domingo, 24 de fevereiro de 2013

UM COICE NA PACIÊNCIA


Definitivamente não dá! Eu bem tentei acabar o domingo em paz com a vida e o que ela me traz, como canta Roberto, o Rei... mas não deu. Inventei de não ouvir música e liguei a minha humilde TV de antena quebrada que crio no quarto, a fim de conferir as notícias do Fantástico, o Show da Vida.

Como diria minha amiga e cúmplice, Simone: “caraca, Mané”! Se isso é o show da vida, a gente tá bem ruim de espetáculo, viu? Foi uma chatice em cima da outra, me dá sono só em lembrar, mas como sei que vocês tinham coisa melhor pra fazer no fim de domingo e não tiveram o desprazer de degustar essa bagaceira, eu vos direi, generosa e sádica que sou.

Bora lá. Houve a apresentação do menor supostamente responsável por lançar o negócio que matou o garoto no jogo na Bolívia. O mocinho assumiu a culpa e disse que foi o único responsável por todo o processo. Comprou o produto, carregou na sua mochila e os moços educados, pacíficos e maiores de idade da sua torcida organizada nada sabiam. Eu acredito nessa versão, vocês não? Aliás, vou falar pro coelhinho da Páscoa que quero também ovos de chocolate branco. Não gosto de tudo uma coisa só.

Aquela moça do cabelão liso e loiro, repórter que só aparece quando algo ruim acontece lá na Europa, surgiu hoje toda lacrimosa falando do afastamento do Bento, quase ex-papa. Pensei: “Essa mulher está falando nessa sentimentalidade toda porque o galego morreu? Onde andei que estou tão desinformada?” Quando estava quase lacrimando feito ela, percebi que o chororô era apenas pela sua demissão do cargo de religioso mor do planeta. Deixem o homem!

Na parte do Doutor Dráuzio Varela eu não posso contar tudo porque corri pra ligar meus fones de ouvido e topar o volume ligeiro. O que tenho eu a ver com o fato do sujeito desbotar a mão por lavar setecentas vezes? O Doutor do Carandiru é simpatiquinho, eu gosto, mas tem horas de ser o próprio remedinho de fazer sono.

De insuperável bizarrice foi a matéria sobre o hambúrguer feito de carne de cavalo. Não há muito o que ser dito diante de tamanha falta de assunto. O sujeito ainda foi às ruas fazer as pessoas provarem a iguaria, tentando adivinhar qual era o bovino ou o equino. Faltou-lhe um belo coice de cavalo vivo bem no meio das fuças e um sonoro “vá se lascar” da população.

Domingo que vem vou me lembrar do Rappa cantando “mas não me deixe sentar na poltrona num dia de domingo” e procurarei coisa melhor pra fazer. Em qual instante me dirão “desligue a TV e vá ler um livro”? Digam. Talvez eu vá... ou não. 

Estou com sono. Vou dormir porque Doutor Dráuzio certamente aconselharia. Antes ouvirei outra vez essa canção. Nada tem a ver com as besteirices escritas. Tudo tem a ver com quem as escreveu. Sim... ou não.

Beijos... E poupem-se dos hambúrgers por uns dias. Os pobres cavalinhos são tão bacaninhas galopando com folgados em suas garupas, pra cá e pra lá, não merecem tal crueldade.





12 comentários:

  1. Domingo eu quero ver domingo acabar...
    Depender dos canais abertos é uma lástima!

    ResponderExcluir
  2. MíLi, você é um barato!

    Gostei das suas críticas, e realmente concordo com várias aqui. Parabens minha amiga!

    Tenha uma semana abençoada!

    ResponderExcluir
  3. É fantástico! O texto, pq o programa é uma merda! Fui...
    Bjos e boa semana, Muier.

    ResponderExcluir
  4. Hehehehehehe.Nada como um bol livro para encerrar o domingo. Ou um bom filme. Por que a programação da TV ninguém merece.
    Uma ótima semana pra ti!!

    Bejus

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkkkkkkk que belo programa você encontrou para terminar seu domingo!
    Mas é assim, quando não se tem nada para se apresentar, apresenta-se qualquer coisa. Nessas horas eu estava conversando dobre pescaria, jogando cartas e conversa fora com alguns amigos. Não perdi muita coisa né?

    Abração.

    ResponderExcluir
  6. É bucha mesmo!! Não dá pra querer. Pior é que na hora do Fantástico eu vou pro GNT e assisto o JÔ e suas reprises. Só que é reprise da reprise da reprise. PQP! Não dá mesmo! Melhor ler! beijos,chica

    ResponderExcluir
  7. Mi, assistir ao fantástico estava me deixando com depressão, agora só passo para dar umas espiadas...
    Aliás, nada mais depressivo para mim do que um entardecer de domingo...
    E olhe que eu estou aposentado, hein?
    O efeito "pré-segunda-feira" é muito forte e deixa traumas mesmo para quem não vai mais trabalhar no dia seguinte!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Ah pois eu tive a felicidade, diferente, nesse domingo de almoçar com amigos e prosear até a lingua inchar! Quando voltei pra casa,já tarde, arrumei umas coisinhas daqui, outras dali, pra iniciar e enfrentar essa última semana de fevereiro! Mas tenho, ainda, o plano básico da net o que me dá uns canais a mais pra assistir alguma coisa que não seja esse show da vida.
    Beijuuss Mi_nina fantástica

    ResponderExcluir
  9. Vai ler um livro mulher! Kkkk
    O meu de preferência! Hahahaha

    ResponderExcluir
  10. Sei não, mas acho que estás ficando maluca. Querer encontrar o razoável na TV é coisa mesmo de doido. Meu beijo.

    ResponderExcluir
  11. Todos os domingos troco programas de TV por um bom filme. Se não houver lançamentos na locadora, pego um daqueles bem antigos, cujos detalhes a memória, certamente, já me escondeu (hehehehehe). Grande beijo!

    ResponderExcluir
  12. Olha, Milene, não vi o Fantástico, mas acredito piamente em vc. Confesso que fico triste quando vejo o Dráuzio, me dá uma sensação de depressão aguda. A Ilze Scamparini, a repórter do Vaticano nunca riu na vida. Nem sei como são seus dentes... Enfim... Gostei do texto. Bjssssssss

    ResponderExcluir