terça-feira, 2 de julho de 2013

CINQUENTA E SETE


Cinquenta e sete canções passeiam pelos meus ouvidos enquanto a noite lá fora acontece sem que eu seja sua testemunha. Gosto de testemunhar os passos da noite e os seus desvarios, mas aqui de dentro, inadvertidamente protegida por essas paredes de concreto, eu quase não a percebo. Cinquenta e sete canções dizendo o amor e a sua multiplicidade, o amor e suas mil formas, porque é certo que o amor jamais será visto ou sentido de um jeito só.

É simples o meu jeito de amar, simples e bonito, a mim foi feita hoje essa afirmação e eu gostei que só, embora ainda não tenha conseguido a real percepção de como seja isso. Talvez, só talvez, seja assim percebido porque eu não precise de muitos motivos para amar. Por que as minúcias me cativam e me bastam. Por que se depois o amor não for bom, verei o que fazer com ele, mas antes, o risco de esmiuçá-lo eu vou adorar correr.

Enquanto as cinquenta e sete canções se revezam na missão de me inundar de sentimentalidade, e a noite, à minha revelia, segue caminhando lá fora, eu me lembro da recente visita da borboleta de asas em preto e amarelo no meu quarto. Havia ali uma situação de amorosidade e encantamento dela, a borboleta bonita, em relação àquela luz artificial enquanto a rodeava feito fosse o seu palco suspenso. Ela talvez jamais alcançasse o porquê, mas seguiria batendo as suas asas de cores imponentes, tentando dar algum sentido à noite de chuva fina e frio farto acontecendo lá fora.

Amando é mais fácil caminhar. Amando o imperfeito e o bonito. Amando simples ou complexamente, feito a borboleta apaixonada pela luz artificial, minha visita de outrora. Ame-se e cante-se cinquenta e sete mil vezes sete.





13 comentários:

  1. A música sempre consola.
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  2. Sem amar os bens, mas o bem, defino o amor milenístico.

    Socialize isso com o mundo, na leveza de uma borboleta, ou de uma pétala rosadinha. (tanto faz)

    Te amo, mulé. Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Pois, que o amor seja como a largata que no seu casulo vai se alimentando para se tornar bonita como só, somente borboleta de amar. Bjos, 100N.

    ResponderExcluir
  4. A Srta esta a cada dia mais brilhante! A borboleta é sem duvida uma das melhores inspirações para esse amor grandioso! abração

    ResponderExcluir
  5. Lindo sempre te ler e amar e o amor fazem bem e podem ser parceiros de caminhada sempre! beijos,chica

    ResponderExcluir
  6. Milene,
    amar é vida e desamor é vida também..
    não exultar de felicidade pela presença do amor ou não murchar pela ausência desse amor é que é não viver, é que é ser triste...

    ResponderExcluir
  7. Puxa MíLi que texto lindo!
    Cinquenta e sete canções as vezes parecem muito, mas as vezes quando nos percebemos vemos que sempre cabe mais uma no nosso ouvido e nos nossos pensamentos!

    Um breijão!

    ResponderExcluir
  8. Muito lindo. De novo.

    Bjos, baby!

    Não quer participar do #ProjetoEuMeAmo ? ;)

    http://borderline-girl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Que doce!
    Tá bamorando é?! Mulher quando fica romântica assim, sei não ... kkkkk

    Beijooos

    ResponderExcluir
  10. Gosto de te ver, enfim,
    Derramando amor assim
    Por esse mundo sem fim
    Sobra um pouquinho pra mim...

    Beijos. Uns 57, acho.

    ResponderExcluir
  11. Que as canções sempre passeiem pelos seus ouvidos, inspirando-a a externar, com essa beleza, suas emoções. Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Repito: não sei se gosto mais das suas crônicas ou desses textos inspiradíssimos que vc escreve. Muito bom,Milene! bjssss

    ResponderExcluir
  13. É muito amor em um post só... (suspiro)
    Linda imagem!

    Bejus

    ResponderExcluir