terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

POIS, ENTÃO!



Não atentem para o título, quer dizer coisa alguma. Na verdade é bom desatentar para quaisquer palavras lançadas a esmo nessa folha borocoxô. A primeira sensação ao abrir os olhos da mente hoje pela manhã foi a de que uma dor de cabeça resolvera me acompanhar. Eu penso que se uma dor de cabeça decide ser o seu presente assim logo cedo, é por que há nela um tanto de sentimento em relação a você. Talvez eu deva me sentir privilegiada, então, por ter sido contemplada com essa inusitada aparição de amor? Fiz até versinhos rimados pra ela.

Mas, qual a relevância de uma reles dor de cabeça diante de tantos acontecimentos nesse mundão desembestado, louco e lindo porque nós vivemos nele? Hei de dar os meus pitacos acerca dos últimos fatos do cotidiano, afinal, é dele que me alimento. O cotidiano é meu camarada, oxente! A princípio tecerei opiniões imprescindíveis sobre o afastamento, aposentadoria, licença prêmio, seja lá que raios de nome arranjarem, do papa Bento XVI. E cria-se um furdunço que eu não compreendo o porquê. Qual o problema do cara querer (quase virou letra de música, tipo o cara-caramba-caraô do Chiclete com Banana) se afastar do trabalho e ter sossego no que lhe resta de vida? Por que deve ser uma coisa cansativa viver toda a vida vigiado feito tivesse num Big Brother mundial, aos olhos amorosos dos que o adoram ou aos olhos críticos dos que lhe sentem ojeriza. E estar sempre a acenar e sorrir levemente. E dizer aos irmãos e irmãs de fé aquilo que devem ou não devem pensar. Sujeito sábio o alemão (cujo nome é difícil que só), saiu do caldeirão fervente das discussões do estilo “quem sabe mais de Deus sou eu”, para a vida sem pompas e bajulação dos reles mortais, que tendo um dia sido pontífice (adoro essa palavra), certamente partirão sem escalas para ocupar uma cadeira celeste. Deixem-no!

Domingo no Fantástico, uma moça hollywoodyana entrevistada, contando da sua passagem pelo Brasil, orgulhou-se em dizer que havia visitado uma favela. Ontem, no Jornal Nacional, o Indiana Jones andou passeando por uma outra favela no Rio de Janeiro e claro, todo o povo do jornalismo estava lá para conferir. Comovente, né não? Penso no quão exótico deve ser, para eles, um passeio assim. Algum guia do lado explicando: “Esse líquido de aroma pouco agradável trata-se do nosso esgoto que não tendo aonde se malocar, corre para a rua aonde o senhor está a pisara”. É claro que estou sendo leviana em comentar sobre uma realidade a qual não conheço, mas acho de uma hipocrisia filhadamãe esses caras de sotaque importado passear pelos becos e vielas como se tivessem num safári, cercado por seguranças, polícia e etecétera e talvez uma placa com os dizeres “o senhor Harrison Indiana Jones Ford certa vez passou por aqui e todo o esgoto ganhou um bueiro” seja pendurada na principal parede do lugar.

Gosto de atentar para as coisas importantes circulando nas redes sociais e demais sites expert em frivolidades. Isso não me enriquece o espírito, mas testa o quanto é grande o meu poder de tolerar. Adoro, por exemplo, as atualizações alheias no tal Instagram. Um dia ainda vou ter um novinho só pra mim. Quando eu via as fotos do povo nas situações mais bacaninhas ou não, comendo, dançando, bebendo, enlouquecendo, praticando do profundo direito ao nada e postando as fotinhas no através do tal, eu pensava: “esse moço é bom que só, vive deixando as pessoas fazerem dele o seu instrumento de aparição”. A pessoa está, por exemplo, na praia e entre um mergulho e outro abre um sorrisão meio sem vontade, a fim de mostrar a todos o quanto está curtindo. Eu acho que estou meio fora de forma no quesito curtição, porque na minha época, quando eu era pequena aqui em Arapiraca, a gente curtia a curtição bem mais que parava pra fotografar. A gente comia, bebia e se divertia despudoradamente e gostava de registrar os momentos através da câmera, porque se perpetuava tudo aquilo, mas o que valia mesmo não se via com os olhos de se enxergar pra fora. Se o Instagram fosse uma pessoa, eu o visualizaria multifacetário: comilão, bebum, feliz, imediatamente triste, fazendo coraçãozinho emo, sensualizando no biquinho, curtindo um show sem nem saber que música tocava naquele instante, jurando amor eterno, chorando o coração partido, feio, lindo, cabelo chapadinho, maquiadão, #festa#amigos#partiu...

