quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

UM BOCADO DE VAZIO


Um bocado de vazio
salta no peito da gente
um bocado de palavra
dizendo coisa nenhuma
ecoa dentro da gente
num grito surdo, demente
roendo o resto do sonho
que era de matar a fome
gastou-se, o que é da gente?




Mais cedo eu comecei a rabiscar digitação e saiu esse negócio aí em cima. Parece um grito incontido de dor. Parece sei mais o quê. Não é lá muita coisa não. É que às vezes de vazio eu entendo. De tristeza e angústia eu ensaio. Mas não deixo “que fiquem, que pensem, que falem”... É mais ou menos o tempo de uns pernoites e pronto, é hora de dar tchau.

Por que ser triste demais é coisa de dar trabalho. Suplica tempo pra alma ficar quieta, ensimesmada, lacrimejando por qualquer mínima ausência do vento. Por que angustiar é coisa que dói, fere o peito numa profundidade que a mão da gente não alcança pra fazer um afago e fingir bálsamo.

Mas tem vezes de aparecer um vazio gigante, uma falta que a gente sente de algo que nem viveu ainda. Uma incompletude, sabe? E é de precisar um passo mais ligeiro em direção a um caminho qualquer. Falta uma bocarra escancarada pra abocanhar um pedaço significativo desse negócio estranho e fascinante chamado vida. Falta ir... Então, enquanto eu não vou, a vida caminha sem pressa, mas ela não é de se sentar pelo caminho a espera de vivente nenhum.

É que inquietude demais desnorteia e às vezes só se quer permissão pra sentir a leveza das coisas. Mas, daqui a pouco, eu sei, é festa cá dentro do meu peito e o vazio se preenche feito mágica da sublime arte de existir. O meu bocado de sonho fará o caminho de volta e me adormecerá por várias meninas luas.  Afinal, como bem falou o guri Léo Santos no Relicário, “é que a gente quer saber o que é ser feliz”... Pois é!


13 comentários:

  1. Vc falou tão somente o que acontece "dentro do peito da gente", Mi...

    Como diria Fábio Jr, "e eu só quero dessa vida é ser feliz...Eu não abro mão..." mesmo sentindo falta do que nem viveu, ainda...pois é, adorei mais esta, moça querida!!!

    Bjão

    ResponderExcluir
  2. Eita MíLi... Que texto e que poema hein? De se pensar várias coisas, sobre vários pensamentos contidos à contra-gosto que não soltamos e os guardamos por educação...

    Gostei!

    ResponderExcluir
  3. Úiaaa.. rs

    Beijo MilouKinha....

    DeusssssssssssssssssssssssKiajude

    ResponderExcluir
  4. Mi é maldade enorme eu dizer que gosto quando vc tem insônia e tb quanto fica angustiada e agora gosto quando sente vazio! Kkkk
    vc é como o rouxinol que quando canta triste encanto a todos!
    É tristemente poético isso né?!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. É assim messmo Muier. A gente bate, apanha, cai, levanta, erra, perdoa e é perdoado, são os fluxos da vida. O q não pode acontecer é estacionarmos. Viver e aprender só se concegue movendo, deixando para trás o vazio e se encher de novas coisices. Bjos.

    ResponderExcluir
  6. Gosto tanto de você....

    Obrigada por estar sempre por perto.

    Deixo uma musica...linda, linda.

    http://www.youtube.com/watch?v=ZMHoel8FIv0

    ResponderExcluir

  7. Olá Milena,

    Momentos de inquietude todos nós temos. Incomoda demais, mas passa, como tudo na vida. Quisera eu poder levar bálsamo para o seu coraçãozinho inquieto.

    Sinta-se abraçada, num abraço forte, carregadinho de energias. Momentos felizes a aguardam.

    Beijo.


    ResponderExcluir
  8. E são vazios tão ocos, e são nadas tão pesados que tentar preenchê-los é como derramar baldes de sombras num poço de escuridão. Mas basta uma única centelha para iluminar a alma... e ela sempre surge, não se sabe se do fundo do poço ou perdida dentro de algum balde. E a luz prevalecerá.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. E todos queremos, ansiosamente, preencher vazios. Nem notamos, algumas vezes, que os espaços não estão ocos, mas cheios de expectativas, aquelas que nos levarão a um amanhecer bem iluminado.
    O blog está muito belo. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  10. Adorei esse patchwork na minha cor predileta. Desse vazio, angústia que entra assim, sem mais ou menos, meu amigo Freud em seu texto (exaustivamente estudado por todo psicanalista) Inibição, sintoma e angústia diferencia assim a dor psíquica e a angústia: como se o eu angustiado já tivesse tido a experiência de uma antiga dor, cuja volta ele teme. A angústia é o pressentimento de uma dor futura...é a reação à ameaça de uma perda eventual. Então Mi_nina, de vazio vc entende e de angústia e tristeza tb. Não há ensaio...é direto no palco da VIDA que a gente sente. E como vc sente!!!
    Beijuuss

    ResponderExcluir
  11. Aê, visual novo, Milene! Gostei! Ficou mais eleve com a cor branca. Prefiro assim.

    Olha, angústia, vazio, tristeza, enfim tudo isso faz muita parte da minha vida e acredito que também da vida de muitas pessoas, assim como a sua! Fique com meu abraço e meu beijo.

    ResponderExcluir
  12. Tudo muito lindo amiga Milene, e os seus textos sempre reflexivos e impecáveis,
    muito bom!

    forte abraço e saudações alvinegras.

    c@urosa

    ResponderExcluir