sábado, 21 de dezembro de 2013

OBVIEDADES


Há pouco via uma matéria num programa esportivo sobre um sujeito colecionador de camisas esportivas dos mais variados clubes do mundão afora. Uau! Que tudo!

A questão é que tenho certa dificuldade de compreender esse “tudo”. O sujeito coleciona... e daí? E depois? Por que ele não usa as camisas preciosas, ele apenas as pendura num cabide e as aprisiona num relicário qualquer e pronto, é lá que elas passam a viver feito um tesouro de valor inestimável. Então vez ou outra ele as visita e as admira, admira mais um tanto e pronto, esse é o tesão da questão.

Meu irmão, quando fomos adolescentes, guardava no seu quarto uma caixinha com várias canetas. Era o pequeno relicário dele. Eu tinha dó das bichinhas que viviam ali sem água e comida e vez ou outra lhes concedia liberdade provisória... sem que ele sequer imaginasse, é claro. Por que o destino delas eu já sabia: morrerem cheias de tinta ressecada, sem servir pra escrever mísera carta de amor. Vejam bem, não estou querendo justificar o furto das canetas do relicário alheio, apenas ressaltando que sou uma pessoa boa e tentei livrá-las do cativeiro canetário.

Mas eu não sou assim tão intolerante a ponto de torcer para as traças visitarem as vinte e cinco camisas do Pelé, que constam do tesouro do moço. Não sou tão má assim. Até pelos alpinistas nutro certa simpatia, vejam só! Por que antes eu não compreendia a necessidade deles subirem as montanhas mais altas só pra fincar uma bandeira lá em cima e depois darem meia volta e pronto. Que é vantagem quando conseguem descer e só perder um dedinho aqui, outro acolá, na esperança de fazer brotar pé de alpinista na vegetação das montanhas geladas. Pior mesmo é quando não conseguem descer e pra lá ficam, esculhambando a estrutura de quem cá embaixo não desejou fincar bandeira, mas tem que dar seus pulos pra resgatar o atleta das neves.

É Natal. Devo dizer coisas lindas e altruístas. O mundo precisa é dessas coisas, né não? Vamos nos conscientizar e natalizar, verdadeiramente, oxente. Entre uma compra e outra, nos corredores tumultuados dos shoppings; entre um caixa de chocolate e outra, do amigo doce no trabalho; entre um e outro pedido de desculpas que não tem lá tanta profundidade, o essencialmente massa é natalizar-se. Essa coisa urgente e efêmera de se seguir os ritos inerentes à data, é bonitinho, divertidinho, mas é raso. O mundo - e quando digo “mundo” ele começa aqui dentro de mim, ele envolve os meus pensamentos, sentimentos e atitudes – precisa que eu seja uma pessoa melhor. Se não é isso, se não é assim, o Natal do ano vindouro aparecerá com o mesmo discurso do consumo desenfreado, do peru que se lasca sem dó, da mesa farta pra uns e totalmente vazias pra muitos, dos abraços e choros arrependidos e isso tudo fará ínfima diferença... Eu acho. E sem falar da Simone cantando “então é Natal” ano após ano. Ninguém cala essa mulher???

Lembrei-me agora das orientações para não se usar o “eu acho” num texto discursivo. Ora! Mas tem hora que eu só acho mesmo, tenho certeza de coisa nenhuma. Essa rigidez das leis gramaticais são pra lá de complexas e eu desentendo o porquê dessa complexidade toda. O que é um “o”, além de um simples artigo definido masculino? Não faça essa pergunta à nossa gramática, porque ela lhe dará um milhão de possibilidades. Saudades de quando um “o” era simplesmente... um “o”.

Um beijo. Vou ali plantar uma árvore de Natal no meu quintal concretado. 


