quarta-feira, 16 de julho de 2014

NAMORADEIROS


Não há confraternização mais bonita do que quando a noite e o silêncio se juntam numa coisa só. Eu, por mim, ficaria pelo tempo que durasse esse ajuntamento a observá-los, a fingir nem estar ali só pra ver o caminhar de par, até raiar a luz do dia.

Quiçá até uma musiquinha, num volume delicado que era pra não afrontar o silêncio, embalando as horas, conduzindo os pensamentos, inspirando os pés a balançarem suaves e sem pressa.

Se o sujeito é bom ouvinte, a noite tem um muito de história pra inventar,  um bocado de poesia pra inspirar.... Um tanto de coisa bonita pra dizer. É só lhe oferecer tempo e atenção. É só não lhe roubar o enamorado silêncio.

Mas, inventou-se essa coisa de ser gente grande e desencantado, de ser preciso ajeitar as horas pra tudo, ou o sujeito se ajeitar nas horas. De se precisar dormir e mais tarde acordar. E em seguida mastigar um café da manhã numa ligeireza desmedida, sem um pingo de tempo pra apreciar, sei lá, o silêncio que precede a urgência. E outro dia passará sem que se tire dele nada além de horários preenchidos por afazeres vazios.

É preciso desinventar o inventado. Então, que se emudeçam os vorazes barulhos do cotidiano. Que se entorpeçam cantos, esquinas e jardins com os sentires mais loucos e bons, a causarem alvoroço de alegria. Que tropece, o sujeito, no olhar do outro e sem que nem perceba lance um riso leve, à medida que caminha pela calçada, naquela manhã descombinada de pressa.

Por hora, psiu! Outra vez namoram e passeiam, o silêncio e a noite. 


9 comentários:

  1. Muito bom!
    Infelizmente inventaram a pressa, os compromissos, as contas a pagar! Isso tudo toma forma em nossas cabeças e viram monstros, que não nos deixam sentir o belo, olhar para as pessoas, e aquietar a alma!
    Belo texto minha amiga!

    ResponderExcluir
  2. O que dizer? Adorei! Tens razão! Não podemos nos deixar levar pelos movimentos impostos e automáticos...Tão bom viver , passando pela vida curtindo o belo, o bom! beijos,lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto. Bem a sua carinha.

    ResponderExcluir
  4. Oi Milene. Sou fã número 1 dessa dupla namoradeira. Somente consegue entender essa dupla (silêncio e noite) e tirar belas lições, quem souber ouvir e estiver em paz consigo mesmo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Uma lindeza! Não sou notívaga como vc, mas nas muitas noites que Morfeu me abandonou, dando lugar àquela deprêducão que não desgrudava, apreciava e muito esse encontro. Ainda mais numa rua super movimentada como a minha e com uma construção civil ao lado (que começa às 7 da matina até as cinco da tarde toooooodo santo dia sem faiá nenhum) e outra no próprio prédio. É ou não é pra achar um deslumbre esse namoro?!
    Outra coisa: só para constar, meus aromas (perfumes e afins) são como o seu gosto...cítricos. Não combina comigo doce. Meu lado agri rsrs.
    Beijuuss nocê

    ResponderExcluir
  6. O silêncio que precede a urgência. A noite que precede o dia-a-dia. Adia. A alforria do relógio de ponto. O sentimento vem na ponta dos teus dedos, derrama-se pelo teclado, invade quieto nosso silêncio. Iluminado, o anônimo, é tua carinha... te amo.

    ResponderExcluir
  7. OI MILENE!
    NA RIQUEZA DE TEU TEXTO, MUITO, DA VERDADE DO QUE É NOSSA VIDA, PASSAMOS O TEMPO A CORRER, SEM NOS DARMOS CONTA DA BELEZA DOS SILÊNCIOS A PASSEAREM COM A NOITE.
    LINDO .
    BRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Que texto bonito, Milene. E a noite inspira mesmo. Só escrevo à noite, aliás. E silêncio e noite formam um boa dupla. Muitas acham triste, mas nem sempre. E ainda que seja, faz parte. bjs

    ResponderExcluir