sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

NO CLARO DO ESCURO DA NOITE




Pela fresta da porta entreaberta ela percebe a presença do vento como mensageiro da noite, misteriosa e sedutora.  Sai sem espiar o que nem vê, deixa pra trás o abajur de luz trôpega sobre o velho aparador, único móvel dos tempos em que ainda havia frescor e vivacidade naquela sala.  Como aceitação imediata do convite da noite, lança ao chão a taça que há poucos segundos guardava últimos goles do tinto bebido enquanto os pedaços do tempo passavam sem decidir direito o que fazer com ela. Eufórica, sequer se lembra de desligar a vitrola também postada ao chão do cômodo quase vazio. Era Baleiro cantando “calma, alma minha, calminha, não é hora de partir”...  Mas a ideia de partir era justamente o que lhe consumia de vontades naquele instante. Pouco sabia o que lhe reservava a noite, somente tinha a instável certeza de queria ir, apenas ir. E seus passos a guiariam para o desconhecido e talvez fosse bom. E seriam companhias o céu de estrelas alegres, uma lua inteira a lhe sorrir cumplicidade e a matilha de cães vadios, seus guardiões pelos becos e ruas que habitavam na noite. E o vento! Também o vento era sua companhia e a rodeava, afoito, brincalhão, dançarino. Ela dançava pelos becos enluarados da noite, enquanto a matilha de cães latia feito fizesse coro na outra música do Baleiro, que talvez naquele instante ainda cantasse na vitrola sobre o assoalho, dizendo “só a noite é que sabe que a vida não tem jeito, que pro escuro de um poema qualquer ganido é bom pretexto”...


19 comentários:

  1. Becos escuros e canções maravilhosas, destino e vinho tinto? que noite!!!! abraços

    ResponderExcluir
  2. Muiér, vc além de ser boa de crônica, desliza magistralmente pela prosa. Manda ver, agora quero um conto...kkkkkkkk
    Gostei disso: ...goles do tinto bebido. Pois, como vc já me disse q sou doido de pedra, imaginei a personagem como uma sedutora vampira...kkkk

    ResponderExcluir
  3. Muito bom MíLi, e ainda colocou o Zeca cantando pra gente!
    Realmente muito inspirado e belo esse seu texto!

    Parabens!

    ResponderExcluir
  4. ...espero o próximo capítulo.

    (um esboço... um livro...virá?)

    beijo




    (sinto tanto tua ternura, Lele.
    só posso agradecer. amo tu, viu?)

    ResponderExcluir
  5. A noite é uma pessoinha
    Que finge ser namorada
    E tira a gente da linha
    Pra fugir na madrugada
    E dorme durante o dia
    E sonha com poesia
    E acorda toda estrelada.

    A noite é uma criança
    Que chuta a bola da Lua
    E ri, e cante, e dança
    Com as meninas da rua
    E brinca de amarelinha
    E chega ao Céu da estrelinha
    E voa na história tua.

    A noite é tua amante
    Mas é minha namorada
    Cada estrela é diamante
    Cada nuvem é sacada
    Cada brisa é abraço ardente,
    Cada som é beijo quente
    Cada viela é estrada.


    Beijo, corujinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo ... To virando fã de seus escritos.

      Excluir
    2. Acho que ando mesmo num elevado nível de emoção...me puseste a sorrir diante da lua da criança que brinca, me causaste profunda emoção diante da sensibilidade e romantismo do homem Poeta, capaz de tecer versos que embalam mansamente, os sentires de quem o lê!!!
      BRAVO, meu querido!!!

      Excluir
  6. Ah, querida Milene...
    como sei dessas coisas, sair por aí e gritar até explodir...
    beber, dançar e exigir a vida, exigir muito...
    ...mas nada nem ninguém ouve, mesmo quando pensamos que estamos no caminho, logo logo vem o desengano
    beijo

    ResponderExcluir
  7. Lindo te ler sempre,Milene!1 beijos praianos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  8. Milene, eu me senti lendo um capítulo de um livro desses que nos empolgam e que nos fazem prosseguir até o fim, desejando mais. Você foi brilhante. E fiquei desejando saber para onde foram esses passos, e esse abraçar o desconhecido. Parabéns!!!!!!
    Não consigo deixar de aplaudir, também, o poema do Barcellos.
    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  9. Para brindar este teu maravilhoso passeio pela noite escura - da alma? - só mesmo o brilhantismo deste Poeta-menino...li e reli os dois, e fico a pensar no entrelaçar que a alma de um, conforta a da outra. LINDO, como acordes de uma canção, cuja harmonia conta a história do coração! Como sou privilegiada por ter a ambos abraçado!!!

    Continue, moça querida, teu talento já nos viciou!!!
    Bjo duplo, com ageto dobrado!!

    ResponderExcluir
  10. Que texto gosto de se ler, Milene. Muito bom! Tenha um ótimo domingo, moça da escrita bonita! bj

    ResponderExcluir
  11. Isso foi um passeio? Pra mim uma ex-cur-são maravilhosa dentro de si! Ir pra Arapiraca? Sim! Mas tb careço de $$$ (dizem os patrulheiros lá de plantão que não e acho uma graça...só cê vendo!) e compraria a tal cisterna, um sistema bem bacana pra amenizar o calorão e etc e tal e estaríamos nós bem felizes...nem que fosse por preciosos momentos, mas estaria!
    Beijuuss minha Mi_nina_maaaada

    ResponderExcluir
  12. Milene, a noite é mesmo inspiradora e convida a descobrir quais mistérios e surpresas nos esperam sob as sombras iluminadas por um candeeiro qualquer...gosto do Zeca. Você me parece bem afeita ao noturno...cada um traz em si qual é a centelha que desperta a inspiração. Um abraço!

    ResponderExcluir
  13. Milene,
    Quando venho aqui não é tanto pelo Botafogo - nessas andanças, o meu Benfica satisfaz-me - mas pela peculiaridade, traduzida em palavras, do seu olhar. E os ganidos com que termina fazem mesmo sentido. :)

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  14. Passando em plena luz do dia para te desejar um ótimo domingo!!
    Lindo post!

    Bejus

    ResponderExcluir
  15. Mi já pensou em escrever contos?
    Acho que sairiam uns legais aí dessa cachola!

    ResponderExcluir

  16. Mas que lindeza de texto é este, menina?
    Adorei demais da conta.
    Os versos de Barcellos são d+.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  17. Me envolvi aqui, quero mais, tavendo o que fez (risos), adorei o texto

    ResponderExcluir