sábado, 27 de abril de 2013

O OUTRO NOME



“O que tu tá fazendo aí nesse nome?”, perguntou-lhe o amigo surpreendido com o seu chamado na janela.  “Eu agora só tenho esse nome”, respondeu, num quê de mentira mal contada, a qual ela própria desacreditava.

Gostava de fugir. Se não lhe eram possíveis as fugas mais audaciosas, praticava as que lhe dessem algum retorno imediato... Um refresco na quentura insuportável que haviam se tornado aqueles dias. Pediu a chuva. Fez arremedos de versos para ela, mas isso foi de pouca valia. Não que não houvesse aparecido a chuva. Os dissabores é que estavam encardidos demais para serem clareados na ligeireza de água que o céu derramou. Seguiam ali, os dissabores encardidos, feito sombra aonde quer que seus passos caminhem.

“Tudo culpa desse mês de abril”, resmungava para os seus próprios botões cansados de tanta queixa. O mês em questão, segundo a sua percepção desatinada, parecia ter trazido os seus trinta dias desprovidos de boa vontade. Passavam rabugentos e ela, numa súplica silenciosa, pedia que se aviassem.

Tola. Um nome é apenas um nome. Fosse abril ou janeiro, tivesse ela um ou dez nomes, os desassossegos não trocariam de roupa apenas por sua vontade. De nada adiantaria cortar caminho por atalhos supostamente facilitadores; era preciso viver, um a um, todos os dias que passavam sem o menor senso de humor e até lhes oferecer um riso amarelo, deixando cair a faca entre os dentes.

Estava agora naquele nome, na outra janela, mas era a mesma indisfarçável alma. Era o velho coração, o que adorava se aventurar em caminhos pouco seguros e, exausto, se percebia a esmo sem saber direito como voltar pra casa. Eram os pensamentos de outrora insistindo passos perigosos entre o racional e o absurdamente emocional daquela linha sutil. Eram os fiapos de sensibilidade, danosos ou benignos, a se misturarem num emaranhado de lucidez insana, lhe mantendo viva.

Ao amanhecer, fitará o espelho em busca de respostas que certamente não virão. Chuvas adoradoras de poesia, dissabores encardidos e teimosos, rotas de fugas inúteis... Um nome é só um nome. O fitar-se no espelho de dentro é o que define como serão os passos nos fragmentos de tempo de cada amanhecer.

Ela sabe. Ela sabe?

8 comentários:

  1. A gente sempre sabe... Nem por isso consegue toda vez fazer algo a respeito.

    bjos!

    http://borderline-girl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. STAT ROSA PRISTINA NOMINE, NOMINA NUDA TENEMUS

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Stat_rosa_pristina_nomine,_nomina_nuda_tenemus

    Beijos, Mi Lene... Pétala... Bruxinha... Mi Minha.

    ResponderExcluir
  3. Adorei a imagem!
    Texto lindo e reflexivo. Será que ela sabe? Sei não...
    Um ótimo findi pra ti!!!

    Bejus

    ResponderExcluir
  4. Um grandioso texto, Milene. E o coração sempre gosta de se aventurar pelo locais errados e mais complicados. E sim, ela sabe. Beijos e bom final de semana!!!!

    ResponderExcluir
  5. Ela sabe falar com beleza sobre qualquer situação que vivencie. De suas esperas e da falta de respostas. Ela sabe encantar, com aquele jeito de quem sente o batuque do coração, a cada momento. Muito belo!!! Bjs.

    ResponderExcluir
  6. se ela sabe eu quero as respostas,kkkkkkkkkk me achei aqui, sou assim tb. :) bjs

    http://eubipolarbuscandoapaz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

  7. Oi Milena,

    Hum...!
    Melancolia à vista.
    Menina sabida. Faz perguntas, mas tem as respostas.
    Adorei este pensamento final: " O fitar-se no espelho de dentro é o que define como serão os passos nos fragmentos de tempo de cada amanhecer".

    Beijão.

    ResponderExcluir
  8. E eu que nada sei canto:

    -Meu coração não se cansa
    De ter esperança
    De um dia ser tudo o que quer
    Meu coração de criança
    Não é só a lembrança
    De um vulto feliz de mulher
    Que passou por meus sonhos sem dizer adeus..

    https://www.youtube.com/watch?v=klarimpa2ls

    beijo

    ResponderExcluir