sexta-feira, 1 de março de 2013

CHÃO QUEBRADO

Do sertão eu não sei de ter visto, sei apenas de ouvir falar. Do sertão se conhece a peleja desde a vida toda. É um povo bravo, que ama tanto a terra mesmo quando ela se quebra inteira, rejeitando plantação, renegando vida. Os mais velhos espiam pro céu e lamentam que esse ano parece não ter pretensão de chuva.

Se pode pensar que lá no céu, depois de conferência feita, decidiu-se que o Nordeste deve amargar secura, sem chance de terra molhada. Se não tem chuva, cadê o pasto? Cadê o capim pros boizinhos brancos e malhados não morrerem à míngua por falta do que comer? Aí se escuta a velha e repetida cantiga na vitrola quebrada, dizendo do povo passando aperto, chorando a água que não caiu, saindo do campo pra cidade grande em busca do sonho de concreto, tão duro quanto a ausência do sorriso na face de quem os recebe.

É pra bem dizer uma tragédia que não se acaba. Faz pra mais de trinta anos que não se tem notícia de uma recusa de chuva dessa espécie. É uma tragédia continuada que deixou de ganhar manchete porque nesse mundo de correria tem coisa mais urgente pra se noticiar: a namorada nova do Neymar; a gravidez da Ivete Sangalo; a cubana que só quer um papel higiênico mais macio; as férias vitalícias do Bento...   Mas todo dia acontece do bicho morrer de sede e fome, do homem forte chorar porque o Sol é de rachar e não dá trégua, porque do chão não se tira mais o sustento.

Aí o moço disse na internet que era preciso jogar uma bomba no Senado e também aqui em Alagoas, porque somos todos pais e mães do Renan e do Fernando, o Collor. Todo mundo se indignou com o moço, quer dizer, quase todo mundo, porque sempre há os que acham engraçado. Eu não me indignei, nem achei engraçado. Eu ignorei o moço porque é assim que se faz com cretinos. Acho que o moço esqueceu que o Senado só tem esse presidente bacaninha porque os senadores dos outros estados, todos honestos e trabalhadores, o carregaram até lá. Pois, não é pra se festejar que naquela casa ilustre apenas esses dois políticos sejam mal intencionados e todo o resto sejam homens de bem? O Brasil está a salvo. Comemoremos! Talvez seja o caso de nós alagoanos pedirmos desculpas por macularmos a santa imagem da política brasileira.

Enquanto isso, com a absoluta conivência e falta de vontade de todos os cretinos mandatários dos podres poderes, a população de uma região inteira se arrasa pela falta de perspectiva. E o homem que ama a sua terra fraqueja e vai embora pro Sudeste que já não comporta mais tanta gente, tentando acreditar nos dias melhores que virão depois do Sol.






15 comentários:

  1. Milene, você e tua indignação comovem a esta amiga que te conheceu olhando nos olhos, pq sabe como é grande esse ser que se agiganta diante de tudo isso que expôs com uma veemência digna de aplauso, de exemplo, de ser lido e pensado...

    Sabe, Mi, desconfio que as notícias que ganham manchete estão perdendo a força, são apelos de uma mídia que tem perdido terreno...eu sinto que apesar de tantos descasos e impublicáveis notícias, existe uma marcha ainda lenta de conscientização e novas perspectivas, que refletem a parte mais relevante, na minha opinião, da tua bela escrita: "todo dia acontece do bicho morrer de sede e fome, do homem forte chorar porque o Sol é de rachar e não dá trégua, porque do chão não se tira mais o sustento.""

    Com pesar concordo com vc, e embora sinta uma urgência em acreditar que meus sentidos estão certos, sou testemunha dos resultados pouco animadores para teus irmãos nordestinos que chegam no sudeste cheio de esperanças na bagagem de mão...

    Só consigo pensar numa coisa pra te dizer, Mi...te admiro mais, mas muito mais, do que sejas capaz de supor!!!

    Beijos da companheira de porão, da amiga de coração!!!

    ResponderExcluir
  2. é Milene, uma situação dolorosa que se arrasta em sucessivos governos. se dessem esta parte do Brasil pra ser explorada por japoneses, em alguns anos seria a mais rica do país. não é um desejo, apenas um exemplo de falta de vontade politica. bjs

    ResponderExcluir

  3. Oi Milene,

    Você está absolutamente correta em suas considerações e indignação. Creio que se o sofrimento do povo nordestino ganhasse relevância na mídia, que tem também uma função fiscalizadora e de cobrança, nossos ilustre políticos voltariam seu olhar para aquela região, promovendo mais estudos e ações efetivas que pudessem pelo menos aliviar a questão. Se o homem tem capacidade para chegar à lua, por quê lhe faltaria criatividade para ajudar aquele povo tão sofrido? Não dá mesmo para entender porque um problema secular continua sem solução.

