quinta-feira, 7 de março de 2013

DUAS FALAS



O que me move? Por que será que o que faz alguns mudar montanhas de lugar, não me inspira nem a suspirar?

O que tem no meu olhar a me fazer enxergar o que verdadeiramente desejo, tão distante? Não passará a tal ilha sonhada de uma miragem produzida pela vontade encerrada no meu coração? Ah, esse moço – o coração – tão louco! Mas, esperar o quê de quem não tem razão e tenta, em vão, encontrá-la no imponderável?

Não devia, usando a minha mente cheia de razão, esperar por algo, alguém ou uma mudança de situação pra assim poder ser feliz. Mas, do que adianta um cérebro cheio de certezas se o que bombeia e me faz pulsar, fala mais alto e faz calar?

E se eu mandar, nem que seja aos berros, calar o tal coração pra dar voz à razão e perceber que sem essa música repetitiva que me manda ser feliz não vale a pena viver?

Sim, eu sei que por hora acabo de me contradizer. Mas, são sempre duas falas a se confrontarem dentro de um só ser: a que grita e manda falar...  a que sussurra e manda calar.

(Da anônima mente)



A MIM FOI CONCEDIDO O DIREITO 
DE ARREMEDAR POEMA A PARTIR DO TEXTO ACIMA, 
ANONIMAMENTE LINDO. ASSIM O FIZ:




De dia, acordo razão
dizendo: não, coração!
já basta o que você fez
calou a minha sensatez

e agora sou só escombro
do que fui e sequer me lembro
um vulto de sanidade
vestindo falsa verdade

De noite me rouba a fala
agindo descompensado
suplico e você não cala

Coração, bobo emotivo!
talvez eu morra de amar
só de amor ainda vivo

(Milene Lima)




25 comentários:

  1. Essa mente delirante de amor me fez quedar as armas e, emocionadamente, calar o que meu olhar sabe ser uma miragem verdadeiramente produzida pela vontade do coração...

    Sem mais nada a dizer...aplaudo!

    ResponderExcluir
  2. Meus apRauzos, assim como Denny...

    Sigo bi-polar mas bi-calado nessa bi-poesia que bi-fala e bi-grita.. rss

    DeusssssssssssssssssssssssssssssKiajude

    ResponderExcluir
  3. Poça de razão
    Ouça coração
    Moça, para não!

    ResponderExcluir
  4. "e agora sou só escombro
    do que fui e sequer me lembro
    um vulto de sanidade
    vestindo falsa verdade"

    diretamente para mim.

    Adorei o poema e o espaço.

    Beijo,

    Naty

    http://borderline-girl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. grande poeta amiga, simplesmente adorável, doce e arrebatador. adorei! bjs

    http://eubipolarbuscandoapaz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Que seja sussurrando ou loucamente gritando, ele busca a emoção. Até a insanidade, quando abraça sua verdade, se transforma em lucidez. Muito belo! Grande beijo!

    ResponderExcluir
  7. Morte boa essa. Quando fui invadida pelo ET dizia eu pros doutores: sosseguem pq de ca não morro é de jeito nenhum. Sei que vou morrer é do coração...de amar e amar e amar...
    Beijuuss Mi_nina amaaada, cronista e poeta amorosa de ser!

    ResponderExcluir
  8. Que sensação boa ler isso...como eu não sinto a muito tempo...
    Amei!!
    Beijos
    Anna

    ResponderExcluir


  9. Sua anônima querida / Tu mesma... Te admiro

    Kandandos atravessando esse Oceano alterado, levam um beijo de bonança.






    ResponderExcluir
  10. Chove melancolia...
    Suspiro embaça janela.
    Revelando tua mão de poeta...

    lindo !


    beijo

    ResponderExcluir

  11. Eu gostei demais!

    "Coração, bobo emotivo!
    talvez eu morra de amar
    só de amor ainda vivo".

    Um abraço especial pelo dia (você é uma mulher encantadoramente encantadora. Adoro este seu jeito inquieto de se expressar).

    Beijão.

    ResponderExcluir
  12. És mulher! És todo um mundo!
    És a árvore da vida
    Enraizada em chão fecundo
    Tua fronde florescida
    Já buscando o céu profundo
    Já de um poeta vagabundo
    Em versos enaltecida!


    Hoje é na base da tesoura e cola.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. 100N, coração não se cala, todos q tentou controlá-lo perdeu a razão e deixou o tempo passar sem viver. Bjos.

    ResponderExcluir
  14. Milene,
    Em busca da harmonia, do equilíbrio, caminhar com os medos a tiracolo talvez ajude. E, claro, uma boa dose de humor (como o seu) é fundamental.

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  15. Obrigada pela visita e palavras carinhosas! Bonito aqui também! Beijos

    ResponderExcluir
  16. Caraca Mi! Ficou ótimo viu! Gostei demais dessa sua versão e o texto é bom demais!
    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  17. Quando se assim é, nada a fazer...
    apenas viver e amar e se o amor te beijar, amar mais ainda...
    quem é do amor só pode sentir assim, poetisa!!!
    beijo

    ResponderExcluir
  18. Nossa, Milene, seu Poema calou fundo como o final perfeito para o texto anônimo. Sou suspeitíssima a opinar...embora seja um poço de razão discernimento, com a perspicácia como um Grilo Falante a falar aos meus ouvidos, SEMPRE acabo por achar que o amor é o que faz a vida valer a pena. Que grite ou que cale...mas que esteja sempre pulsando. Um abraço!

    ResponderExcluir
  19. Olá minha cara amiga Milene, adorei o poema, lindo, lindo! E o nosso maldito (ou será bendito?)coração razão...sempre em disparada aprontação!

    forte abraço e saudações alvinegras com mais um título na sacola.

    c@urosa

    ResponderExcluir
  20. O amor tem essa capacidade de se regenerar. Não se gasta. Quanto mais se distribui, mais aumenta. E os corações sensíveis batem descompassados durante toda a vida. Foi bom voltar e reler seus versos.
    (diario-feminino.blogspot.com)
    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  21. Como calar o coração? O cérebro tenta mas nunca consegue, sempre é vencido. Seu poema é lindo, Milene. O texto é ótimo e pena que não se saiba o nome do autor. Bjssss

    ResponderExcluir