terça-feira, 30 de julho de 2013

O PAPA É MASSA


Ainda é segunda-feira. Eu ainda tenho cólica, fiel companheira desse dia sem chuva. É segunda-feira, eu tenho cólica e um tanto de nostalgia pra esse fim de noite fria. Não está de todo ruim.

Foi-se de volta para o mundo dos inatingíveis o Papa Chicão. Será? De todo o meu coração eu espero que não. Que se revele em mudanças significativas todo aquele carisma traduzido em mais de três milhões de pessoas ávidas pelas suas palavras nas areias quentes daquela praia bonita. Meu encantamento não é de religiosa. É de quem gosta das pessoas de bem o meu encantamento, e parece ser assim o Papa Francisco, carregando a mesma humildade do santo que inspirou o seu nome escolhido e disposto a dar a sua contribuição pra que esse mundo caminhe, em todas as esferas, pra ser uma coisa melhor.  Eu queria uns minutos de prosa com ele, falaríamos descontraidamente sobre o céu e o chão.

Mas aí, em meio ao mar de gente cantando a paz e ouvindo a voz do homem de fé, estavam as vadias e os seus gritos de... Gritos do quê mesmo? A marcha das vadias me queimaria na fogueira dos sutiãs de outrora, caso lessem tamanho despautério da minha parte, sendo eu mulher e não lhes atestando o meu sacramentado apoio. Só que eu não entendo esse protesto e peço desculpas pela minha total falta de leitura antropológica, sociológica e afins. Então, é preciso mostrar peitos e bundas pro Papa, para se dizer o quanto é sofrível a condição da mulher? Então o Papa deveria, lá do alto da sua contemplação religiosa, dizer “sim, abortem o quanto quiserem”? Então, quebrar crucifixos e imagens é uma atitude descolada, intelectual e lógica, para se demonstrar o porquê de se exigir um estado laico? Estivesse lá o Pastor Feliciano, lendo os cartazes de “Sou GLBTSXASWQW e o Feliciano não me representa”, ele certamente diria: “aleluia, irmão, obrigada por isso”.

O fato é que o papa mais pop de toda a história partiu de volta para o seu aconchego europeu, enquanto por aqui ainda se respira a sua presença. Há quem também se sinta aliviado com a sua partida, como por exemplo a pestinha Isabella, que vivia a resmungar pelos cantos que “nesse Brasil não se assiste mais uma novela, depois que esse Papa chegou”. Não é fácil a minha adventistazinha.

Diminuindo as matérias televisivas sobre a JMJ, voltaram as notícias do país em toda a sua intrínseca feiura. IDH pra cá, taxas sei lá do quê, pra lá... E que estado do país estaria tal qual o Rubinho Barrichello na corrida pela educação? O meu, é claro! Alagoas quer carregar esse troféu ao contrário pelo resto da existência, é o que parece. Na terra do presidente do Senado, o viajandão dos aviões da FAB, educação é artigo de luxo, oxente! Fico cá imaginando o quanto consternados os meus senadores estão diante de tal situação constrangedora. Penso num diálogo entre Collor e Renan, que seria mais ou menos assim:

- Presidente, Vossa Excelência viu no JN, que continuamos carregando a última colocação no quesito educação nacional?

- Fale baixo, meu querido inimigo político. Vai que o povo de lá desperte e perceba a boa bisca que nós somos, enquanto dorme está garantida a nossa cadeira.

- Verdade, Excelência. O senhor é dos pilantras, o mais inteligente. Deixemos dormentes os arigós conterrâneos. Sem educação eles não saberão jamais o que fazer com o poder que tem nas mãos.

Deixemos pra lá os abutres. Quero dormir com a paz e perspectiva das palavras do Francisco, que acha possível católicos, evangélicos, outros religiosos e até os que não tem religião alguma, serem tudo uma coisa só, desde que se proponham a fazer o bem. Gosto disso que só!


13 comentários:

  1. Olha Mi, o Papa cativou muitos corações, independente do credo, da religião. O meu, ele conquistou com as atitudes pequenas, mostrando a Sua grandeza, revelando a que veio. Discurso e atitudes em plena concordância.
    E na entrevista concedida arrematou de vez milhares de corações!!

