quarta-feira, 30 de outubro de 2013

JOÃO E EU

João propôs que fizéssemos qualquer produção textual em cinco minutos, sobre um tema da minha escolha. Cinco minutos seria o tempo da produção, e mais de meia hora demorei eu pra escolher sobre o que rabiscar. Mandei: “Solidão É Coisa Pra não Doer”. Ele aprovou e sem mais mandou ver na contagem regressiva.Já disse, repito aos quatro ventos solitários: Sou fã! Brincar de dizer, é massa.Consegui uma meia dúzia de palavras e olha só o que esse homem fez nesse tempo miúdo:


Solidão é coisa meio aumentativa
em que não encontro muita solidez
coisa que sem amo presente cativa
e que deveria ir-se de uma vez

Com seus recordares tolos, pífios, ternos
que de corno podem se tornar canção
lá pr'onde quiser, pros quintos dos infernos
vai perturbar outro, vai, comigo não

Só me encontro agora noutra madrugada
me jogo num mundo virtual sem ver
que de solidão eu não entendo é nada
solidão é coisa, em mim, de não doer


(João Esteves)




Ter a solidão fazendo morada dentro de si, não é preciso ser coisa de fazer o sujeito padecer de tanta tristeza. Tem vezes de até ser boa companhia, a fulana famosa por ser má e indesejada. Há momentos, por exemplo, de se querer e carecer estar consigo mesmo, avaliando o vivido, reconstruindo retratos, planejando passos em outras direções a fim de dizer a ela que pode ir, porque estar só, sozinho, a esmo, de braços dados com a própria sombra, do agora por diante é bonito só na poesia.


(Milene Lima)


11 comentários:

  1. As vezes a sombra se torna a nossa amiga, encarnada numa pessoa! abraços

    ResponderExcluir
  2. Parabéns aos dois que falaram JUNTOS e tão bem da solidão , tema difícil! abração aos dois! chica

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bonita parceria da solidão em palavras.

      " Solidão é lava
      Que cobre tudo
      Amargura em minha boca
      Sorri seus dentes de chumbo...

      Solidão, palavra
      Cavada no coração
      Resignado e mudo
      No compasso da desilusão..."

      Gosto da dança da solidão da Marisa Monte...
      Beijo Milene

      Excluir
  4. Hehehehehehehehe MíLi! Ficou bom demais menina!
    Esse João é dos meus! Pois também acho que a solidão é que vá pros quintos... Eu quero é ser feliz!

    Um abraço aos dois!

    ResponderExcluir
  5. Em tempo medido e pesado
    A Milene e o João
    Definem assim, lado a lado,
    Solidária solidão.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Quer queira, quer não, todos precisamos de momentos de solidão. Solidão bacana é aquela que nos faz refletir e tomar decisões acertadas. Solidão boa, é aquela em que nunca nos sentimos sozinhos.
    Abraço, Milene.

    ResponderExcluir
  7. Solidão boa é a temporária, aquela que dura o mesmo tanto que vcs demoraram para criar o texto. Bjos.

    ResponderExcluir
  8. Milene, essa nossa experiência lúdica com a produção textual até que deu certo, a bem da verdade para além de minhas expectativas. Só pelo fato de estar publicada neste seu blog, ela já ganha uns foros de coisa bem mais definitiva que um simples exercício. Vira produto acabado. E chegam então seus leitores/comentaristas e deixam suas impressões e manifestam apreciação tanto em prosa (Ives, Chica, André, Eder) quanto em versos (Tony e Rodolfo). Que coisa boa, essa de acolhida tão amiga, de expressão tão variada. Tô alegre feito criança, tá? Grande abraço a você e a todos.

    ResponderExcluir
  9. Oi Milene,

    Ficou bacana demais esta parceria. Cinco minutos??? Gente inspirada!
    Parabéns para os dois!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Vc e o João devem ser seres diferenciados. Porque escrever esses dois textos lindos em cinco minutos é ´para poucos. Demais isso! Não houve vencedor na disputa, deu empate e com louvor. Bjsss

    ResponderExcluir