quarta-feira, 11 de junho de 2014

PARA A AMIGA, A CARTA



Arapiraca, 10 de junho de 2014.

Minha amiga Dilma.

Sendo tratada pela senhora, por tu, por você (a gosto da destinatária) de forma tão amistosa, me sinto no direito de retribuir da mesma forma. Tudo bem assim?

Nesse momento em que lhe escrevo, no meu peito se abriga um tanto de constrangimento por ter sido todo esse tempo contra a realização da copa do mundo, aquela em que a taça é sempre nossa porque com o brasileiro não há quem possa. A senhora, tu, você, foi brava comigo quando disse que eu estava errada nessa oposição e me listou os benefícios da copa para o povo brasileiro.

Constrangi-me de fato, amiga. Ao contrário de me opor, devo me orgulhar da quantidade de aeroportos supermodernos espalhados pelas capitais Brasil afora. Grandes, funcionais, e tais... fico só pensando que naqueles momentos de enchentes, aquelas de todos os anos, as pessoas ao invés de se abrigarem nas escolas, corram para a modernice dos aeroportos tão bem feitos para receber os nossos visitantes de todo canto do mundo.

A senhora, tu, você, disse que é besteira essa coisa de que o dinheiro investido na construção dos estádios e demais obras a fim de otimizarem a mobilidade urbana (?) deveria ter sido investido em coisas mais urgentes, como a educação, saúde, segurança... E me disse números maravilhosos do quanto de dinheiro já é investido nesses setores e que tudo está em processo de desenvolvimento desde... 1500? Do que reclamamos, então?

Minha amiga tão querida, por um instante eu tive vontade de lhe suplicar perdão por ser uma filha da pátria tão desalmada e ingrata, mas então,  num ligeiro pensar, me remeti àqueles corredores do Hospital Universitário lá de Maceió, onde tenho ido toda semana, onde tanta gente vai todo dia. E me lembrei do senhor que mal podia andar, amparado pelas duas moças que deviam ser suas filhas, que ficou lá por horas a fio... e foi embora sem atendimento. Eu não me importo de estar lá toda semana tentando há mais de 8 anos uma cirurgia, porque só tem no estado um único cirurgião apto para o programa, porque é muita gente na fila, porque a cirurgia é cara e enquanto viva, entre uma copa e outra Olimpíada, eu espero.

E eu também me lembrei da escola onde eu trabalho e a minha amiga Cicinha dando conta da limpeza do prédio inteiro, sozinha no seu horário, porque os órgãos responsáveis não podem mandar mais ninguém, por contenção de despesa. E por lá há merenda, mas não tem merendeira. Então se as pessoas não deixarem as suas funções pra darem conta da merenda, as crianças passam a manhã sem lanche nenhum.

Mas o que isso tem de significância diante de um evento de tamanha magnitude, né? Vamos ajudar o país a brincar de gente rica e moderna, vamos calar o choro faminto e miserável, vamos sufocar os tiros porque o país jamais terá dias tão seguros.

Vamos, então, sorrir e afagar os nossos visitantes que nada tem a ver com isso. Vamos torcer pelos nossos atletas, retrato do povo brasileiro, pobres rapazes que vão lutar pela pátria em troca de alguns milhares de dólares. Me encanta tal desprendimento. Vamos ver os estádios lotados pelo povo brasileiro... Ops! Não? O povo brasileiro não foi assim tão convidado pra festa? A copa será vista pela TV, como em todas as outras? A ele caberá apenas, como anfitrião generoso, pagar boa parte da conta?

Ah, sim. Explicando desse jeito, eu entendo.
Mas, nem um ingresso pra ver o Messi, minha amiga?

Um abraço. 



11 comentários:

  1. A copa ao vivo será só para turistas ou pessoas muito abonadas (ou irresponsáveis), em função dos preços dos ingressos!
    Mas, a campeã de audiência deve faturar uns dois bi, com as transmissões (ainda bem que há outras opções)...
    Esta realidade que vemos nos hospitais, para eles é uma coisa distante, que não os afeta...
    Pelo menos, vamos curtir Messi pela TV...se não houver apagão!!!
    Bjs, Milene querida!

    ResponderExcluir
  2. Em tempo: a imagem já fala por si só!

    ResponderExcluir
  3. Adorei a carta e ontem após ver e ouvir o discurso, fiquei babando por conhecer esse lugar de sonhos que ela mostrou. Com certeza vai pra minha lista de desejos,rs... Que coisa, barbaridade.

