sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

QUANDO UM DIA FOI SONHO

Eram mais de vinte jovens alegremente loucos e famintos por viver a vida naqueles quatro dias de carnaval. Pontal de Coruripe, e seus arrecifes caprichosamente pintados pelos dedos de Deus, haviam sido escolhidos como o destino de se sonhar.

Gente demais na casa miúda, alugada no sacrifício e participação de todo mundo. Gente feliz demais pra se incomodar com pormenores do tipo comer pão com ovo em três cafés da manhã seguidos; lidar com a perna machucada do Seu Luís, o locatário (que ninguém ouse confundir com o meu pai, o melhor Seu Luiz que já houve por essas bandas chamada planeta Terra), cujo inchaço e feiura era tamanho e as moscas gostavam de passear pela sua perna pra depois se aventurarem nos pães, ao menor descuido de alguém; ou dormir literalmente na calçada por falta de espaço dentro de casa. E lá pela madrugada, os que não encontraram um um canto pra deitar o corpo, faziam algazarra a não permitir quietude a quem tentava descansar sob o teto de estrelas.

Perto dali, na beira-mar, o Farol parecia querer compartilhar daquela inclinação espontânea para o estado de absoluta felicidade. Tudo era motivo de festa. Tanto era motivo de riso. Até as eventuais briguinhas se faziam engraçadas e virariam lendas. Houvesse por ali uma máquina de se contabilizar risada, não daria conta do desmazelo alegre a se espalhar. Eram meninos querendo ser gente grande.

Fez-se dança, canto e brincadeira. Fez-se bebedeira de se curar no dia com outra mais maneira. Fez-se interação como nunca se ouviu dizer coisa parecida. Era pra estarem lá aquelas pessoas, feito tivesse predestinado o encontro, feito não tivesse sito tão especial caso uma delas faltasse. Era pra ter sido escolhida exatamente aquela seleção musical compondo uma inesquecível fita k-7 de músicas deliciosamente tolas e lindas e deles. Os amigos, os Piras, as meninas. A amizade!

Tudo aquilo intensamente vivido permanece feito tatuagem de maresia na memória de cada um. Os diálogos, as bobagens ditas como filosofia, os fatos engraçados que se eternizaram folclore, tudo é guardado feito peça valiosa do incalculável relicário chamado coração. É preciso apenas um encontro casual entre alguns dos que viveram esses dias. É preciso que uma daquelas músicas comece a tocar e pronto, deram-se as lembranças, deram-se os olhares lacrimosos, deu-se a saudade de algo tão simples e inexplicavelmente bom, capaz de ter a sua grandeza sentimental compreendida apenas por quem foi parte disso, por quem esteve lá e vivenciou o que só foi possível naquele fevereiro de mil novecentos e noventa e três.

Eu vi.





19 comentários:

  1. Que coisa boa! Tem horas que as boas lembranças também me teletransportam pra os meus lugares e momentos favoritos. E, eu bem acho que estive aí com vocês.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Essas lembranças de momentos saudosos, realmente vividos e regados a sorrisos, merecem ser guardadas com carinho. O vídeo é um amor. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  3. Lembranças que fazem bem e que ficam pra sempre.Ninguém nos tira!! Lindo te ler!beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Ô coisa boa! É bom lembrar de coisas boas!!

    Bejus

    ResponderExcluir
  5. É... e voltando da praia, o sol despontando, o grupo de famintos tresnoitados passava na padaria que acabara de abrir as portas, juntava as moedinhas de uns com as notas amassadas de outros e pechinchava até conseguir um bisnaga, cem gramas de mortadela e - se desse - uma coca família, e ali mesmo se banqueteava... êita coisa boa!
    Beijos, menina.

    ResponderExcluir
  6. Caramba! Queria eu ter visto tb!
    É delicioso poder lembrar assim! Gostei de ler isso hj! Demais!

    ResponderExcluir
  7. Lembranças...te-las é possuir tesouro incalculável, né Mi??
    Sou uma grande colecionadora delas, acho que pelo tantão que já vivi e por ter vivido tanto...rsrs
    Bjos com sabor de saudade dessa época boa da juventude!

    ResponderExcluir
  8. Puxa MíLi, que legal né? Uma bela lembrança bem contada e lembrada!
    Legal!

    ResponderExcluir
  9. Todo momento enesquecivel ficam ficam gravados
    para sempre em nossa memoria .
    Na verdade ficam gravados no coração até que nosso tempo dure.
    MInha querida que doces lembras!!
    Feliz final de semana beijos,Evanir.

    ResponderExcluir
  10. Aqui está um texto exemplar de como escrever uma crônica. Adorei, Milene. Bjos.

    ResponderExcluir
  11. MILENE,

    eu me comprometo com você que um dia serei capaz de escrever algo assim, algo que podemos e devemos chamar de um belíssimo texto de uma crônica impecável e absolutamente perfeita!

    Parabéns Milene, você é muito boa nessa difícil tarefa de fazer literatura.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  12. Ao ler esse texto basta apenas fechar os olhos para reviver esses momentos que jamais se apagarão das nossas memorias, belas recordações, vinte anos e lembramos de cada momento vivido ali. Nenhum outro foi tão bom quanto aquele carnaval,foi intenso, divertido, inesquecível. Parabéns pelo texto, escrito com riqueza de detalhes, e o clip me deixou emocionada, lindo de ver, bjs TE AMO SEMPRE. Gisele

    ResponderExcluir
  13. Nossa passei a noite sonhando em ver seu blog para saber onde vc me levaria, confesso que chorei em uma das mais amáveis recordações de nossa ´história... amo reviver tudo, queria ter o peder de exibir trechos de tudo para meus filhos. È incrível como a simplicidadade nos fizeram felizes e pode crer não existirá Lua semelhante aquela... Bjs Linda Mi

    ResponderExcluir

  14. Olá Milene,

    Deliciosas lembranças. Como é bom tê-las tatuadas na memória e no coração. Há momentos e pessoas que ficam para sempre.

    Linda e envolvente a forma como você conduziu o texto.

    O vídeo é uma fofura.

    Ótimo final de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  15. É como fechar os olhos e ouvir suas palavras numa roda de gente contando histórias boas pra aplacar os desassossegos dos dias.

    Pra saber mais sobre o meu livro é só clicar na imagem de capa no blog. Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Oi Milene, que lindo, que poético, terno. Agente sabe que um momento de nossas vidas valeu apena, quando aquele momento vira poesia. Eu me lembrei do meu tempo de criança, quando passava as férias no interior da minha cidade, na casa de minha falecida avó, era uma vida simples, em um pedacinho de chão magico, mas a felicidade que aquele lugar trazia, parecia não ter fim.

    Abraços, ha... meu Face: http://www.facebook.com/MarcosMariano.alfahed

    ResponderExcluir
  17. A vivência e emoção do momento, enfim ,nada disso pode ser roubado. E o que os olhos viram nada poderá apagar. Lindo texto, Milene. Mais um. Beijão e bom domingo!

    ResponderExcluir
  18. que bom que você viu, Milene, e mais do que viu, guardou na memória porque com certeza foram momentos inesquecíveis.
    Você falando de fita k-7, e de disco vinil, é minha amiga, a idade está pesando, hahahaha. Esse tipo de lembrança me faz lembrar o quanto a vida pode ser feliz e completa na simplicidade, se estamos com as pessoas certas, nas horas certas.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  19. Sonho lindo esse...visto e vivido em intensidade. Tudo era tão simples e a alegria não carecia de muito, quase nada, pra escancarar.
    Beijuuuss Mi_nina

    ResponderExcluir