quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Hoje Tem Dia Trinta

Trinta de outubro é um dia especial para esta cidade, fincada no centro do estado de Alagoas desde mil oitocentos e oitenta e alguma coisa, mas transformado em município há noventa anos. Conta-se que Manoel André ganhou por essas bandas um terreno do sogro e quando veio tomar posse, se abancou embaixo de uma árvore de sombra vasta, que carregava o nome de arapiraca... assim deu-se a escolha do nome da cidade.

Nesses noventa anos de independência política (não levem a palavra independência, nesse contexto, assim tão ao pé da letra) o dia trinta tem sido obviamente feriado, mas um feriado diferente, mantendo uma espécie de relação especial com a memória afetiva dos seus moradores.

Quando era fim de setembro, que se destalava fumo, as mães pensavam no dinheiro apurado pra comprar roupa nova pros meninos irem pro “Dia Trinta”. Era assim a referência, mais que uma data, um título. Eu me lembro, quando muito menina me assentava na calçada lá pelas três da tarde, que era quando o povo começava a passar com suas roupas de feriado, cabelos bem penteados e no bolso uns trocados pra comprar aqueles sorvetes com gosto de quase uva. Meus irmãos não perdiam um, eles e os amigos todos embecados e bonitos.

Já um pouco mais além no tempo, eu estudava numa escola que tinha uma das melhores bandas marciais da cidade. Também alguns dos meus irmãos tocavam lá e os ensaios eram incríveis. Eu amava aquela zuada organizada toda. No dia do desfile a torcida era grande, quase como em dia de jogo, e chegávamos perto de ganhar a primeira colocação como escola de desfile mais bonito... Mas era difícil concorrer com o luxo das escolas particulares.

O “Dia Trinta” se mantém resistente ao passar dos anos e dos afazeres modernos. Todo ano uma multidão se distribui à beira das calçadas no centro a fim de ver passar as escolas e suas bandas e danças. Mesmo sem sem o lúdico e romântico de outrora, tenho pra mim que o “Dia Trinta” não passará nunca pra outro dia o seu bastão de especial, ainda que seja na memória de quem o acompanha há muito tempo. Afinal, como diz Adélia Prado, o que a memória ama, fica eterno.

E eu tenho um abraço especial de dia trinta, que é pro meu cunhado Jackson, aniversariante do dia de hoje. Ele tem uma única irmã, a Patrícia, que faz aniversário em sete de setembro. Dona Lourdes, a mãe dele, caprichou nessa coisa de escolher data especial para o nascimento dos filhos. Tratou logo de exigir feriado.

Pro Jackson, o meu abraço, carinho, compreensão (porque a gente vive debatendo e rindo), torcida eterna pro seu sucesso e gratidão por sempre estar a postos quando eu preciso. Quem a gente é se não tiver por perto quem tenha a pretensão de “ao seu dispor”? O fRamengo até ganhou ontem, em homenagem a ele, e pelo que me parece nenhum daqueles dez juízes que eles tem estava em campo.

Eu hoje não vou pro Dia Trinta, nem pra calçada espiar as pessoas passando. Por lá tem uma multidão e eu tenho caminhado pelo lado da quietude. E pela calçada não passa mais ninguém vestido de feriado. Carros, motos e ônibus cumprem a prática missão de carregar todos.

O que foi feito do charme, ao passar dos tempos?


Um beijo.


6 comentários:

  1. Que legal esse DIA 30. Pena que hoje tu não vais ver nas calçadas.Tudo muda, tudo fica tão diferente! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Mi

    Ahh essas lembranças....

    E eu aqui salivando de lembrar do sorvete com gosto de quase uva, nas festas da padroeira. Mas tinha também o do líquido vermelho (algo que remetia a morango) e o amarelinho e o verdinho. Tipo neve cremosa que virava suco assim que os lábios tocavam nele e eu queria sempre encher a boca de sorvete em uma lambida, mas nunca chegava o sorvete, na boca era suco
    (que delícia essa lembrança de sabor que nunca mais teve bis).

    Parabéns ao Jackson

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Desconhecia este acontecimento, Milene. Adorei me inteirar. Mas como eu me conheço, também optaria pelo recolhimento. rs bjssss

    ResponderExcluir
  4. Ahhh porque não vai? Essas tradições merecem ser mantidas. No interior é mais fácil. Adorei a história do municipio!
    Saudadona de passear pelos blogs, hj tô me inteirando! Prometo não sumir mais.
    Feliz Halloween kkkkk beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Milene!!! Bom vê-la de volta no Inquietude. Eu gosto muito das tradições, porém nem sempre participo. Em minha cidade em breve começa a festa da padroeira do Paraná, fica muito movimentado e há muita coisa boa para se saborear. Comprar roupa nova para esses eventos é clássico, kkkk! Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Qualquer povo que se preze deve cultivar as suas memórias, dar-lhes lustro, avivar-lhes a alma, pois só saberemos para onde ir se soubermos donde vimos. Razão mais que suficiente para simpatizar com esse dia 30, é o que é.

    Beijo :)

    ResponderExcluir