Última e velha notícia carnavalesca: O trio elétrico do Chiclete com Banana (cara-caramba-caraô) foi avaliado em cem milhões de reais. Eu pergunto: o que fazem de braços cruzados os terroristas e revolucionários desse mundo?

Ah, bora parar, né? Estou mesmo insuportável hoje. Nem minha dor de cabeça me aguentou e #partiu sem nem me deixar retratá-la no Instagram que eu nem tenho.

“Eu to ficando velha
Eu to ficando louca!”

O poema:

Querida dor de cabeça
só te peço gentilmente
pelamordeDeus me esqueça
eu sou muito boa gente

Mas se tu te recusar
e insistir na paquera
veja bem, vá se lascar!
que meu bom humor já era






15 comentários:

  1. É Milene, só motivo para nossa inquietude e nossa intolerância pra ignorância nos fazer voar...
    Acredito que se o mundo não explodir de tanta mazela , ele num ato de magia terá pessoas sensatas e tudo brilhará, quem sabe?
    beijo

    ResponderExcluir
  2. Recuso dar-te guarida
    E assim ficamos de mal;
    Dou-te pílulas de vida,
    Aspirina e melhoral...

    Esse Instagram não dá rima,
    Nem em baixo, nem em cima.

    Il Papa em Castegandolfo,
    Tu nel cuore di Rodolfo.

    Vinhos e queijos,
    Carinhos e beijos.

    ResponderExcluir
  3. ...divido aspirina, Lele.

    (tenho trabalhado muuito,
    nem tem dado tempo de ficar por aqui)

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Tal qual em uma "descoberta" científica, ficam todos os países, instituições,políticos... a fazer suposições sobre o que se esconde atrás da renúncia do Papa. Coitado, nem pode dizer que está cansado? Penso que até Deus já deve ter tido vontade de se exilar, ao ver o que está acontecendo mundo a fora.
    Não vi o Fantástico, mas visitar favelas parece fazer parte do roteiro das "celebridades". Deve contar pontos no currículo (hehehehe).
    Perdoe minha falta de atualização para o chamado moderno, pois nem sabia o que é Instagram. Você acaba de me apresentar a ele. Se ouvisse alguém pronunciar esse nome pensaria que se tratava de um medicamento. Aliás, se sua musiquinha funcionar, quem precisa cantá-la é minha irmã Vera, que sofre com esse mal. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  5. Hahahahahahahaha, MíLi meinha amiga! Você é um barato. Sua forma de falar sobre o cotidiano é a forma mais doce, e engraçada possível. Eu gosto de textos assim.

    Quando tiver um tempinho, procura no meu blog alguns textos de nome "Brasilidades", tem do um ao cinco se não me engano. São textos escritos dessa forma que vc escreveu aqui. Claro que não com o seu talento... Mas quebram o galho! Hahahahahahaha. Um beijão e fica com Deus!

    ResponderExcluir
  6. Hahahaha morri de rir com teu poema!

    Mi, acho que o furdanço todo em volta do papa é culpa da própria igreja que transforma um teles mortal rm um Seus e quando o povo vê sua fraqueza dá nisso! Bloqueio e critica!

    Já as celebridafes visitarem nossas favelas nunca me entrou na cabeça! Acho ridículo e vergonhoso! Quero virar uma pinhoca quando eles fazem isso"

    ResponderExcluir
  7. Toda e qualquer dor, seja ela psíquica ou física, é sintoma de que algo não vai bem e precisa ser curada, afim de que o nosso cotidiano seja produtivo e siga seu curso naturalmente.

    O "furdunço" no Vaticano, dá-se pelo fato da função papal ser um cargo vitalício. Mas nada impede que o papa venha renunciar, haja vista que suas forças não mais ajudam a representar a igreja católica. Foi um gesto de humildade e coragem.

    Abraço, Milene.

    ResponderExcluir
  8. Dor de cabeça nos deixa fora da casinha,não? Detesto e quando tenho, é daquelas de matar!! beijos,adorei a poesia!

    beijos,chica

    ResponderExcluir
  9. Por 100N, essa crônica tá porreta, foi risos a dar no pau.

    Bem, o sentimento é uma merda, principalmente qdo dá dor de cabeça, porém, somos movidos por ele, então, nesse caso, é melhor usar a cabeça e manadar o sentimento para PQP, garanto, é melhor q doril.

    O Papa cansou (não sei se da falta de fé dos fieis ou então ele não botava mais fé em si). Um bom divã resolveria isso.

    Estava eu e o meu filho vendo a armação de natal no shopping qdo uma senhora pediu lincença, pois queria tirar uma foto do filho ao lado do veadinho, e olha que eu achava que aquilo era uma rena. Sai e qdo estavámos admirando os enfeites, mais uma senhora queria tirar foto, então saquei o meu celular e fiquei lá parado tirando foto. E não é q funcionou, pois ninguém mais pertubou. E assim vamos fotografndo e nos fotogrando para quem sabe melhorarmos a nossa imagem. A minha parece q está feia, nem um photoshop salva.

    Fui. Bjos.

    ResponderExcluir
  10. Sim senhorita, Mi és tu e somente tu, que sabe fazer artes (selinhos e coisa e tal)e escreves desse jeitim "arteiro" como ninguém... e não troco, não substituo, não nada! Sobre o papa vou lhe contar: nunca achei ele nadica simpático e toda minha bemquerência ainda pertence aquela fofura do João Paulo. Pensava que era só euzinha, mas quando estive no Vaticano em 2009 vi, nas compras de lembrancinhas, que meio mundo e eu só comprava as do papa anterior e esse, tadinho, ficava lá "encalhado". De qq maneira penso que qualquer um pode pedir "demissão" de qq cargo...até mesmo de ser "representante de D'us aqui na terra" (meu não...naum careço,ligação direta e reta rsrs). Quanto a instangram sei nada tb naum. Como vc beeeem sabe, sou ainda uma BIOS nessas modernidades todas. Mas, me canso só de observar nos lugares publicos essa bobagem toda. De dores em geral não estou podendo dizer nadica...só mesmo que acordar com NINGUÉM MERECE, muito menos minha Mi_nina! Dá-lhe Neusa e segue adiante.
    Beijuuss

    ResponderExcluir

  11. Milene, querida,

    Há uma dor de cabeça que me ama apaixonadamente. Vou declamar estes versos para ela se ela ousar aparecer novamente por aqui.

    Tudo leva a crer que o Santo Papa não está aguentando a pressão no Vaticano. Ainda bem que ele está tendo a humildade de renunciar, já que não se encontra com forças para prosseguir. Eu gostava muito do Papa anterior. Ele me parecia um santo homem.

    Nunca entendi os passeios turísticos pelas favelas do Rio, tampouco a circulação por lá de celebridades. Quem sabe para os famosos é uma espécie de marketing? Com tanta coisa linda para mostrar lá fora...vai entender!

    Quanto ao instagram, também não tenho e nem estou pretendendo ter no momento, mas tudo pode mudar-rsrs.

    Demais, moça!
    Adorei esta passada por aqui.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Aqui no nosso país, quando não se quer trabalhar para mudar uma coisa que precisa ser mudada, dá-se um jeito de torna-la aceitável.
    Aqui no Rio, como o problema das "comunidades" já se tornou maior que a própria cidade, se glamouriza as favelas e seu modo de vida como se fossem ideais a serem seguidos!
    Se você assistisse aos seguimentos dos jornais da TV local, veria o quanto do tempo deles é dedicado a mostrar "aspectos positivos" e charmosos da vida nas favelas...
    Bjs, Milene!

    ResponderExcluir
  13. Ola Milene!

    Nao sei pq fazem tanto auê para o Papa deixar a sua missão pra outro,né não? Agora eu pergunto:onde fica o tal livre arbítrio? Se ele nao aguenta mais tem sair mesmo.É muita responsabilidade para um idoso.

    Adorei a abordagem aos demais assuntos!

    E quanto a dor de cabeça, espero que com este poema, ela tenha partido de vez. E que nao sinta saudades de ti com verdadeira recíproca!rs

    Muito gostoso ler o seu jeito de falar do cotidiano.
    Amei!

    Beijos, flor!





    ResponderExcluir
  14. Milene, também não entendo esses passeios turísticos e acho um grande carnaval, sendo apropriado com a época, msm estando atrasado no post. Vem visitar como se estivessem vendo bichos ou sei lá o que...

    Confesso que a renúncia do Papa pouco me importou. Nunca gostei desse Papa e tenho me decepcionado com a igreja e com todas as religiões que muitas vezes pregam intolerância e ainda cobram pra orar...

    Pra variar adorei sua crônica, e discordo quando menospreza sua dor de cabeça. Não gosto quando vem uma pessoa e diz "ah, seu problema é tão pequeno diante de tal coisa..." Acho que todos os problemas são grandes. Beijão!!!!!!

    ResponderExcluir
  15. Mas que dor de cabeça danada essa, que até ganhou um poema.
    Espero que ela não se sinta homenageada e não volte tão cedo ;)

    Bejus

    ResponderExcluir