    Por isso não posso torcer .Os jogadores ganham milhões e se ganharem, não fazem mais que a obrigação deles!

    Só torcerei para que a bola role com paz dentro e fora dos estádios, pois não adianta protestar agora. Tem hora pra isso, tá perto! beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. [As palavras estão muito ditas
    e o mundo muito pesado.
    Fico ao teu lado.]

    beij0

    ResponderExcluir
  5. Como já disse o Bruxo: uma lástima que ela não terá oportunidade de ler! Enquanto isso vamos vivendo...gostava que a resposta do povo brasileiro, dessa nação de chuteiras fosse em outubro próximo. Mas, não carrego nem um tiquim de verde para tal GOL!!!
    Beijuuss

    ResponderExcluir
  6. Realmente sua carta tem várias assinaturas, inclusive a minha.
    Estou nada mais nada menos que 20 minutinhos a pé do tal estádio de abertura do mundial, mas que de carro não será possivel, então para poder chegar até meu lar, preciso realizar verdadeiros desvios, isso se não quiser pagar uma fortuna de estacionamento, para tão somente após o evento ir busca-lo para guarda-lo mais uma vez em casa, na garagem.
    Constrangedor é passar todas as manhãs e ver aqueles trabalhadores em fila para receber o café da manhã, e de pensar no cardápio que os convidados devem ter recebido por sua AMIGA nos bastidores...É querida blogueira tá dificil.
    Fraterno abraço e convidando-a a conhecer o Perseverança, deixe seu link para os leitores tb poderem apreciar sua página, que achei um encanto.
    Nicinha

    ResponderExcluir
  7. MILENE,

    você emociona quando narra sua partida corrida e, ainda sem gols destas sua constantes idas ao hospital em busca de uma cirurgia, e veja você poderia estar ganhando este jogo por 8x0 e o perde a cada ano que na porta do gol, o juiz diz que você está em posição de impedimento.

    Oito anos de incompetência administrativa!

    Mas como brasileira você não desiste nunca, é movida pela esperança,desta nação miscigenada e que,logo aprendeu a ter raça, destas raças raçudas e de todos os piores e melhores momentos que vivemos ,por aqui ,abaixo dos trópicos, desde a colonização destas terras brasileiras.

    Emociona Milene, pois diferentemente dos protestos que dilapidam, destroem e queimam os esquipamentos urbanos que amanhã teríamos que usar, você consegue dar um recado inteligente,profundo e cheio de altos momentos de autenticas observações que nós todos , tenho certeza, admiramos.

    Ser mulher com certeza é ter esta forma inteligente de parir protestos, observações e verdades sem romper, inadvertidamente a bolsa d'água antecipadamente e que, expulsaria prematuramente, os filhos desta terra mãe-gentil.

    Dilma também é mulher,Dilma é avó e a única diferença e básica entre a Dilma-mãe e avó e você é o fato de que, quando ela tem uma cólica a levam para o melhor hospital do Brasil, para ser atendido pelos melhores profissionais da área médica, desta nação.

    E quanto a você eu peço a Deus que não volte a nona vez nesta maldita peregrinação que você faz e continua sem atendimento.

    Como professora você sabe que ensinar é muito mais difícil do que mentir e que,mentir ainda,é uma das características mais frequentes da Dilma e dos políticos em geral.

    Continuamos a acreditar que, este país um dia será tão digno quanto esta sua abnegação que, procura apenas a possibilidade de uma cirurgia, e pensar que estes corruptos contumazes desta república, vivem amputando de forma vil e indesculpável, cada vez mais a honra nacional e a sua possibilidade enquanto, cidadã.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  8. Que carta maravilhosa, Milene. Fora a isenção TOTAL que o governo deu pra Fifa em relação ao pagamento de impostos. Como assim? Ela não vai pagar nada, mas também, dane-se, quem paga somos nós mesmo. E o engraçado foi ver a reação do PT sobre os xingamentos proferidos no jogo do Brasil: "É a elite branca!". Além disso ser um preconceito claro --- aliás, Lula que começou com isso de segmentar classes, só defendendo os pobres, taxando os ricos e classe média de 'malvados' -----, o governo ainda admite, indiretamente, que gastou bilhões em um evento onde só rico aproveita. Bjssss

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir