quarta-feira, 4 de setembro de 2013

A (HÁ) VIDA PELA JANELA.


Eu gosto da delicadeza dos gestos, do que se faz quase sem perceber que os gestos, embora delicados, carregam um gigantismo de significado. Eu gosto e esmiúço gestos assim. Feito hoje, quando o moço, técnico de informática. veio instalar o restante dos programas no meu PC, e ainda ficou em dívida comigo, e conversávamos. E ele me dizia que estava construindo um espaço pra esposa dele trabalhar, fazendo sublimação “pra ver se ela me larga um pouco”, disse ele. Eu menti inteligência e a princípio não perguntei o que era sublimação, mas depois foi o jeito confessar. Ele riu e esclareceu. Ele disse também que a ideia era recuperar a casa alugada a outra família, onde seria o tal espaço para as atividades da esposa dele. Mas o senhor  que aluga a casa suplicou que ele não fizesse isso. O senhor disse: “me deixe aqui, faça o salãozinho dela em anexo, sem problema, mas não me tire daqui não, senão onde vou arranjar outra janela boa dessas?”. É que o ele sofre horrores por causa de uma hérnia de disco, adquirida às épocas em que lidava com enxada na sua roça. Quem é do campo compreende, o sujeito não consegue estar sem lidar na terra, sem acarinhar feito fosse um pedaço do céu. Então agora só as suas mãos conseguem fazer certos movimentos. O restante do corpo aquietou-se. Entravou-se. E o homem vive, em casa, numa daquelas camas de hospitais, de frente pra uma janela que dá num parque e todos os dias a vida acontece nos passos e falas das pessoas transitando por ali, sempre parando pra lhe dar um dedo de prosa e no barulho feliz das crianças brincando. Nem sequer muro pode existir, pra não bloquear a janela do homem da roça, que ainda vive. O moço da informática disse ter feito um amigo. O homem da roça vê, todos os dias, o mundo imenso nos olhos da sua janela.


10 comentários:

  1. Lindo e quem está por lá, na roca, campo, por vezes, nem se dá conta do que tem! LINDO! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Sempre vêm em nossa janela as pessoas certas....

    [e eu gosto muito de gente que age com delicadeza
    ao desfazer-se das ilusões] ·

    beij0

    ResponderExcluir
  3. O moço aqui, olhando por essa janela (windows) sublima pelo relato contado, pela cronista boa q só em contar e pelo moço da informática, pois são pessoas assim q valorizam pessoas e faz do mundo um lugar bom de viver. Bjos, arigó arretada.

    ResponderExcluir
  4. Lindo minha amiga!
    Na verdade, a gente tem que lutar para que o mundo não seja belo, só da janela pra fora!
    Mas saber aproveitá-lo quando saímos do lar, também é muito bom.
    Gostei da sua inspiração!

    Um beijão pra vc! E tenha uma linda quinta feira.
    "A QUINTA QUE O SÃO PAULO VAI SAIR DA ZONA DE REBAIXAMENTO!"

    ResponderExcluir
  5. Os pequenos gestos se transformam em asas além das janelas! abraços

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente lindíssimo.
    Além da delicadeza dos gestos, a delicadeza da tua escrita!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Há mil janelas
    Mágicas, belas,
    Como aquarelas
    Pra se olhar
    Mas uma delas
    Tem por virtude
    Ser Inquietude
    Linda de amar!


    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Fiquei feliz do moço da informática deixar a janela pro outro. Assim adentra o mundo em cada olhar...assim a (há) vida ameniza as dores diárias.
    Beijuuss Mi_nina
    P.S: que lindeza Bruxo escreveu!

    ResponderExcluir
  9. Ahhh minha janela...
    Fico a semana toda presa em uma salinha minuscula e olhando pela janela, me sinto um passarinho preso.

    Mas fazer o que ... a modernidade cobra um preço e o ganhar dinheiro de todo dia tb!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. O papo com o técnico te deu uma linda inspiração, Milene. E uma bela paisagem é um presente diário, como se desfazer disso? E o moço fez um amigo, pelo visto vc também. bjs

    ResponderExcluir