sábado, 19 de outubro de 2013

DAS DORES AO RISO AMARELO


Eu vos conto: o choro do Miguel, porque agora inventou de estranhar, é a coisa mais bonitinha desse mundo. Um beicinho fofo, uma cara de dengo, aí desata a chorar um choro de quem pergunta o que está fazendo ali, no colo de quem quer que seja. A mãe fala que é manha e acusa a nós todos de estragar o menino. Eu falo que é só lindeza. Daqui a meio minuto está o sacaninha a sorrir e pular, fazendo berrar a minha tendinite ‘ombral’... E quem lá quer saber de dor no ombro quando se tem o beiço choroso e o riso de colorir o mundo, do Miguel a pinotar no colo? Eu que não quero. As crianças do meu antigamente não vinham com uma pilha tão poderosa não senhor.

Eu vos conto também: o Daniel é meu sobrinho torto, filho do meu primo e todo dia me chama, na linguagem encantadora dos bebês, pela janela do meu quarto, que dá no quintal dele. E depois faz a mãe o levar aonde sabe que estou; e me abraça tão apertado; e eu espalmo a mão e digo “bate”, ele espalma a mãozinha na minha e diz: “pá”! E quando pergunto “cadê o Botafogo” ele corre pra abraçar a almofada de coração alvinegro sobre a minha cama. E quando falo “bora dançar” ele ergue as duas mãos pro alto e se joga na sonzeira. Tenho pra mim que estou estragando os ensinamentos assembleianos da criança com a minha maloqueirice. E esses dias foi o choro dele quem eu ouvi e não é bom não. Pois as bactérias, malvadas que só, causaram uma infecção na criança que não sorria, não comia, só chorava e sentia dor. E eu? De quase chorar nem queria espiar pra ele. E nessas horas só me reforça a ideia de que ser mãe é profissão da qual eu não ia saber mesmo dar conta.

Eu vos conto outra vez: não é uma ruindade só saber do amigo chorando e não lhe restar nada a fazer a não ser esticar o braço até não poder mais, dizendo “a bagaceira pode estar feia que nem o cão, mas vou estar por perto”? O amigo diz assim: “você é um anjo que Deus colocou em minha vida”. Eu penso que a gente pode ser anjo porque o amigo é anjo da gente também. Isso de amizade sem querer reciprocidade é coisa bonita que só, de se dizer, mas na prática a gente quer ser gostado. E não acredito muito na doação unilateral, aí vira um troço estranho, meio bajulativo, que pode ter qualquer nomenclatura, menos amizade. Mas, voltando ao xis da equação de primeiro grau, porque de segunda eu não aprendi, o choro do amigo dói na gente. Por que há ferida imensurável por trás, latejando e fazendo questão de esconder o dia de ir embora. Mas não há dor que venha de morada definitiva, não é?

Tendo vos contado, tendo achado bonito o beicinho choroso do Miguel. Tendo ficado contente porque o Daniel já melhorou um bocado. Tendo conseguido extrair um valiosíssimo riso amarelo do meu amigo, traduzido num único “K”, dormirei. Por que logo chega a manhã, com a primavera ensolarando logo cedo a minha janela, dizendo que a vida me espera lá fora. Preguiçosamente, atenderei ao chamado.

Que seja alegre, leve e esperançosa, pra semana inteira, pra um bocado de amanhãs, a vida pra nóis tudo.




12 comentários:

  1. Temos vários motivos pra sorrir e quando temos um amigo triste do qual conseguimos, pelo menos um sorrisinho amarelo, ficamos felizes! beijos,linda semana,chica

    ResponderExcluir
  2. Olá Milene,

    Sua postagem está uma ternura.
    Adoro os beicinhos dos bebês. É lindo demais e dá vontade de agarrar e proteger.
    Que bom que o Daniel está melhor. Não suporto ver os meus sobrinhos com qualquer indisposição. Dói em mim.
    Nada mais triste do que ver um amigo sofrendo quando nada se pode fazer para aliviar sua dor. Mas basta uma presença amiga, um abraço ou uma palavra de fé e esperança para ajudar a levantar o astral deste amigo. Sabemos o quanto representa um gesto assim.

    Belos dias primaveris para você.

    Beijo.

    PS: mudou o cenário, mas do fusca você não abre mão, né?-rs.

    ResponderExcluir
  3. É um verdadeiro encanto tirar dos lábios de um amigo, um sorriso, mesmo que seja um amarelinho!
    Sempre suave ler-te Srta!
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Todos os choros nos contagiam. Os das crianças nos fazem procurar brincadeiras e acarinhar. O de um amigo nos leva até a chorar junto, tamanho é o sentimento. Não gosto de ver ninguém sofrer, mesmo que não se trate de alguém querido. Que sua semana seja de sorrisos. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Menina, Milene, puxa, sabe que penso como você... por mais que busque exercitar o amor incondicional, o ser humano tem a tendência inerente da troca. Doação unilateral também me soa um bocado estranha, não que se faça algo por interesse, mas porque é natural essa troca de querer bem quando estamos com quem gostamos de verdade.
    Beicinho de criança é uma graça, hahaha, mas criança doente dá uma dó danada!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Não é difícil saber que você é uma boa e solidária amiga e uma tia corujíssima!
    Kkkkkkk!
    São boas inclinações e só tornam mais colorida a sua aura!
    Bjs, Milene!

    ResponderExcluir
  7. Kkkkk, o K apareceu por aqui. Mi, vc tá estragando o Guel, já tá fazendo o menino sofrer desde cedo torcendo pelo Bota. Deixo vários K para vc. Bjos.

    ResponderExcluir
  8. Oi Mi

    A sua vocação para entender o mundo infantil é explícita, por isto é esta tia amada deste jeito.
    Ah! muito importante:Sem maloqueirice não se entra no mundo das crianças.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. Bem queria uma tia assim...até tive uma que me cuidou muiiiito, mas não com esse humor. Sei bem o que é ter um dia transformado por vc. Sei bem e sou sempre gratidão, qdo me lembro das risadas que vc arrancava de mim naquelas "janelas"! Riso tem cor? Não importa se foi amarelo, logo o arco -íris pinta os dentes desse moço amigo seu.
    Beijuuss minha Mi_nina

    ResponderExcluir
  10. Mi, vc recebeu uma declaração de amor ali em cima, vc viu?!

    Adorei aquilo! hahahahahahaah

    Ahhh, tb te amo! Beijos

    ResponderExcluir
  11. Vc deve ser uma tia maravilhosa, Milene. E pelo menos ele é botafoguense. O ideal seria ser tricolor, mas não ser flamenguista já é um bônus. Bjsssss

    ResponderExcluir