    Gostei mesmo foi de sua expressão: "tão duro quanto a ausência do sorriso na face de quem os recebe".

    Beijão, admirável amiga.

    ResponderExcluir
  4. A transposição das águas do Velho Chico poderia amenizar essa agonia... mas virou um irônico "é dando que se recebe", para tristeza do santo do rio e dono da frase, angústia do sertanejo e vergonha dos políticos de todos os cantos do Brasil varonil.

    Beijo, poetisa dos boizinhos famélicos. E que o céu chore por aí.

    ResponderExcluir
  5. Incrível isso,Milene. E te pergunto: Até quando esse povo será obrigado a isso? Pena! beijos,chica

    ResponderExcluir
  6. MILENE ,

    as necessidades básicas e reais do nosso povo não são mais noticiadas, pelas exclusivas razões apontadas por mim, na minha postagem , no FALANDO SÉRIO:" Seja seletivo com o lixo do noticiário".

    Sabe MILENE, às vezes eu escrevo sobre certos temas e fico torcendo para estar equivocado, mas infelizmente, na maioria das vezes acerto.


    A sua importantíssima e competente postagem que é um libelo , a seu modo, daquilo que pensamos, vem reforçar o que lá está colocado.


    Excelente matéria!

    Um abração carioca


    ResponderExcluir
  7. Em época de campanha os candidatos prometem de tudo, até resolver esse problema. Mas falta vontade, não o dinheiro, desviado para bolsos e programas que chamem mais a atenção e angariem votos. Confesso que os efeitos da seca me trazem dor. Animais morrendo, plantações destruídas, pessoas passando fome e torcendo para que a chuva chegue. Nem todos abandonam a terra, apesar do sofrimento. Sobrevivem de esperança, mantendo, ainda, uma capacidade para sorrir que me impressiona. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  8. O sertão fica a algumas horas de mim. O texto está ótimo e tal...
    Entretanto, há muito mais concreto e antenas que fissuras no chão.
    Velhos estereótipos devem ser revistos com certa urgência.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. É minha cara Milene. E o descaso desce morro abaixo e nem sei mais aonde vai parar. Porque consciência e vergonha na cara os cretinos não tem mesmo.

    Bela a tua matéria que deixa registrado sua revolta em nome do povo tão sofrido!

    Beijos.


    ResponderExcluir
  10. Aqui, quando nã chovia durante muito tempo, faziam-se procissões para que chovesse.
    Aí também, pelo que vi numa novela qualquer (talvez na Gabriela).
    E é uma boa coisa, porque depois chove sempre (ainda que demore meses...).
    E é sempre melhor do que bombas no senado. Ainda que muitas vezes, eles (os senadores e outros políticos de meia tigela) façam por merecê-las (às bombas...).
    Milene, minha querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Que texto excelente, Milene. Endosso as suas palavras e a da Marilene também. Nem tenho muito o que acrescentar. Bjs e boa semana.

    ResponderExcluir
  12. Ahh Mi, que bojo de gente ignorante! Essa mania besta de um estado achar que é melhor que o outro é muito ultrapssada! Somos todos um povo só e colhemos as consequencias juntos!
    Que texto maravilhoso! Espalhe ele bem porque merece!
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Como diz o compositor e cantor "...a dor da gente, não sai no jornal..."
    Pois que a dor e a realidade saia em forma de crónica, ou outra qualquer via, que dê voz aos que já estão roucos de tanto gritar... e que os bons ventos arejem os pensamentos de quem tem a obrigação dos sonhos realizar!

    Beijos MIamada

    ResponderExcluir
  14. Nunca compreendi e creio que jamais conseguirei. Depois do que tive oportunidade de ver (florescido e frutificado) em pleno deserto do Sinai a indignação só fez aumentar...desde meu vale do Jequitinhonha até todo esse sertão. Se lá conseguiram, desenvolveram e exportam a tecnologia e técnicos pra implementar o programa, pq não aqui???!!! Fico triste Milene, muito mesmo, vendo as imagens de uma realidade tão dura e sofrida...só posso mesmo, pedir que se faça outra conferência lá no céu (pq por aqui sou descrente)e que decretem água em abundância! Ah e do besta da internet nem falo nada. Vc bem falou!
    Beijuuss Mi_ninamaaada

    ResponderExcluir