12 comentários:

  1. o natal vindouro será o mesmo,rsrs adorei o novo layout, mt bonito. tô de blog novo, pra variar, anida não tenho idade pra saber o que eu quero da vida,rsrsrs http://umanjotriste.blogspot.com.br/ bjs :)

    ResponderExcluir
  2. Oi Mi

    O cativeiro canetário foi especialmente engraçado. Rsrsrs

    Desejo a você um ótimo Natal!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ah! O Novo lay out ficou lindo, moderno e alegre!

    ResponderExcluir
  4. Olá! Milene!

    Eu desejo tudo de bom a voce, seus familiares e a todos nossos amigos presentes.
    Que seja a magia do amor o instrumento para a transformação de cada dia num outro ainda melhor.

    Boas Festas, muita paz.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Milene! Fico encantada com seu jeito de abrasileirar as palavras, às vezes saio repetindo por aí, olha só!
    Eu tenho uma pequena coleção de xícaras de café tão lindas e também não merecem morrer aprisionadas no armário, estou bolando um painel para pendurá-las à vista. Quem sabe assim, à mão, não são melhores utilizadas?
    Milene, gosto do espírito natalino mesmo, mas acho (assim como você, certezas me parecem tão transitórias...) que às vezes casa. Mas só às vezes.
    O que vim fazer aqui? Desejar um Natal incrível e um 2014 de quebrar todos os paradigmas. Só para manter um pouco da normalidade.
    Um abração!

    ResponderExcluir
  6. Então é natal...então só vim, mais uma vez e sempre, nessa Inquietude que amo muiiito, reiterar o que sempre lhe desejo ao longo de todo ano: saúde, alegrias, paz, prosperidade, harmonia e amor. Que o natal seja iluminado e alegre pois é assim que o tenho. Esse ano, por aí, com aquele serzinho dilícia de SER irradiando LUZ e isso é es-pe-ci-al!!!
    Beijuuss minha Mi amaaada

    ResponderExcluir
  7. [a gente vai vivendo um dia de cada vez
    e vai remoçando nossas idéias. ficamos
    mais seletivos e ao mesmo tempo vamos
    largando de coisas e admirando atitudes.
    gosto muito de gostar e de admirar vc]

    um abraço cheio de gratidão e carinho.

    um Natal de emoção e tolerância pra todos nós.

    amo tu Lele.

    ResponderExcluir
  8. OI MILENE!
    ADORO LER TEUS TEXTOS, INSPIRADOS NAS COISAS DO DIA A DIA, COMO SE FOSSEM APENAS DIVAGAÇÕES, MAS PERCEBE-SE QUE TRAZEM EM SEU CONTEXTO, TEU LADO DIVERTIDO DE SER, SEM DEIXAR DE PASSAR UMA MENSAGEM A QUAL DESEJAS QUE ASSIM SEJA.
    UM NATAL DE PAZ E MUITO AMOR PARA TUA VIDA E DOS TEUS E QUE O NOVO ANO NOS ENCONTRE, FELIZES A PASSEAR PELA BLOGOSFERA EM VIZITAS CORDIAIS E FAZENDO SEMPRE NOVOS AMIGOS.
    ABRÇS E FICA COM DEUS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Milene, mais um texto maravilhoso! Olha, eu ainda não consigo entender os alpinistas, mas os colecionadores (dependendo da coleção) sim. rsrs

    Essa regra gramatical é uma desgraça mesmo e piorou com essa nova ortografia... E ache sempre, faz muito bem.

    Tenha um lindo Natal e tudo de melhor pra vc! Beijão!

    ResponderExcluir
  10. :))
    Adoro lê-la, Milene.

    Com ou sem árvore, Feliz Natal!

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  11. Hehehehehe!
    Já tá quase na data de "desplantar" a árvore de Natal e agora que eu passo por aqui.

    Admiro como você foi boazinha com as canetas do seu irmão e acho que os Natais não serão os mesmos sem a Simone, hehehehe!

    Mais beijos pra tu!

    ResponderExcluir