecendo chat do Face, agora. E além do mais,fiquei feliz porque você vai comigo pro porão. Vai ser massa.

      Excluir
    5. Acho que vou pensar seriamente em aceitar teu convite (em off aqui) pra ir pro Congresso tb....rsrrsrss

      Adoro tu, Mi_nina querida!!

      Excluir
    6. Vamos nós, pelo PSH (Partido Sem Hipocrisia) e o lema será: COM OU SEM BBB, o Brasil é resultado do que é feito por você.

      Simbora, companheira!

      Excluir
  7. Concessão publica, e esquecemos que não deveríamos pagar com os olhos as propagandas, e ainda por cima em vez de arte, o que vemos é a futilidade reproduzindo raizes tolas! abraços

    ResponderExcluir
  8. Quanto a Lya estranhei, muito, a infelicidade da afirmação. Chego a dizer que li e reli o escrito com a sensação de que algo faltava. Mas não a julgaria e nem mesmo a xingaria, como fez aquele colunista - que me esqueci o nome agora - e tb vc. Quem de nós já não foi assim, in-fe-liz, num posicionamento? E de novo afirmo-lhe: estranhei e ainda a declaração dela. Quanto ao BBB, me lembrei daquela moça que adoro e sempre lhe digo q vc, e suas crônicas, se parece: Martha Medeiros. No seu livro Doidas e Santas tem uma com o título Guerreiras e heróis (cê deve achar na net)que ela aborda de uma maneira bem bacana e simples. Espia quem quer e ponto. Façamos uso, bom de preferência, pela nossa liberdade de escolher.
    Beijuuss Mi_nina

    ResponderExcluir

  9. Olá querida,

    Conheço pouca coisa da Lya Luft e pelo que você diz ela foi bem infeliz em seu comentário preconceituoso.
    Quanto ao BBB, dou lá minhas espiadinhas, e embora considere um programa que nada acrescenta, aliás, traz péssimos exemplos aos jovens, não critico quem gosta, pois somos livres para assistir ao que nos aprouver. Há coisas mais interessantes e urgentes que merecem o repúdio do povo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Milene, grande texto. Aliás, o BBB estreou e o Boninho colou um quarto em forma de biblioteca. Veja que artimanha sagaz para alfinetar os tais intelectuais. O fato é simples; não gosta de BBB, não veja BBB. Ponto. bjão

    ResponderExcluir
  11. Milene!
    Amei,amei,amei esse texto! Diz exatamente o que penso, as pessoas são muito radicais, se o programa é ruim, porque tanto ibope emtorno dele,não é?
    Bjs, adorei seu cantinho.
    Gdbeijo

    ResponderExcluir
  12. É uma delícia ler o que escreve. Não lhe falta clareza, objetividade... e o mais importante, posicionamento. Vejo poucos programas na tv e sou viciada em filmes (rss). E é com eles que tenho boa companhia à noite. Bjs.

    ResponderExcluir
  13. Kkkk vou te bloquear!
    Os livros se suicidar aim senhora! Kkkk
    vc é impagável! Te adoro! Bjs

    ResponderExcluir