    Que pena que vc não teve o dedinho de prosa com ele, bem capaz seria que vc brilhasse mais do que a Fafá naquele vestido discreto....rs

    Lamentável o que presenciamos de "protesto" e de mal gosto nos discursos politiqueiros - não convenceram Francisco não, tsc tsc tsc... que vergonha.... que massa que o saldo positivo faz poeira alta pra tudo isso, eu curti a vinda do Chicão, que as sementes dêem frutos e a paz esteja entre nós!!!

    Meu beijo, moça querida!!!

    ResponderExcluir
  2. Estou apaixonado por esse Papa, Milene. Já tô com saudades! Que ser especial, que carisma, que paz, que simpatia! Estávamos precisando disso, independente de religião.

    Apesar de católico, sou a favor do casamento gay, do aborto e da camisinha, porém, a revolta das vadias foi uma PALHAÇADA. Invadir uma jornada, quebrar imagens de Nossa Senhora e crucifixos, exigindo RESPEITO? Dá um tempo...

    Sim, o Papa foi embora e os pecados do país voltaram a ficar evidenciados. Bjão

    ResponderExcluir
  3. Eu, desde o primeiro dia dele no pontificado, achei maravilhoso! Não sou dessas coisas mas sou fã do Papa Chiquinho,rs beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Desfocado o sonho
    dilui as formas angelicais.

    [mas ficaram exemplos de Francisco I]


    Beijo

    ResponderExcluir
  5. AMÉM, galeguinha!
    E diga à Isabellinha que a JMJ foi só um capítulo da grande novela da vida.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Milene, além do seu carisma, ele é uma pessoa de nosso tempo, sei q será difícil de mudar o status quo da igreja, mas já valeu a pena pela suas ideias e toda bondade e legitimidade de sua simplicidade. Viva os Chicos, Papa, Xavier e o Rio. Bjos.

    ResponderExcluir
  7. Mi sabe que vi dois ateus discutindo por causa do papa bo face?!
    Um falou mal do Papa e o outro pediu para ele guardar a opinião dele e não ofender as pessoas!
    Achei genial. Quer dizer, esse Papa é tão fofo que conquistou até ateus!!! Lindo isso né?!

    ResponderExcluir
  8. Show de bola o teu texto Milene!
    Imaginei-me lendo um texto do Alexandre Garcia, tão grande é capacidade de falar de forma extremamente inteligente sobre coisas que realmente importam.
    Show de bola o Papa Chicão!

    ResponderExcluir

  9. Olá Milene,

    Gosto demais destas suas crônicas que focalizam aspectos diversos dos acontecimentos de uma maneira leve, séria e divertida.
    Quanto ao Papa, corroboro de sua opinião. É mesmo uma Papa carismático, humilde e simples, e que encantou a todos com suas atitudes e palavras de fé, amor e esperança. Comungo também do entendimento de que todos os caminhos levam a Deus, independente de crença ou ideologia religiosa, desde que se pratique o bem, o amor ao próximo e a caridade.

    Adorei. Parabéns!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Fechou com chave de ouro sua bela crônica. Passeou pelos acontecimentos, criou um diálogo cômico com verdade indiscutível, e aplaudiu o Papa sem se envolver no aspecto religioso, reconhecendo seu carisma que alimenta esperanças. Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Oi MíLi!
    Eu acho esse papa um cara legal! Bem humano, bem humorado e até um pouco subversivo em seus sermões.
    Eu tenho uma visão evangélica de religião, mas posso te afirmar que esse papa é gente fina, e que vai trazer muitos frutos para o cristianismo.

    ResponderExcluir
  12. o papa é pop! ele falou: não me gusta jovens que não são revolucionários. só isto já me conquistou! que Deus dê vida longa pra ele. desculpe o sumiço mas ando envolvida com a administração de um grupo bipolar e dá mt trabalho, mas agora estou me organizando pra voltar pra blogosfera que eu tanto gosto. bjs

    ResponderExcluir
  13. Eu tb adorei esse Francisco! Sinto que ele veio pra dar uma organizada nesse rebanho que anda meio perdido faz tempo. Percebo uma LUZ de tolerância, mais moderno e adequado para a atualidade, além de uma força agregadora na FÉ independente da religião...e isso me agrada muitíssimo! Quanto as manifestações...todesacocheio.fora...preguiça demais.
    Beijuuss minha Mi_nina
    P.S: tentarei corrigir e reenviar o convite no skype.

    ResponderExcluir